dez
10
Postado em 10-12-2013
Arquivado em (Artigos) por vitor em 10-12-2013 10:01


=========================================================

====================================================

Viajante de um mundo de utopia!

Cida Torneros:

Muitas são as formas de iludir-se diante do mundo violento que nos sufoca. Uma delas, seria desligar-se totalmente dos canais de comunicação e viver no isolamento do não saber.

Se as imagens da violência das torcidas de futebol não tivesse passado ao vivo e a cores na televisão, se o crime que vitimou o pequeno Joaquim fosse um enredo macabro de um seriado, se a crescente aceleração de ataques a mulheres incluindo estupros e assassinatos estivesse em dados sigilosos, se eu pudesse ignorar o nível baixo de atendimento na saúde pública ou o alcance ínfimo da escolaridade nos percentuais de educação.

Talvez, se as personagens de novela de grande audiência não envenenassem alguém, por vingança, tornando-o cego, ou se , as ações de matar, roubar e denegrir não me fossem empurradas goela abaixo como situações quase normais.

Ou mesmo se a justiça tratasse a constatada corrupção politica no seu conteúdo igualitário, não importando quem ou que partidos por ela tenham resvalado, e a gente se sentisse realmente protegido por leis ou por juízes do bem, ainda assim, eu seria a viajante de um mundo utópico.

Quem me daria a palavra falada, sem precisar da escrita, das provas, etc, de que o inconsciente de uma sociedade violenta não é alimentado pelos bastidores da sua mídia, da sua publicidade, do seu modelo consumista capitalista, de corrida ao ouro, do tráfico de influências, de polícia corrompida, inversão de valores, refens dos vícios, doenças da compulsão, os medos, as inseguranças , um oceano de intempéries, as religiões anestesiantes, os medicamentos curadores ou alienantes e talvez, quem saberia, uma paz que eu sonhei, de profunda ignorância?

O tal mundo utópico ao qual vivo viajando, onde ficará? Além do horizonte, depois da linha do arco-íris, onde Judas perdeu as botas e onde quem tem olho é rei, terra de cego ou terra de surdo, reduto de gente muda.

Viajante tola, sou mesmo, sei disso, pássaro que não voa, rainha da covardia, pois só quero mesmo é fugir de tanta má notícia, e encontrar algum amor de verdade, alguma paz de espírito e algum lugar para me esconder ou um colchão morno onde eu me aqueça e me sinta, enfim, viva!

Maria Aparecida Torneros da Silva, jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro, edita o Blog da Mulher Necessária, onde este artigo foi publicado originalmente

Be Sociable, Share!

Comentários

Regina Lucia on 11 dezembro, 2013 at 14:55 #

Uns vão pra Pasárgada, outros, pra Suécia, outros, pra Jacarepaguá… Há quem fuja pra poesia de Drummond, pras histórias de Ana Maria Machado, porque está mesmo difícil conviver com tudo isso que o século XXI está nos trazendo, amiga. Vamos à Europa em 2014? Eu nem quero imaginar como isso aqui vai ficar na Copa!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2013
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031