DEU NO PÚBLICO, DE LISBOA

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, autorizou nesta segunda-feira a eventual aplicação de sanções a 11 pessoas que considera responsáveis pela crise na Crimeia. Da lista da Casa Branca fazem parte vários políticos próximos do Presidente Vladimir Putin, entre os quais o vice-primeiro-ministro russo e a presidente da câmara alta do parlamento.

O anúncio surgiu poucas horas depois de os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia terem chegado a acordo para “limitar as viagens” e “congelar os bens” de 21 pessoas de nacionalidades russa e ucraniana, cujos nomes não foram revelados.

“Se a Rússia continuar a intervir na Ucrânia, nós estaremos preparados para aplicar mais sanções”, garantiu Obama, durante uma conferência de imprensa na Casa Branca. Apesar do aviso, o Presidente norte-americano afirmou que espera que seja encontrada “uma forma de resolver esta situação pela via diplomática, de maneira a atender aos interesses da Rússia bem como da Ucrânia”.

Mas o cenário diplomático implica “o regresso das forças russas às suas bases da Crimeia, o apoio ao envio de um grupo de observadores para a Ucrânia e o estabelecimento de um diálogo [entre Moscovo] e o governo ucraniano”, disse Obama.

Um dos visados pelas sanções, o vice-primeiro-ministro russo, Dmitri Rogozin, já veio desvalorizar o possível alcance das medidas anunciadas pelo Presidente dos Estados Unidos, usando a sua conta no Twitter para ridicularizar a ordem executiva assinada nesta segunda-feira por Barack Obama: “Camarada Obama, e o que fará àqueles que não têm contas nem bens no estrangeiro? Ou não pensou nisso?”, escreveu Rogozin no Twitter, seguido de “Acho que o rascunho da ordem do Presidente dos EUA foi feito por algum brincalhão”.

Sanções para 11 pessoas
No comunicado publicado no site da Casa Branca lê-se que o Presidente Obama assinou uma ordem executiva que foi preparada para castigar “as acções e as políticas do Governo russo em relação à Ucrânia – incluindo o envio de forças militares russas para a região ucraniana da Crimeia”. Essas acções, consideram os EUA, “minam os processos democráticos e as instituições da Ucrânia; ameaçam a sua paz, segurança, estabilidade, soberania e integridade territorial; e contribuem para a apropriação ilegítima dos seus bens”.

A nova ordem executiva do Presidente Obama permite a aplicação de sanções “que imponham custos a indivíduos com influência no governo russo e a responsáveis pela deterioração da situação na Ucrânia”, mas não têm efeito imediato. “Estamos prontos para usar esta autorização de uma forma directa à medida da evolução dos acontecimentos”, lê-se no comunicado.

Da lista fazem parte sete membros do governo e do parlamento da Rússia, que os EUA acusam de terem “contribuído para a crise na Ucrânia”:

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos