Leão, para Nilo, é “sapo” duro de engolir

================================================================

DEU EM A TARDE

Tendo que engolir um sapo do tamanho do deputado João Leão (PP), que o derrotou na disputa pela vaga de vice do candidato a governador Rui Costa, do PT, o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo, se diz injustiçado pela decisão e tenta reatar as relações políticas com o governador Jaques Wagner. Nilo pretende disputar a reeleição de deputado estadual e não afasta a possibilidade de tentar novamente renovar seu mandato de presidente do Legislativo.

Se o senhor fosse o governador Wagner e tivesse dois aliados, um mais fiel, como Marcelo Nilo, e outro como João Leão, não seria menos traumático para a aliança contrariar o mais fiel, escolhendo Leão como vice?
Acho que um dos motivos que ele escolheu Leão foi justamente pelo fato de me considerar um amigo e ter a certeza absoluta de que eu não mudaria de lado. Suponho que a decisão foi ele achar que o amigo nessa hora tem que se sacrificar.

E ele estava certo?
Creio que ele estava errado. O escolhido teria que ser aquele que reunisse as melhores condições políticas. Modéstia à parte, acho que eu reunia. Tive apoio de todos os aliados, sem exceção. Aí você tira o PSD de Otto Alencar, que era candidato e não iria se meter (na escolha) e o PT. Tive o apoio de 22 federais em 26 possíveis, de todos os 63 estaduais e reuni todas as condições políticas para exercer o cargo de vice, mas…

Essas forças todas que o apoiaram reagiram de que forma com a escolha do governador? Vão trabalhar sem suar a camisa pela eleição da chapa Rui Costa/João Leão?
Não creio que as forças políticas vão reagir a esse ponto. Eles preferiam Marcelo Nilo, mas respeitaram a decisão do governador.

E na opinião do senhor, foi uma decisão equivocada?
Sim. Porque se eu fosse o vice seria escolhida a chapa mais forte. Eu aceitava qualquer critério político: pesquisa, conselho político, conhecimento, quem tivesse mais relações. O critério que ele usou foi matemático
.

http://youtu.be/O6DxKVDQx8w

Caymmi!!!Caymmi!!!Caymmi!!!

BOA TARDE!!!

(Gilson Nogueira)

DEU NO PORTAL METRO1

O Processo Judicial Eletrônico (PJE) começa a ser operado pelo Tribunal de Justiça da Bahia a partir desta terça-feira (8). O software é desenvolvido pelo Conselho, em parceria com os tribunais, para a automação do Poder Judiciário. O presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Joaquim Barbosa, e o corregedor Nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, acompanharão o início da implantação do programa aqui em Salvador nesta sexta-feira (11). Os magistrados baianos já estão sendo treinados para utilizar o sistema.

abr
07
Posted on 07-04-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-04-2014


=================================================================
Thiago Lucas, hoje, na Folha de Pernambuco

=====================================================

TODO ME GUSTA DE TI
Canta: Alberto Beltrán con La Sonora Matancera (cUBA)
Año: 1954
Ritmo: Bolero
Autor: Cuto Estévez

Cantando quiero decirte lo que me gusta de ti
las cosas que me enamoran y te hacen dueña de mi:
tu frente, tus cabellos y tu rítmico andar,
el dulce sortilegio de tu mirar.

Me gusta todo lo tuyo, todo me gusta de ti
y ya no cabe más adoración en mi.
Me basta lo que tengo para amar mi dulce amor,
ven a mí, ven a mí por Dios.

BOM DIA!!!

===============================================================


DEU NO ESTADÃO

Contrariando prognósticos de colegas da Corte e de políticos, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, não renunciou na sexta-feira, 04, ao cargo, prazo limite para magistrados deixarem os postos a fim de concorrer nas eleições de outubro. Caso renunciasse, teria ainda de se filiar amanhã a um partido político a fim de se habilitar ao pleito. Ele chegou cedo ao Supremo, cumpriu uma agenda normal de despachos e deixou o tribunal por volta das 17h30.

Técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmaram que Barbosa teria de protocolar até o final da sexta o pedido de aposentadoria ou exoneração – uma vez que não há expediente no STF no sábado. Há decisões do TSE envolvendo candidatura de servidores públicos nas quais o tribunal concluiu que o fato de o funcionário ter protocolado o pedido de exoneração ou aposentadoria já é uma prova da desincompatibilização.

A atuação do presidente do Supremo no julgamento do mensalão despertou interesse de partidos políticos. Os rumores de que Barbosa largaria a Corte cresceram no final de fevereiro, com o julgamento de recursos do mensalão. Na ocasião, com pose de candidato, segundo colegas de tribunal, ele fez um “alerta à nação brasileira” ao criticar a “sanha reformadora” após o tribunal livrar oito réus do crime de formação de quadrilha.

A pedido do provável candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, conforme revelou o jornal O Estado de S.Paulo, a ex-corregedora Nacional de Justiça Eliana Calmon sondou Barbosa para que ele se filiasse ao partido, a fim de concorrer a algum cargo eletivo no Rio de Janeiro, domicílio eleitoral do ministro. A intenção era lançá-lo ao Senado Federal.

Em entrevista no final de fevereiro, o presidente nacional do PV, José Luiz Penna, admitiu que tinha “grande interesse” em filiá-lo. Mas negou tê-lo convidado também para concorrer ao Senado, nas eleições majoritárias do Rio de Janeiro. “Só estou admitindo que há um interesse grande (em filiá-lo), porque nós não tivemos nenhum contato e já tem esse zun-zun-zun todo”, afirmou Penna, na ocasião.

A reportagem descobriu que Joaquim Barbosa já tem agenda oficial marcada como presidente do Supremo para as próximas semanas. Na segunda-feira, ele foi convidado para participar de um evento da Unesco no Rio de Janeiro sobre liberdade de expressão. Constam também solenidades e eventos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT). No dia 5 de maio, ele deve participar, na Itália, do encontro da Comissão Europeia para a Democracia através do Direito, mais conhecida como Comissão de Veneza, cidade-sede da reunião.

Mesmo não saindo da Corte neste momento, Joaquim Barbosa tem dado sinais de que poderá deixar o tribunal após o término da sua gestão na presidência, em novembro. Barbosa faz 60 anos em outubro. Pela Constituição, ainda teria mais 10 anos de tribunal. Contudo, ele já admitiu a pessoas próximas que não deve ficar no Supremo por tanto tempo .

comentários(0)

comentar ?

  • Arquivos

  • Abril 2014
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930