DEU NO G1

Conheça quem são as empresas que compõem o consórcio vencedor do leilão do pré-sal de Libra, realizado nesta segunda-feira (21), no Rio de Janeiro. Grupo, formado pelas empresas Petrobras, Shell, Total, CNPC e CNOOC, foi o único a apresentar proposta.

O consórcio ofereceu repassar à União 41,65% do excedente em óleo extraído do campo – percentual mínimo fixado pelo governo no edital.

A Petrobras terá a maior participação no consórcio vencedor, de 40%. Isso porque, embora a proposta aponte uma fatia de 10% para a estatal, a empresa tem direito, pelas regras do edital, a outros 30%. A francesa Total e a Shell terão, cada uma, 20%. Já as chinesas CNPC e CNOOC terão 10% cada.

Petrobras

A estatal brasileira possui mais de 100 plataformas de produção, 16 refinarias, 30 mil quilômetros em dutos e mais de 6 mil postos de combustíveis. As reservas provadas estão em torno de 14 bilhões de barris de petróleo, mas a perspectiva é que esse número, no mínimo, dobre nos próximos anos.

A Petrobras diz que, com a descoberta de petróleo e gás na região do pré-sal, o Brasil pode ser o 4º maior produtor de petróleo do mundo em 2030.

Shell
A Shell é um grupo global de empresas petroquímicas e de energia, cuja sede fica em Haia, na Holanda. A companhia está presente no Brasil desde 1913.

A Shell informa que foi a primeira empresa privada a produzir petróleo na Bacia de Campos após a abertura do mercado. Atualmente, possui duas plataformas flutuantes em operação na Bacia de Campos, além da participação em 11 concessões exploratórias.

Total

A francesa Total é a quinta maior companhia de gás e óleo do mundo, operando em mais de 130 países e contando com mais de 97 mil colaboradores.

CNOOC

A CNOOC, com sede em Hong Kong, é o maior produtor de petróleo e gás offshore (em mar) da China, e uma das maiores empresas de produção independentes de óleo e gás do mundo, segundo a empresa. As principais operações do grupo estão em áreas do Mar da China. A empresa também tem áreas de exploração na Ásia, África, América do Norte, América do Sul, Oceania e Europa.

Segundo dados da companhia, ao final de 2012 a CNOOC detinha reservas de cerca de 3,49 bilhões de barris de óleo equivalente, e sua produção diária era de 935,6 mil barris. A CNOOC tem ações negociadas nas bolsas de valores de Hong Kong e de Nova York.

Corporação Nacional de Petróleo da China (CNPC)
A estatal CNPC é a maior produtora e fornecedora de óleo e gás da China. A produção da companhia é estimada em 110,33 milhões de toneladas de óleo, e de 79,86 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. A produção de óleo cru da CNPC equivale a 53% do total do país.

A companhia está presente em 29 países, incluindo Canadá, Austrália e França, mas não tem operações no Brasil. A CNPC detém 86% das ações da PetroChina.

Be Sociable, Share!

Comentários

jader on 22 outubro, 2013 at 14:15 #

Deu no JBonline
Economia
Hoje às 15h05 – Atualizada hoje às 15h08
Libra foi licitada por bagatela no governo de FH
Tucanos ainda se acham no direito de criticar leilão
Jornal do Brasil
+A-AImprimir
PUBLICIDADE

Parte do campo de libra foi colocado em licitação durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, quando seu genro, David Zylbersztajn, comandava a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e tinha como fiel escudeiro Adriano Pires. Na época, o bônus de assinatura pela área foi uma bagatela: R$ 250 mil.

Em tempo, o bônus do leilão de ontem foi de R$ 15 bilhões. A licitação anterior foi ganha pela italiana Agip que arrematou a área por R$ 134 milhões, um valor tão baixo para o potencial de exploração que o ágio foi de 53.564%.

A venda de Libra, na era Zylbersztajn e Pires, desqualifica qualquer crítica que os tucanos – não só os políticos, mas os economistas do partido também – estão ou venham a fazer sobre o leilão feito nesta segunda-feira (21/10) pela atual ANP.

Segundo o jornalista Fernando Brito, do site Tijolaço, depois que a Agip arrematou a área e não conseguiu encontrar nada, passou o bloco para a Shell. Ontem, após o leilão da mega área de Libra, diretores da anglo-holandesa declararam que voltar a ter um pedaço de Libra era uma questão de honra, pelo mico que pagou na era Zylbersztajn/Pires. Brito destaca que o preço de venda de Libra, avaliada naquela época por Zylbersztajn e sua turma, equivalia a um apartamento de três quartos, numa área não tão valorizada do Rio de Janeiro.


Rosane Santana on 22 outubro, 2013 at 20:59 #

Óleo de peroba para a turma dos petralhas.


Rosane Santana on 22 outubro, 2013 at 21:08 #

A bolsa Franklin Martins para os chapa branca já está de volta a todos vapor. Deus me livre de boBaços, miraços, nassifaços, tijolaços e todos os aços bajuladores com maços e maços.


jader on 22 outubro, 2013 at 21:34 #

Rosane Santana on 22 outubro, 2013 at 22:09 #

Meu caro Jader, ressentimento e veneno tem você ao referir-se a minha pessoa como a dama de Harvard, sempre. Curioso, porque você poderia, como petista, facilmente pegar uma bolsa do Ciência sem Fronteiras. Seguramente, não o faz, porque todos os outros que tentaram foram reprovados no placement test ou no math test. Procure se informar a respeito. Em Harvard só vale a meritocracia, não tem carteirada.


jader on 22 outubro, 2013 at 22:12 #

Esta é a legítima e genuína Rosane Santana !!!


Rosane Santana on 22 outubro, 2013 at 22:16 #

ora,ora, depois a inveja e o ressentimentos são meus! Freud explica.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos