mar
15


===============================================


==============================================================


CRÔNICA
Quero morar na coluna de July

Janio Ferreira Soares

Se existe uma coisa que me chama a atenção nos principais jornais do país é a felicidade dos frequentadores de suas colunas sociais. Tirando uma ou duas modelos com caras de quem não aguentam mais viver à base de rúcula,e algumas madames e senhorzinhos com a pele facial semelhante a um tan-tan em máxima afinação, a maioria dos habitués dessas ilhas de prosperidade vivem lançando uma espécie de sorriso de desdém na direção do leitor,que só falta vir acompanhado de uma legenda (em francês, naturalmente), cuja tradução seria algo do tipo: “pardon, pobres mortais, mas nós não temos contas a pagar, nem problemas sentimentais, hormonais ou intestinais, tampouco taxas de PSA elevadas que nos façam expelir restos de Dom Pérignon em direção aos crocodilos de nossos docksides comprados numa maison Lacoste na Rue du Faubourg Saint Honoré, Paris”.

Aqui mesmo nesta A TARDE, você só precisa caminhar um pouco para chegar ao luxuoso edifício da July, onde, ao contrário deste tradicional condomínio repleto de opiniões sob retratos em branco e preto, a vida parece ser um eterno e ensolarado Grande Prêmio de Mônaco, com sortidas bandejas dando voltas e mais voltas sem sequer precisar fazer um pit stop para reabastecimento de champanhes e canapés, tudo saindo de um estrelado box comandado por um chef coberto de tatuagens e barba por fazer, cujo maior sonho é desconstruir um acarajé e servi-lo em forma de nitrogênio líquido com espuma de dendê ao aroma de Dadá.

Mas como nem tudo é festa nesta velha Bahia, agora que Lepo Lepo finalmente fará companhia ao Rebolation, Boquinha da Garrafa e demais torturas sonoras anualmente alçadas ao panteão das súbitas invenções carnavalescas, a política e o futebol se encarregarão de preencher telas, páginas e sites. Saem Marcio Vitor, Bell, Ivete e Saulo, e entram Rui Costa, Felipão, Lídice, Souto, Geddel e…. Judas. Sabe como é, a Semana Santa taí, um vinhozinho aqui, uma malhação acolá, Miami bem ali…Te vejo na volta,Ray-Ban e Ralph Lauren realçando o bronze, na coluna de July.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura e Turismo de Paulo Afonso, na margem baiana do Rio São Francisco

mar
15
Posted on 15-03-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 15-03-2014


———————————————————-
Amorim, hoje,, no Correio do Povo


Lula na Pirelli, em Milão…
================================================


…E em Roma, com Renzi

==================================================

ARTIGO DA SEMANA

O avião, volta de Bachelet, volteios de Lula e FHC

Vitor Hugo Soares

O misterioso sumiço do Boeing da Malaysia Airlines, na rota Kuala Lumpur- Pequim, completa seis dias quando escrevo estas linhas e segue assombrando o planeta. Enquanto não se esclarecem os fatos, se multiplicam as dúvidas, suspeitas e especulações sobre o que efetivamente aconteceu com o avião e seus 239 ocupantes.

Tudo até aqui parece intrigante e contraditório em um ambiente mundial (a partir dos Estados Unidos) contaminado pela espionagem desenfreada e dominado por uma furiosa ideologia da exaltação cega de um poder tecnológico que, aparentemente, “sabe, vê e pode tudo”. Lorota.Só aparentemente, demonstra a Babel planetária destes dias, a partir do desparecimento do Boeing 777, “tão moderno, que só falta falar”.

Qualquer que seja o desfecho de tudo isso, um fato se impõe desde já: Estamos todos diante de um destes episódios raros (inéditos?) que mexem com todas as pessoas, em todos os sentidos, em torno do mundo.

Os ingrediente de suspense são dignos dos melhores e mais terríveis romances do gênero; ou dramas cinematográficos sobre teorias de conspiração, e “trillers” de horror. Ou grotesca tragicomédia aérea de erros e encontrões investigativos de todo lado, desinformação e incompetência geral dos países envolvidos nas buscas do avião e das causas que levaram ao seu estranho sumiço.

“Em toda minha vida profissional, várias vezes voando no, em geral, espaço de brigadeiro e sem armadilhas da rota simples e tranqüila Malasia-China, jamais vi um caso tão estranho e merecedor de análises no campo da segurança aérea quanto este”. A afirmação é de um dos mais experientes pilotos de linhas aéreas comerciais norte-americanas, em entrevista na CNN em Espanhol. Se não bastasse tudo isso, a evaporação do bólido, mergulhada em breu, dúvidas e suspeitas de todo lado, enquanto escrevo na sexta-feira, serviu ainda para outras cositas mas, como dizem os portenhos, nesta semana para não esquecer. Por exemplo, para obscurecer, nublar ou camuflar fatos relevantes da política no Brasil e na América Latina.

Pela relevância em sí, ou porque não receberam da imprensa a devida atenção e espaço, vale a pena tentar recuperar e contextualizar três dessas notícias.

A primeira, o regresso triunfal e histórico da socialista Michelle Bachelet à presidência do Chile. Com as presenças de Dilma Rousseff, do Brasil; Pepe Mujica, do Uruguai e Cristina Kirchner, da Argentina (entre outros chefes de Estado) e a ausência de Nícolás Maduro, da Venezuela – cada dia mais enrolado no xale da louca – as festividades da posse, entre Valparaíso e Santiago, foram de arrepiar, na transmissão da CNN.

Com direito a imagens marcantes: a entrega da faixa presidencial, o abraço caloroso e o beijo de afeto e admiração,- protagonizadas pela senadora socialista Isabel Allende. Filha de Salvador Allende (presidente legitimamente eleito, mas derrubado brutalmente pela ditadura militar implantada por Augusto Pinochet). Primeira mulher a presidir o Congresso do país andino à beira do Pacífico.

Que vitória democrática completa! Carregada de simbolismos contra o golpismo, a violência repressiva, a tortura mais selvagem, o terror político de estado, e a intolerância boçal impostos ao Chile e a América Latina durante décadas.

O segundo fato teve registro ainda mais precário na imprensa brasileira, embora merecedor de especial destaque na mídia européia. Refiro-me à visita do ex-presidente Lula à Itália.

No começo da semana, enquanto PMDB e PT se estapeavam e se agrediam mutuamente em feroz guerra de poder e cargos, em Brasília e no resto do País, Lula desembarcava tranqüilo no Velho Continente, “para cumprir agenda privada”, como registraram os jornais de Roma, Lisboa e Madri. A viagem do ex-presidente foi à convite da fábrica italiana de pneus Pirelli.

Na terça-feira, em Milão, Lula fez palestra e visitou as instalações da empresa, “e conversou com a direção da multinacional sobre a situação do Brasil e da América do Sul”, segundo registro jornalístico italiano. A Pirelli, no Brasil, opera cinco fábricas (Santo André, Campinas, Sumaré, Gravataí e Feira de Santana) e emprega mais de 12 mil pessoas, segundo a empresa.

No dia seguinte, com a política italiana também pegando fogo, o brasileiro foi recebido em Roma pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, com quem almoçou. Do encontro sabe-se apenas que Lula presenteou Renzi com uma camisa oficial da Seleção Brasileira. O principal líder petista brasileiro evitou falar com a imprensa ao deixar o local do encontro. Ponto de interrogação.

Por fim, o volteio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo, nas feéricas comemorações dos 20 anos do Plano Real. No instituto tucano que leva o seu nome, FHC fez a abertura e o encerramento do seminário “20 anos depois do Plano Real: um debate sobre o futuro do Brasil” e mandou ver.

Garantiu que “há, sim, oposição no País, ao contrário do que alguns afirmam e muitos acreditam. Além disso, falou de “um Brasil sem rumo”, no governo Dilma, onde, segundo ele, a coalizão política foi substituída pela “cooptação”. Um chamado explícito para a briga.

Paro por aqui. Mais não digo. Apenas reflito, com a frase preferida dos franceses para situações assim: “Amaldiçoado seja, quem pensar mal dessas coisas”

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

=====================================================

Frank Sinatra, I Thought About You, a voz da eternidade, no BP de todas as horas!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)


Shmidt:”É função do Bahia pagar pela “transmissão de jogos?
Me poupem”

=================================================================

DEU NO TERRA MAGAZINE

POR BOB FERNANDES

Às vésperas do término oficial do verão, tempo quente na Bahia. Mais precisamente, no Esporte Clube Bahia. Devassa nas contas da gestão anterior. E o Bahia expôs, publicamente, relações comerciais do clube com setores da crônica esportiva local durante a turbulenta presidência de Marcelo Guimarães Filho – 2009 a 2013.

A investigação inicial foi consequência da intervenção decretada pela Justiça em 2013, ação esta acompanhada pelo ministério público federal e estadual. Já a divulgação de uma lista com 21 radialistas que teriam sido beneficiados, em gastos com “marketing” e despesas várias, se deu, segundo o atual presidente do Bahia, Fernando Schmidt, porque assim determinam “o Estatuto do Bahia, a lei de acesso à informação e a Constituição”.

Nessa conversa com Terra Magazine, Schmidt fala sobre os “absurdos” na relação entre o ex-presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho, e porções da crônica esportiva local. E expõe exemplos dos “absurdos”:

– Um dos gastos, pagos pelo Bahia, é com a “transmissão de jogos”…ora, me poupem! É função do Bahia pagar pela “transmissão de jogos”?

-…. passagens aéreas, hospedagens, despesas como, por exemplo, R$ 16 mil num único jantar com amigos numa churrascaria…

Provocado, Schmidt aborda também grandes questões do futebol brasileiro.

Ao ser eleito, em setembro, Schmidt conversou com Terra Magazine. Disse então que tentaria renegociar direitos do Bahia com a Tv Globo. Indagado a respeito, seis meses depois, o presidente do Bahia resume:

– Hoje, no futebol brasileiro, o que há é uma bagunça, vários atores mexendo nisso e em tudo ao mesmo tempo, e não há confluência para um mesmo objetivo. A Globo mexe, a CBF mexe, as federações, o Bom Senso, o ministério mexe, as arenas…uma bagunça…

Abaixo, a entrevista completa do dirigente do Bahia:

O que levou o Esporte Clube Bahia a abrir suas contas, como fez essa semana, e exibir gastos de R$ 865 mil com comunicação, com crônica esportiva, radialistas? Gastos das gestões de Marcelo Guimarães Filho…e por que agora?

Fernando Schmidt: Na verdade, essa e a consequência do seguimento de uma ação. Quem pediu uma auditoria no Bahia foi o juiz que decretou a intervenção no ano passado, juiz Paulo Albiani. A auditoria foi feita, houve uma complementação a ela, pedida pelo próprio clube, e aquela auditoria inicial descobriu irregularidades graves: crimes contra o sistema financeiro nacional, apropriação indébita, por ai afora…

E qual a consequência disso?

..há investigações no âmbito do ministério Público, o federal e o estadual, e um ou outro, ou ambos, poderão, deverão oferecer denúncia…

Como e porque se chegou à cidadela da comunicação, da Mídia, ao jornalismo esportivo?

Nas investigações. E se concluiu que foram gastos R$ 865 mil. Isso em passagens aéreas, hospedagens, despesas…despesas como, por exemplo, R$ 16 mil num único jantar com amigos numa churrascaria. Há despesas com gente de empresas de comunicação, mas não apenas: também há aluguel de automóvel com parente, tem os amigos etc. Em relação a radialistas, ao jornalismo esportivo propriamente, há absurdos…

Por exemplo…

…por exemplo, contratos com empresas a título de divulgação da marca do Bahia, para ações de marketing… que marketing, que divulgação de marca? Há seis meses, quando houve a intervenção, o Bahia tinha 600 sócios enquanto hoje já tem 23 mil….aquilo não era marketing, não era divulgação, era outra coisa…

É algo que, aí na Bahia, se chama “comer na mão do dono”?

É isso. Ora, me poupem! Isso é diferente de anúncio, nada tem a ver com se fazer publicidade. Fazemos e faremos campanhas publicitárias nos meios de comunicação, campanha por mais sócios, o que for, mas não isso, dessa forma. Isso não é marketing nem divulgação de marca…

Quantos são citados nessa investigação?

… 21 radialistas, e há as despesas com terceiros, nas viagens, hospedagens, gastos altíssimos em restaurantes …e o absurdo dos absurdos…

Leia a íntegra da entrevista no site do Terra Magazine
http://terramagazine.terra.com.br

  • Arquivos