Bola de Ouro da Fifa:único troféu
que faltava ao rei do futebol
=========================================================

DEU NO YAHOO ESPORTE – ESTADÃO

Agora, não resta nada ao maior de todos os tempos. Único jogador tricampeão da Copa do Mundo, autor de mais de mil gols e eleito o atleta do século XX, Pelé caminhava para encerrar a sua vida sem ter recebido o prêmio mais cobiçado por todos os futebolistas do planeta. Caminhava. Nesta segunda-feira, durante a premiação do melhor jogador do mundo de 2013, no Kongresshaus, em Zurique, na Suíça, a Fifa corrigiu uma ‘injustiça histórica’ e entregou a Bola de Ouro de honra ao Rei do Futebol, já aos 72 anos.

Dentre todas as congratulações que podem ser entregues a um jogador de futebol, a Bola de Ouro era a única que não marcava presença na sala de troféus de Pelé. Isto porque, se desde 2010 ela é entregue em parceria com a Fifa, antes disto, era uma premiação oferecida pela revista francesa France Football somente a jogadores que atuavam na Europa.

Como, em seus mais de 20 anos de carreira, o Rei só jogou pelo Santos Futebol Clube (Brasil) e pelo New York Cosmos (Estados Unidos), não teve a oportunidade de sequer concorrer à congratulação – o prêmio de melhor jogador do mundo, organizado pela entidade máxima do futebol mundial, por sua vez, foi criado apenas em 1991.

Antes de ser chamado ao palco para ser congratulado, Pelé foi exaltado pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter. “Este é um prêmio de honra, que será entregue ao um jogador sensacional. Este é o momento de reconhecermos a grandiosidade deste atleta muito especial. Pela primeira vez, entregaremos o prêmio de honra da Bola de Ouro. Há poucos nomes que se destacam na história, mas, quando pensamos no futebol, há um nome que brilha entre todos. Nenhum jogador teve tanta influência, ninguém inspirou tanta gente a virar jogador de futebol. Seu talento é atemporal, sua criatividade, ilimitada”, elogiou o mandatário.

Pelé, então, foi anunciado e, assim que se posicionou para discursar, acabou abafado pela ovação que tomou conta do Kongresshaus. Uma salva de palmas capaz de dar inveja a qualquer espetáculo de teatro. Possível, somente, com o Rei do Futebol. Todos se levantaram e aplaudiram Pelé, que, como uma criança, se pôs a chorar. Um vídeo com os lances do eterno camisa 10, então, foi colocado no ar, para que o brasileiro se recompusesse. Quando tomou posse do microfone, enfim, agradeceu o fato de ter sido lembrado para receber o prêmio.

“Muito obrigado pelas boas vindas calorosas. Prometi para a minha família que não iria chorar, mas sou muito emotivo. Agradeço a Deus por ter me dado saúde para jogar por tantos anos. Não conquistei nada sozinho. Tudo que tenho, devo aos meus companheiros, não somente aos jogadores, como também ao roupeiro, ao massagista, a muita gente boa que trabalhou comigo. E eu compartilho com eles o meu troféu”, declarou o Rei.

Pelé ainda admitiu que a Bola de Ouro era o único prêmio que faltava a sua galeria. “Eu joguei mais de 20 anos no Santos, depois mais um bom tempo no Cosmos. Eu recebi tantos troféu, prêmios e confesso fiquei com ciúmes da Bola de Ouro. Todo mundo recebia esta premiação, menos eu. Na época, eu não jogava na Europa, mas, agora, eu agradeço a Deus por ter a minha sala de troféus completa”, decretou.

Com a correção da Fifa nesta segunda-feira, Pelé agora se junta a Ronaldo (1997 e 2002), Rivaldo (1999), Ronaldinho Gaúcho (2005) e Kaká (2007) e se torna o quarto brasileiro a conquistar a Bola de Ouro. Outras figuras históricas do futebol mundial como Alfredo Di Stéfano (1957), Lev Yashin (1963), Eusébio (1965), Bobby Charlton (1966), Johan Cruijff (1971/73/74), Franz Beckenbauer (1972/76) e Michel Platini (1983/84/85) também já receberam esta premiação.

Em seus 21 anos de carreira, Pelé conquistou todos os títulos possíveis a um futebolista. Nascido em Três Corações, cidade do sul de Minas Gerais, o Rei se consolidou como maior jogador da história do futebol no Santos e na Seleção Brasileira. Pelo Peixe, conquistou dez títulos paulistas, seis brasileiros, duas Copas Libertadores da América e dois mundiais.

Já pelo selecionado canarinho, venceu três Copas do Mundo (1958, 1962 e 1970) e se tornou o maior artilheiro da história da equipe verde e amarela. Encerrou a sua carreira em 1977, no New York Cosmos, dos Estados Unidos, e, em 1366 partidas na carreira, anotou 1283 gols – maior número da história. Em 1981, foi eleito o maior atleta do século XX, e, agora, poderá acrescentar uma Bola de Ouro ao seu inalcançável currículo.


Cristiano Ronaldo:o grande vencedor do futebol

=======================================================


DEU NO PÚBLICO, DE LISBOA

Cristiano Ronaldo já pertencia ao grupo restrito de 43 atletas que têm uma Bola de Ouro. Agora, tornou-se membro de um clube ainda mais exclusivo: o português foi considerado o melhor futebolista do mundo de 2013, votação revelada durante a Gala da FIFA, em Zurique, Suíça, e tornou-se o décimo jogador a vencer o prémio mais de uma vez.

Confirmou-se o favoritismo que era atribuído ao atacante do Real Madrid e de Portugal, autor de 69 golos em 59 jogos durante o ano passado, números que serviram para superar o francês Franck Ribéry e o argentino Lionel Messi, na votação decidido pelos treinadores e capitães nacionais e por um grupo de jornalistas.

O madeirense repete assim o triunfo obtido em 2008, quando ficou à frente Messi, o vencedor das quatro edições anteriores do troféu, e Fernando Torres. Desta vez, Cristiano Ronaldo reuniu 27,99 por cento dos votos, mais do que Messi (24,72%) e Ribéry (23,79%). Ibrahimovic foi o quarto jogador mais votado, com 5,29%.

Eusébio foi o primeiro futebolista português a receber a Bola de Ouro, sendo galardoado em 1965, na décima edição do prémio criado pela revista francesa France Football e estimulado por um grupo de jornalistas liderados por Gabriel Hanot, antigo internacional e seleccionador francês. Depois foi preciso esperar até 2000 para um luso voltar a ganhar a votação, então através de Luís Figo.

Ronaldo é o primeiro desportista de Portugal a vencer a Bola de Ouro pela segunda vez. Prova da qualidade e do impacto do português na modalidade é o facto de ter sido eleito num dos dois primeiros lugares pela sexta vez nos últimos sete anos.

Antes dele, apenas Messi (4), os holandeses Johan Cruyff (3) e Marco van Basten (3), o francês Michel Platini (3), o hispano-argentino Alfredo di Stéfano (2), os alemães Franz Beckenbauer (2) e Karl-Heinz Rummenigge (2), o inglês Kevin Keegan (2) e o brasileiro Ronaldo (2) foram capazes de receber o troféu em múltiplas ocasiões.

Aos 28 anos, o capitão da selecção portuguesa tornou-se ainda o quinto jogador do Real Madrid a arrecadar o troféu, embora seja o primeiro desde Alfredo di Stéfano, em 1959, a consegui-lo depois de representar o clube no ano inteiro a que se reporta o prémio – Figo (2000) e Ronaldo (2002) chegaram à equipa da capital espanhola a meio do ano.

O jogador formado maioritariamente no Sporting é somente o terceiro a ganhar a Bola de Ouro por dois clubes distintos, depois de Johan Cruyff (Ajax e Barcelona) e Ronaldo (Inter Milão e Real Madrid). Quando o fez em 2008, o português representava o Manchester United.

Desde a inauguração, em 1956, até 1994, o prémio esteve reservado a jogadores europeus. Mais tarde, entre 1995 e 2006, o seu âmbito foi alargado para reconhecer o melhor futebolista a jogar num clube da Europa, e só a partir de 2007 evoluiu para distinguir o melhor do mundo, sem restrições de qualquer espécie.

Estas limitações iniciais ajudam a entender a ausência de jogadores como Pelé e Maradona da lista de vencedores. A partir de 2010, a Bola de Ouro fundiu-se com o prémio de Jogador do Ano da FIFA e deu origem à Bola de Ouro FIFA, a actual designação oficial do troféu.


Costa:apresentações no interior

=================================================

DEU NO CORREIO

O secretário da Casa Civil, Rui Costa, pré-candidato do PT ao Governo do Estado vai iniciar uma série de viagens ao interior da Bahia com o objetivo de coletar sugestões para incluir no programa de governo, segundo informou a Emmerson José e Alex Ferraz, durante entrevista ao CBN Salvador 1ª Edição, desta segunda-feira (13).

“Já percorro o estado bastante e na campanha se intensifica. Agora em janeiro, dentro da pré-campanha, o partido vai estar organizando uma caravana pelo interior para debater o desenvolvimento regional. São 10 reuniões com jovens, empresários para debater e coletar sugestões para incluir no programa de governo”, explicou Costa, que vai deixar o cargo de secretário em abril, quando retoma sua atividade como deputado federal.

O anúncio de quem será o candidato a vice na chapa será definido após o Carnaval, segundo o secretário, que disse estar dialogando com o PP e o PDT. “Vamos seguir até fevereiro dialogando com todos os partidos para que possamos anunciar”, disse ao acrescentar que o partido Solidariedade fará ato de apoio nesta terça-feira (12), na UPB e no dia 11 de fevereiro o apoio será anunciado pelo PR.

Segurança

Questionado sobre a atuação do governador Jaques Wagner com a Segurança Pública, Rui Costa afirmou que em lugar nenhum do País os índices são aceitáveis e com a Bahia não é diferente. “Entendo que a Segurança Pública é o Calcanhar de Aquiles de todos os governos. Nenhum estado se aproxima dos índices aceitáveis. Evidente que quando chega a eleição a política fica evidente, acho que todos deveria fazer um pacto para que o Brasil pudesse superar isso”, avaliou.

O pré-candidato também comparou o crescimento do investimento na área de segurança. “Tínhamos 26 mil policiais e hoje estamos com 32 mil na ativa e queremos chegar a 40 mil para dar o mínimo de segurança. O crescimento do contingente se faz necessário e investir na inteligência para agir de forma preventiva e planejada”, acrescentou.

Eleição

Sobre o fato de ainda não ser muito conhecido do grande público, Rui disse que não vê isso como um problema, além do que ainda tem nove meses até a eleição, tempo suficiente para que seja conhecido. “Esse mês já começo a rodar o estado como filiado ao partido com a caravana para montar o plano de governo e não ser amplamente conhecido não é só negativo. O povo brasileiro quer ver pessoas novas, uma renovação geracional. Em todos os estados e grandes prefeituras houve movimento de renovação, esse é um desejo da população”, explicou.

Metrô

O Metrô de Salvador vai iniciar a operação em teste em junho e a partir de setembro começa a circulação comercial. “Concluímos a auditoria do metrô de Madrid, para fazer diagnóstico e o relatório apontou sucessivos erros. Isso será corrigido, mas houve erros de paralisação da obra e é página virada”, pontuou.

Dá-lhe, Bethania!!!

BOA TARDE!!!

(Vitor Hugo Soares)

Mia e Ronan:ataque a Allen
na hora da homenagem

=========================================================


DEU NO BLOG ACHE BELEM

A 71ª edição do Globo de Ouro aconteceu neste domingo (12), em Los Angeles, e quem recebeu a maior homenagem na noite foi Woody Allen, que não compareceu ao evento, como já era esperado, pois ele é conhecido por não gostar de cerimônias do tipo, e achar as premiações relativamente inúteis.

Logo depois que ele foi homenageado, ganhando o prêmio Cecil B. DeMille graças ao conjunto da obra nas telas, a atriz Mia Farrow, que foi casada com o diretor por 12 anos e se separou dele em 1992 quando descobriu que ele tinha um caso com a filha adotiva do casal, Soon-Yi Previn, escreveu em sua conta no Twitter: “Hora de pegar um sorvete e mudar de canal para assistir Girls”, referindo-se ao ex-marido.

Já o filho do casal, Ronan Farrow, teve mais ênfase ao falar do pai: “Perdi o tributo a Woody Allen – eles mostraram a parte em que uma mulher confirmou publicamente que ele a molestou quando ela tinha 7 anos antes ou depois de cenas (do filme) Noivo Neurótico, Noiva Nervosa?”. Ronan já havia protagonizado uma polêmica em 2013 quando Mia alegou que ele poderia ser filho do cantor Frank Sinatra.

Allen já foi premiado com o Globo de Ouro de melhor roteiro em 1986, pelo filme “A rosa púrpura do Cairo”, e, em 2011, por “Meia-noite em Paris”, além de ter ganhado quatro prêmios do Oscar: melhor diretor e melhor roteiro original por “Noivo neurótico, noiva nervosa”, em 1978; melhor roteiro original por “Hannah e suas irmãs”, em 1987; e melhor roteiro original por “Meia-noite em Paris”.


Keaton rececebeu prêmio po Allen

=================================================

DEU EM A TARDE

A tragicomédia “Trapaça” marcou o ritmo na 71ª edição dos Globos de Ouro com três prêmios, apesar de seu principal rival, o drama sobre a escravidão “12 Anos de Escravidão”, também com sete indicações, ter se destacado na festa como melhor filme de drama.

“Trapaça”, dirigido por David O. Russell, levou os prêmios de melhor comédia ou musical, melhor atriz (Amy Adams) e melhor atriz coadjuvante (Jennifer Lawrence). Trata-se da segunda vitória para Lawrence após “O Lado Bom da Vida”, enquanto Adams ganhou pela primeira vez após cinco indicações.

“Russell é o homem mais brilhante que existe”, afirmou Lawrence, de 23 anos, revelando que se interessou pelo trabalho do cineasta após vez “Procurando Encrenca” (1996), uma de suas primeiras obras como diretor.

“David escreve papéis magníficos para mulheres”, disse Adams, de 39 anos, eufórica após ter sido candidata anos atrás com “O Mestre”, “O Lutador”, “Dúvida” e “Encantada”.

O filme de Russell deixou espaço finalmente para “12 Anos de Escravidão”, justamente quando parecia que este se tornaria o grande derrotado da feata.

“Quero agradecer a Brad Pitt”, disse emocionado o diretor da fita, Steve McQueen, em alusão ao ator e produtor da obra. “Sem ele, este filme jamais teria sido feito”, acrescentou.

“12 Anos de Escravidão” se baseia na vida de uma figura real, Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um homem afro-americano livre que é sequestrado e forçado a viver como escravo, enquanto sofre com a crueldade de um feroz fazendeiro (Michael Fassbender).

O drama “Clube de Comprar Dallas”, de Jean-Marc Vallée, ganhou dois prêmios: para sua dupla de atores Matthew Mcconaughey e Jared Leto, enquanto a ficção científica “Gravidade” deixou sua marca com a estatueta de melhor diretor para o mexicano Alfonso Cuarón, que saiu vitorioso em sua primeira indicação.

“Isto é para todos os que tornaram o filme possível”, disse Cuarón. “Embora acho que por causa de meu marcado sotaque, no final fizeram o que queriam e não o que eu pedia”. Parados os risos, também teve tempo para agradecer pelo trabalho de sua companheira protagonista, Sandra Bullock e a George Clooney.

“Sandra é a colaboradora mais genial, e George o tipo mais generoso”, comentou o diretor de 52 anos.

Um dos grandes nomes da cerimônia foi o de Leonardo DiCaprio, com sua segunda vitória após nove indicações, neste caso como melhor ator de comédia ou musical por “The Wolf of Wall Street”, de Martin Scorsese.

“Nunca teria imaginado ganhar nesta categoria”, confessou o ator, surpreso com a área na qual seu filme foi avaliado.

Além disso, Cate Blanchett cumpriu as previsões e levou para casa o troféu de melhor atriz de drama por “Blue Jasmine”, de Woody Allen.

“É impossível fazer um bom trabalho sem ter boa gente ao seu redor. E é incrível como Woody consegue fazer trabalhos excelentes de forma tão habitual”, comentou Blanchett.

Allen foi homenageado com o prêmio Cecil B. DeMille em reconhecimento a sua carreira, estatueta recebida por sua musa Diane Keaton, que não duvidou em cantar para ele e venerar sua capacidade para criar personagens que entraram para a história do cinema.

“Woody é uma anomalia. Fez 74 filmes em 48 anos. Todos escritos por ele. Meu coração fica apertado ao me dar conta que o conheço há tanto tempo, mas também me enche de afeto e amor”, disse.

Outros prêmios de destaque foram o de melhor roteiro para Spike Jonze por “Ela”; melhor filme estrangeiro para o italiano “A Grande Beleza”; melhor filme de animação para “Frozen: Uma Aventura Congelante”; melhor trilha sonora para Alex Ebert por “All is Lost”; e melhor canção para U2 por “Ordinary Love”, do filme “Mandela: Long Walk to Freedom“.

jan
13
Posted on 13-01-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2014


Renan Baleeiro:Foto Metro1/Arquivo

Renan Baleeiro morre aos 83 anos
O corpo do ex-prefeito de Salvador Renan Baleeiro será sepultado às 16h desta segunda-feira (13), no Cemitério Jardim da Saudade. Ele morreu na noite de ontem (12), de insuficiência respiratória, aos 83 anos.

Além de ex-prefeito de Salvador (1981-1983), Renan foi deputado estadual, secretário da Agricultura do Estado, sub-chefe da Casa Civil da Presidência da República e conselheiro do TCE – Tribunal de Contas da Bahia.

jan
13
Posted on 13-01-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2014


=========================================================
Clayton, hoje, no jornal O Povo (CE)

jan
13
Posted on 13-01-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-01-2014

=================================================


DEU NA FOLHA DE S. PAULO

OPINIÃO

ZECA BALEIRO
ESPECIAL PARA A FOLHA

Leio com assombro as notícias que chegam do Maranhão. Imagens e relatos dolorosos e repugnantes despejados em tempo real em sites, jornais e telejornais, escancarando a nossa vergonha e impotência diante de barbaridades que já extrapolam nossas fronteiras e repercutem mundo afora.
Como todos, estou pasmo. Mas nem tanto. Nasci no Maranhão e sei que a barbárie (a todos agora revelada de um modo talvez sem precedentes) já impera há anos na prática de seus governantes vitalícios, que agem como os velhos donos das capitanias hereditárias do passado.

Se o crime organizado neste momento dá as cartas e oprime o povo com ameaças e ações dignas dos mais perigosos terroristas, é porque há uma natural permissão -a impunidade crônica dos oligarcas senhores feudais, que comandam (?) o Estado com mãos de ferro há 47 anos (a minha idade exatamente) e que, ao longo desse tempo, vem cometendo atrocidades sem castigo, com igual maldade, típica dos grandes tiranos e ditadores.

Esses donos do poder maranhense (e nunca dantes a palavra “dono” foi empregada com tanta adequação como aqui e agora) são exemplo e espelho para que criminosos ajam sem nenhum medo da punição.
Pois a miséria extrema que assola o Estado há décadas, o analfabetismo estimulado pela sanha dos coiotes ávidos de votos, a cultura antiga de currais eleitorais, a corrupção mais descarada do mundo e o atentado ao patrimônio histórico de sua bela e triste capital são crimes tão hediondos quanto os cometidos no complexo penitenciário de Pedrinhas.

A diferença crucial é que, enquanto os bandidos que agora aterrorizam (e matam) a população aos olhos assustados da nação estão em presídios infectos e superlotados, os criminosos de colarinho branco (e terninho bege) habitam palácios.
No meio do caos, soa tão patética quanto simbólica a notícia veiculada dias atrás neste jornal sobre abertura de licitação para o abastecimento das residências oficiais da governadora.

A lista de compras é de um rigor e de uma opulência espantosos. Parece coisa da monarquia francesa nos dias que antecederam sua queda.
No presídio de Pedrinhas, cabeças são cortadas. Resta saber se, para além dos muros da prisão, alguém um dia irá para a guilhotina.
ZECA BALEIRO é cantor e compositor maranhense

BOM DIA!!!

  • Arquivos