jan
24
Posted on 24-01-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-01-2014

DEU NO PORTAL A TARDE

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), com base em dados da Vigilância Epidemiológica do estado, confirmou, nesta sexta-feira, 24, a primeira morte na Bahia por dengue hemorrágica. O óbito aconteceu no último sábado, dia 18 de janeiro, na cidade de Itabuna, na região sul. A vítima, que não teve nome e idade divulgados, era moradora do município vizinho de Coaraci.

Conforme a Sesab, 352 casos de dengue foram contabilizados em todo o estado em 2014. Desses, dois são considerados graves: o do morador de Coaraci, que morreu na semana passada, e o de uma adolescente que segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Base de Itabuna.

==============================================

MEU SAMBA NÃO SE IMPORTA SE EU NÃO FAÇO RIMA…

BOA TARDE!!!
===========================================================

http://youtu.be/Q86mO5eFWHc

jan
24
Posted on 24-01-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-01-2014


=================================
Miguel, hoje, no Jornal do Comércio (PE)

================================================

DEU NO PORTAL EUROPEU TSF

Os cientistas da NASA estão intrigados com o aparecimento misterioso no solo de Marte de uma rocha com a forma de um donut recheado, que alguns dias antes não estava naquele lugar.

O objeto, pequeno e redondo, aparece numa imagem recolhida no dia 08 de janeiro pela sonda Opportunity, mas não numa imagem do mesmo local recolhida dia 26 de dezembro passado.

«Parece um donut com doce, branco à volta, vermelho no meio», disse Steve Squyres, o principal investigador do programa Mars Exploration Rovers.

O cientista descreveu a cor do centro da rocha como «um vermelho escuro estranho, não um vermelho do tipo marciano», que é um tom mais parecido com ferrugem.

«Olhamos para ela com o nosso microscópio. É claramente uma rocha», disse Squyres aos jornalistas num encontro para assinalar os 10 anos desde que a Opportunity, uma sonda movida a energia solar, aterrou em Marte.

No entanto, é uma rocha diferente de qualquer rocha terrestre.

Squyres disse que os cientistas suspeitam que a pedra teria surgido no local quando o aparelho da NASA fez uma volta em pirueta no solo de Marte, soltando um pedaço de rocha firme que rolou uma pequena distância.

No entanto, os investigadores ainda não encontraram a falha que a pedra solta terá deixado na rocha firme, admitindo que possa estar escondida atrás de um dos painéis solares da Opportunity.

A equipa da NASA pretende agora mover o veículo mais um pouco, para procurar o local exato de onde a pedra terá saído.

Para explicar a estranha cor da rocha, Squyres admitiu que possa tratar-se de uma superfície que não é exposta há muito, muito tempo.

«Parece ter-se virado de pernas para o ar», declarou, acrescentando: «Se for esse o caso, o que estamos a ver é o interior de uma rocha que não vê a atmosfera marciana talvez há milhares de milhões de anos».

Uma primeira análise realizada com o espetrómetro da Opportunity mostrou uma «composição estranha, diferente de qualquer outra coisa» que os cientistas tenham visto em Marte até agora.

«Ainda estamos tentando entender. Estamos fazendo medições agora mesmo. É uma história de descoberta em desenvolvimento», afirmou.

A Opportunity é uma de duas sondas do programa Mars Exploration Rovers. A sua companheira, Spirit, deixou de comunicar com a Terra em 2010.

Ambas duraram muito mais do que os 90 dias que se estimava e fizeram importantes descobertas sobre água em Marte e ambientes que poderão ter suportado vida microbiana num passado distante.

Na superfície de Marte está ainda uma outra sonda da NASA, mais recente e mais robusta, chamada Curiosity, que aterrou no planeta vermelho em 2012


===============================================================

OPINIÃO POLÍTICA

A Rede, os bônus e os ônus

Ivan de Carvalho

Inviabilizada legalmente a participação da Rede Sustentabilidade nas eleições deste ano, não há dúvida de que o ingresso de Marina Silva no PSB e a aliança dela com o governador pernambucano Eduardo Campos, presidente nacional deste partido e aspirante a suceder Dilma Rousseff na presidência da República, representou um reforço de máxima importância para a pretensão de Campos. A presunção é de que a ex-ministra, ex-senadora e ex-candidata a presidente nas eleições de 2010 figure na chapa do PSB como candidata a vice-presidente.

O grande reforço para Eduardo Campos representado pela aliança com Marina (20 milhões de votos no primeiro turno das eleições de 2010) e sua Rede Sustentabilidade, especialmente se for confirmada a expectativa de que a ex-senadora figure na chapa do PSB como candidata a vice- presidente da República, se revela principalmente em dois aspectos.

Um deles é o de que, até a união Campos-Marina, a candidatura do primeiro parecia não ter o impulso necessário para decolar, seja por ter origem em um Estado do Nordeste que não é um grande colégio eleitoral, seja pela ainda modesta dimensão política do PSB, um partido em franco crescimento, mas que ainda não atingira o tamanho adulto para encarar com chances amplas uma campanha eleitoral.

A aliança com Marina e a Rede projetou amplamente o PSB e Campos na mídia, dando-lhes um destaque que, até o momento, se mantém. E isto vai dando a Eduardo Campos uma coisa que ele tinha em reduzida escala, o conhecimento do eleitorado. Apesar de o governo e o PT estarem fazendo tudo que podem para limitar o destaque conquistado pela dupla Campos-Marina no debate político e na mídia, o destaque persiste e ganha características de permanência.
O outro dos aspectos em que se revela o reforço a Campos e ao PSB representada pela aliança com Marina Silva está exatamente no excelente desempenho desta nas eleições de 2010, quando ficou em um terceiro lugar com votação muito acima da imaginada pelos políticos e obrigou Dilma Rousseff a ir lutar por sua eleição em um incômodo segundo turno, enfrentando novamente José Serra.
No entanto, a aliança com Marina e a Rede não tem oferecido apenas bônus ao PSB e a Eduardo Campos. A Rede e a própria Marina têm providenciado também alguns ônus. O primeiro deles foi acabar com o apoio que Campos já havia praticamente obtido de setores importantes do agronegócio, que seriam uma fonte importante de meios financeiros e apoios políticos para a candidatura do PSB. Marina atacou imediaamente esse apoio do agronegócio, o que foi suficiente para que, também imediatamente, ele fosse retirado.

O outro ônus está na formação dos palanques regionais. A Rede (supõe-se que com a anuência de Marina) está se opondo abertamente ao apoio do PSB paulista à reeleição do governador tucano Geraldo Alckmin e pretende que os socialistas lancem candidatura própria ao governo. Ocorre que essa candidatura não teria chance de vitória, seria mesmo somente para que não seja dado apoio ao governador do PSDB, uma preocupação de evitar tal “mistura”.

Mas o PSB paulista há anos participa do governo de Geraldo Alckmin e a seção estadual quer fazer a aliança eleitoral. E o PSB nacional, à frente seu presidente e candidato Eduardo Campos, quer uma aproximação com o PSDB, tanto para facilitar a formação de alguns palanques regionais como para um acerto segundo o qual, se Campos for ao segundo turno com Dilma, o socialista ter o apoio do tucano Aécio Neves e vice-versa. Isso interessa, é vital aos dois principais candidatos das oposições ao governo e à sucessão de Dilma Rousseff.

Mas, por incrível que pareça, essa lógica política, válida e praticada em qualquer país democrático do mundo, descontenta a Rede, que parece querer afastar o PSB do PSDB, beneficiando indireta e exatamente o governo, o PT e a candidata Dilma Rousseff.
As dificuldades criadas em São Paulo também estão sendo intensamente ensaiadas em Minas Gerais, estado do candidato tucano a presidente, Aécio Neves, bem como no Rio Grande do Sul, outro colégio eleitoral importante.

Parece que a Rede não sabe ainda o que é prioridade e o que é secundário em política. Se não descobrir, acaba. E não adiantará chorar sobre o leite derramado.

===========================================================

AFICHES – Roberto Goyeneche

Dá-lhe Polaco. Depois de Gardel, nenhum, ou pouqissimos como você. “De chiquilin de mirava de afuera” ( desde pequeno te olhava de longe). Saudades do Cafetin de Buenos Aires, sua escola de vida e de tango na Boca.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)
====================================================

AFICHES

Cruel en el cartel,
La propaganda manda cruel en el cartel.
Y en el fetiche de un afiche de papel
Se vende la ilusión, se rifa el corazón.

Y apareces tú
Vendiendo el último jirón de juventud
Cargándome otra vez la cruz.
Cruel en el cartel
Te ríes corazón…
Dan ganas de balearse en un rincón.

Ya da la noche a la cancel
Su piel de ojera
Ya moja el aire su pincel
Y hace con el la primavera.
Pero que! Si están tus cosas
Pero tu no estas
Porque eres algo para todos ya
Como un desnudo de vidriera.
Luche a tu lado para ti, por dios,
Y te perdí…

Yo te di un hogar,
Siempre fui pobre pero yo te di un hogar.
Se me gastaron las sonrisas de luchar
Luchando para ti
Sangrando para ti.

Luego la verdad
Que es restregarse con arena el paladar,
Y ahogarse sin poder gritar
Que yo te di un hogar.
Fue culpa del amor,
Dan ganas de balearse en un rincón.

Ya da la noche a la cancel
Su piel de ojera
Ya moja el aire su pincel
Y hace con el la primavera.
Pero que! Si están tus cosas
Pero tus no estas
Porque eres algo para todos ya
Como un desnudo de vidriera.
Luche a tu lado para ti, por dios,
Y te perdí…

  • Arquivos