abr
17
Posted on 17-04-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-04-2014


Gabo:parte um mestre da literatura e do jornalismo
=================================================

DEU NO IG

O escritor colombiano Gabriel García Márquez, ganhador do Nobel de Literatura em 1982, morreu nesta quinta-feira (17), aos 87 anos. A informação foi dada por uma pessoa próxima à família para a agência AP e divulgada também por jornais como “El País” e “El Tiempo”.

Conhecido principalmente por “Cem Anos de Solidão”, Gabo, como era seu apelido, foi um dos mais importantes escritores da América Latina e de toda a língua espanhola. Nenhum título em espanhol além da Bíblia vendeu mais do que os assinados por García Márquez.

Também famoso pelo trabalho como jornalista, o autor escrevia romances e contos marcados pela combinação de real e fantasia, misturando histórias folclóricas a descrições tão gráficas que pareciam reportagens.
No dia de seu aniversário (06/03/2014), Gabriel García Márquez cumprimenta fãs do lado de fora de sua casa na Cidade do México.

Recentemente, o autor ficou oito dias hospitalizado no México, por causa de uma pneumonia. Recebeu alta em 8 de abril, mas na ocasião os médicos disseram que sua saúde era frágil. O escritor teve um câncer linfático nos anos 1990, e em 2012 seu irmão, Jaime, afirmou que ele sofria de “demência senil”.

Nos últimos anos, o autor evitava aparições públicas. Mas no último aniversário, em 6 de março, apareceu em frente à sua casa na Cidade do México para receber amigos e fãs que levaram bolo e flores. O escritor foi fotografado, mas não se pronunciou.

Trajetória

Gabriel García Márquez nasceu em 1928 na pequena cidade de Aracataca, norte da Colômbia. Foi criado pelo avô materno, um coronel que lutou na guerra civil do começo do século, e pela avó, que costumava lhe contar histórias fantásticas.

Frequentou um colégio jesuíta e estudou Direito da Universidade Nacional da Colômbia, quando começou a escrever para jornais e a frequentar círculos de escritores e jornalistas, inclusive um grupo conhecido como Barranquilla. Com os anos, passou a se dedicar cada vez mais ao jornalismo, trabalhando inclusive como crítico de cinema.

Nos anos 1950 foi enviado à Europa para ser correspondente internacional do diário colombiano “El Espectador”. Desde então morou em vários lugares do mundo, como Roma, Paris, Barcelona, Nova York e Cidade do México, onde viveu nos últimos 30 anos.

Símbolo de um período de forte ascensão de escritores latino-americanos, a obra vendeu 50 milhões de cópias em 25 idiomas.

Misturando fantasia e realidade, “Cem Anos de Solidão” conta a história de sete gerações da família Buendía, que vive no povoado fictício de Macondo, situado em algum lugar da costa colombiana entre os séculos 19 e 20.

O escritor e jornalista norte-americano William Kennedy definiu “Cem Anos de Solidão” como “a primeira obra literária desde o Livro de Gênesis que deveria ser obrigatória para toda a raça humana”.

Nobel da Literatura

O sucesso do livro foi fundamental para que García Márquez ganhasse o Nobel de Literatura em 1982. Ele foi o quarto escritor latino-americano a receber o prêmio, depois dos chilenos Gabriel Mistral (em 1945) e Pablo Neruda (em 1971) e do guatemalteco Miguel Ángel Asturias (em 1967).

A Real Academia Sueca de Ciências, que entrega o prêmio, justificou a escolha dizendo que nos romances e contos de García Márquez “o fantástico e o realismo são combinados em um rico mundo composto de imaginação, e que reflete a vida e os conflitos de um continente”.

O escritor foi além do sucesso de um livro só, consolidando-se como um contador de histórias imaginativas e bem escritas como “O Outono do Patriarca” (1975) e “Crônica de Uma Morte Anunciada” (1981), além de contos publicados em coleções e revistas.

Cada novo trabalho – até o último, “Memórias de Minhas Putas Tristes” (2004) – era esperado com expectativa por críticos e leitores e traduzidos para vários idiomas. A morte era um de seus temas mais frequentes, bem como a força do destino e do inexplicável.

“Com suas histórias, García Márquez criou um mundo próprio, que é um microcosmo. É tumultuado e desconcertante, mas passa autenticidade e reflete o continente (América Latina), sua riqueza humana e sua pobreza”, definiu a Real Academia.


Dom Murilo e Prico juntos; fim da greve da PM

=============================================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

Da Redação

Os policiais militares e bombeiros da Bahia decidiram encerrar a greve deflagrada no início da noite da última terça (15). O coordenador-geral da Aspra, Marco Prisco, apresentou os itens da contra-proposta elaborada pelo Governo do estado, em assembleia realizada no Wet’n Wild, na tarde desta quinta-feira (17), e perguntou aos policiais se eles aprovavam. A maioria levantou as mãos, em sinal de que aprovava o fim da paralisação, gritando em coro “ô, ô, a PM voltou”.

A contra-proposta do Governo foi elaborada durante a madrugada e apresentada aos líderes dos grevistas pelo coronel da Polícia Militar Alfredo Castro na manhã desta quinta (17), no Quartel do Comando Geral da Polícia, nos Aflitos. O arcebispo-primaz do Brasil, dom Murilo Krieger, foi convidado para participar da reunião e abençoou o acordo.

A categoria, que reúne pelo menos 34 mil homens na ativa no estado, reivindicava melhoria salarial, mudanças na política remunerativa, plano de carreira, acesso único ao quadro de oficiais, um Código de Ética, aposentadoria com 25 anos de serviço para a Polícia Feminina, aumento do efetivo, bacharelado em Direito para os oficiais, além de elevação de toda a tropa para o nível superior entre 2014 e 2018.

A assembleia desta quinta-feira (17) contou com as diversas associações da categoria, como a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), a Associação de Praças da Polícia Militar do Estado da Bahia (APPM-BA) e a Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia (Força Invicta).

Multa
Na tarde de quarta-feira (16), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), sediado em Brasília, concedeu liminar determinando a imediata paralisação da greve dos policiais militares na Bahia, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1,4 milhões. A Justiça determinou ainda o bloqueio de bens de Marco Prisco, das associações envolvidas no movimento e de seus dirigentes.

A decisão foi tomada a partir de pedido urgente ajuizado por meio do Ministério Público Federal (MPF). Segundo a Justiça, o bloqueio de bens visa garantir o ressarcimento dos prejuízos causados aos cofres públicos, a exemplo do uso da Força Nacional de Segurança Pública para o estado.

Consequências
Durante as 36 horas de greve dos policiais militares, 25 pessoas foram mortas e outras quatros ficaram feridas em Salvador, segundo o boletim diário de ocorrências da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA). Entre as vítimas estão crianças, adolescentes e policiais militares. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, nas últimas 24 horas, houve um aumento superior a 100% no numero de agressões físicas por arma de fogo e branca na capital.

Ruas ficaram desertas, lojas foram saqueadas e os pontos de ônibus ficaram vazios por conta do medo da população. Pelo menos 50 pessoas foram presas em flagrante por roubo a mão armada, arrombamentos e saques. Centenas de ônibus deixaram de circular para evitar ataques de vândalos e arrastões.

BOA TARDE, CIDADE DA BAHIA!!!

abr
17

DEU NO “PÚBLICO”, DE PORTUGAL

A polícia militar da Bahia está em greve há dois dias e paralisação está reflectir-se na segurança do estado brasileiro, com pelo menos 44 homicídios registados nas últimas 48 horas e vários estabelecimentos comerciais saqueados. A maioria dos incidentes decorreram em Salvador, onde não há aulas e a circulação de transportes públicos foi reduzida.

A polícia militar exige o aumento de gratificações, garantias de progressão na carreira, a atribuição da reforma a mulheres policiais com 25 anos de serviço e a separação do corpo de bombeiros. Estas duas últimas reivindicações foram aceites, mas o governador da Bahia, Jaques Wagner, afirma que não tem capacidade orçamental para responder aos pedidos de aumento. A paralisação continua em vigor apesar de ter sido considerada ilegal pelas autoridades judiciais da Bahia.

Para tentar minimizar os efeitos da greve na Bahia, foram mobilizados milhares de elementos do Exército para patrulhamento em Salvador e outros municípios. Entre oito mil homens, segundo o G1, seis mil, de acordo com a edição online da Folha de São Paulo, estão nas ruas, apoiadas por várias dezenas de viaturas e helicópteros da Força Aérea.

Nos últimos dois dias, o crime tem aumentado naquele estado, segundo os principais jornais brasileiros. É na periferia da capital da Bahia, Salvador, que a situação se revela mais preocupante.

Segundo informações da Superintendência de Telecomunicações das Polícias, citadas pela Folha, pelo menos 44 pessoas foram mortas, incluindo dois elementos da polícia militar, vítimas de disparos à porta das suas casas.

Vários estabelecimentos comerciais têm sido saqueados, principalmente nos bairros da Calçada, Cosme de Farias e de Brotas, indica o G1, site e notícias de o Globo. Em pelo menos duas situações foram utilizados carros para arrombar as portas de lojas.

A edição online do Estadão lembra que esta é a segunda greve da polícia militar em dois anos na Bahia. Em 2012, e durante 12 dias, a paralisação ficou marcada pela ocupação da Assembleia Legislativa e pelo registo de mais de 100 homicídios.

=================================================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

Alexandro Mota, Amanda Palma, Bruno Wendel, Clarissa Pacheco e Victor Lahiri

A cidade dormiu apreensiva e, à medida que acordava, a sensação de medo ganhou contornos concretos no segundo dia de greve dos policiais militares: ruas vazias, estações de transbordo sem ônibus, lojas arrombadas, saques, arrastões e assaltos, pedestres com medo, escolas e faculdades fechadas. No Centro e na periferia, o comércio viveu uma madrugada atípica. No Pero Paz, três lojas foram arrombadas e saqueadas numa mesma rua. Com medo, comerciantes nem abriram as portas. “Pensei que estava no Iraque. Como é que dorme? Foi muita zoada (dos saques). Como não foi dentro da minha casa, não fui olhar”, contou um morador de São Caetano — onde o comércio popular também ficou fechado.

Já no IAPI, ladrões levaram toda a mercadoria de pelo menos dois estabelecimentos. Os alvos foram lojas de calçados, roupas, aparelhos eletrônicos e alimentos. “Levaram roupas dos manequins, televisores, telefones, computador, ventiladores e até cabelos”, disse o empresário Vivaldo Júnior, 40, dono da Erica Hair, em São Marcos, também saqueada.

Duas lojas da Cesta do Povo foram arrombadas e saqueadas na madrugada — no Vale do Ogunjá e Comércio. Ainda no bairro, todos os aparelhos da vitrine de uma loja de celulares foram levados.

No Centro Histórico, pelo menos duas joalherias foram arrombadas: na Ladeira da Praça e na Praça da Sé. Já na Rua Chile, uma lan house e uma perfumaria, que funcionam no mesmo imóvel, foram saqueadas.

Na Avenida Lima e Silva, Liberdade, um carro foi usado na tentativa de arrombamento
de um salão. A grade do estabelecimento foi derrubada por um Sandero (placa NTD-6021). O portão, no entanto, não foi violado.

Para o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindilojas), Paulo Motta, os prejuízos são “imensuráveis”.

Ocorrências

Comerciantes não puderam registrar os roubos em delegacias por conta da paralisação de 24 horas de investigadores, escrivães e peritos técnicos da Polícia Civil. As atividades serão retomadas hoje.

Quem não foi alvo dos saqueadores dispensou funcionários e fechou mais cedo. Shoppings que abriram as portas, mesmo com segurança privada, encerraram o expediente às 17h — normalmente funcionam até as 22h. O clima de insegurança só aumentou até o final do dia.
No início da tarde, o Extra da Avenida Vasco da Gama foi assaltado por um grupo armado. Após o assalto, a loja encerrou as atividades, “para manter a integridade dos clientes e funcionários”, segundo nota da rede. A loja não divulgou quais produtos foram roubados.

Prisões
Os saques continuaram e, no final da tarde, 26 pessoas foram presas e um adolescente apreendido em flagrante ao roubar calçados e roupas de uma loja também na Avenida Lima e Silva. À noite, a PM informou que, ao todo, 50 pessoas foram presas.

Ontem de manhã, oito rapazes que participaram de um arrastão entre o Jardim de Alah e o Parque Costa Azul foram conduzidos à 9ª Delegacia (Boca do Rio). Com o grupo, foram encontrados vários pertences de vítimas. Um dos ladrões tentou fugir nadando, mas foi capturado.

Pânico
Também foram relatados casos de grupos armados aterrorizando a população — como no Resgate. “Eles chegaram em motos fazendo arruaça. Tinham roubado uma mulher, na entrada do bairro, e próximo ao final de linha fizeram outra vítima”, contou o funcionário de uma padaria.
Ontem, por volta das 11h, as lojas da Insinuante e Casas Bahia, que ficam na entrada do bairro, fecharam as portas, enquanto funcionários da Farmácia Pague Menos se mantinham trancafiados — após o assalto a uma pedestre.

“A gente dá um duro retado para comprar as coisas com dificuldade e aí vem dois ladrões, põem a arma na sua cabeça e levam tudo”, disse a vítima entre soluços e lágrimas.
serviços Agentes da Transalvador reduziram o atendimento nas ruas, assim como a Guarda Municipal.

Agências bancárias no centro da cidade e em bairros periféricos fecharam as portas por orientação do Sindicato dos Bancários. Uma agência do Itaú foi arrombada, na madrugada de ontem, na Calçada.

De acordo com o sindicato, nas cidades do interior do estado onde há greve, as agências não estão funcionando. A assessoria da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que não recebeu nenhum comunicado das instituições financeiras sobre anormalidade no atendimento no estado. Trabalhadores tiveram dificuldade para encontrar transporte na rua e nas estações da Lapa e Pirajá. Quatro empresas deixaram de circular mais cedo por medo de assaltos e arrastões.
“Desisti de ir trabalhar, fiquei em casa”, contou Agda Souza, 38 anos, moradora de São Caetano, que trabalha em uma clínica na Graça.

Houve confusão na porta da empresa São Cristóvão, em Campinas de Pirajá, por volta das 7h. Rodoviários teriam sido obrigados a sair para trabalhar pela direção da empresa. Na confusão, alguns ônibus da empresa foram apedrejados.

Jornal
A distribuição do CORREIO, ontem, aos assinantes foi prejudicada em bairros como Valéria, Fazenda Coutos, Sussuarana, Sete de Abril e Baixa do Petróleo, onde foram montadas barricadas.

Os exemplares não deixaram de ser entregues, mas houve atraso. “Grupos armados fizeram barreiras e não deixavam as pessoas passar”, afirmou o gerente de Mercado Leitor, Operações Logísticas e do Clube Correio, Welter Arduini.

abr
17
Posted on 17-04-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-04-2014


============================================================
Sid, hoje, no portal de humor A Charge Online

abr
17
Posted on 17-04-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-04-2014

DEU NO PORTAL A TARDE

Da Redação,

Após mais de cinco horas de reunião na Assembleia Legislativa da Bahia (Centro Administrativo – CAB), fracassou a tentativa de um acordo para pôr fim à greve de policiais militares no estado.

Lideranças do movimento grevista da PM e deputados estaduais buscavam, na noite desta quarta-feira, 16, elaborar uma nova proposta a ser enviada ao governo, no entanto as reivindicações foram rejeitadas pelo governo e tudo voltou à estaca zero.

Segundo o deputado Zé Neto (PT), que participou da reunião, somente uma das propostas relativas a salários causaria um ônus de R$ 712 milhões no orçamento do estado.

===============================================================

DEU NO BLOG POR ESCRITO, DO JORNALISTA LUÍS AUGUSTO GOMES

A greve da Polícia Militar repete, do ponto de vista eleitoral, a situação de 2012, quando, também em abril, iniciou-se a paralisação dos professores estaduais que duraria 120 dias e seria apontada como a causa maior da derrota do candidato do PT à Prefeitura, Nelson Pelegrino.

Como há dois anos, a deflagração do movimento se deu após numerosas tentativas de entendimento, em que, igualmente, despontou a incapacidade do governo para o cumprimento de acordos e para o estabelecimento do diálogo, que se imaginava seu principal mecanismo de atuação.

As coincidências, enfim, são muitas, embora uma diferença gritante já comece a mostrar seus efeitos: uma greve policial equivale, na prática, a uma greve geral, pois é desaconselhável a circulação de pessoas num ambiente de insegurança, como já se começou a ver na primeira noite e madrugada.

Os motoristas de ônibus foram os primeiros a recolher-se, seguindo orientação do sindicato dos rodoviários, pois se são vítimas diárias dos assaltantes em períodos “normais”, o quadro só poderia piorar sem policiamento. Por outro lado, do alto de sua responsabilidade, a reitora da Ufba, prudentemente, suspendeu as aulas na instituição.

É uma reação em cadeia mais que natural, e se uma solução não vier rapidamente as consequências serão imprevisíveis para a economia municipal e para o bem-estar da população. Sem que se possa imaginar o que pensam seus principais operadores, o governo é mais uma vez passivo, parecendo que desconhece a experiência anterior.

===============================================

Flores não vencem canhões, já sabemos a lição. Mas a picardia , como ensinam os franceses há séculos e os baianos parece que desaprenderam, é uma boa arma para enfrentar crises.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)


DEU NO G1

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) declarou a ilegalidade da greve da Polícia Militar (PM) na manhã desta quarta-feira (16). De acordo com a decisão do desembargador Roberto Frank, os policiais militares devem retornar ao trabalho imediatamente. Para o Supremo Tribunal Federal (STF), os militares e equiparados são proibidos de fazer greve.

A paralisação da PM desde a noite de terça-feira (15) alterou a rotina em Salvador e cidades como Feira de Santana e Vitória da Conquista, na Região Sudoeste, e em Juazeiro, no Norte do estado. Ruas ficaram desertas, ônibus foram recolhidos, aulas foram suspensas, supermercados sofreram saques e bancos, arrombamentos.

A decisão da greve ocorreu após representantes de associações que representam os policiais militares terem analisado e rejeitado uma proposta de modernização da PM feita pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

Segundo o TJ-BA, oficiais de Justiça vão entregar a decisão da ilegalidade ao comando grevista da PM e ao governo do estado. Caso os policiais não retornem ao trabalho, será aplicada multa diária de R$ 50 mil. Até por volta das 13h30, os representantes das associações não confirmaram o recebimento da decisão.

A ação cautelar foi ajuizada pelo procurador-geral de Justiça, Márcio José Cordeiro Fahel, contra o governador da Bahia, Jaques Wagner, e seis associações representativas da PM: a Associação de Policiais e Bombeiros e de Seus Familiares (Aspra), a Associação de Praças da Polícia Militar da Bahia (APPM-BA), a Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia (AOPM-BA Força Invicta), a Associação dos Oficiais Auxiliares da Polícia Militar (AOAPM-BA), a Associação dos Subtenentes, Sargentos e Oficiais da Polícia Militar da Bahia (ABSSO-BA) e a Associação dos Bombeiros Militares da Bahia – Associação Dois de Julho.
saiba mais

  • Arquivos

  • Abril 2014
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930