Um pedido contra a violência no protesto na Barra
=====================================================

DEU NO PORTAL A TARDE

Amigos e familiares dos irmãos Emanuelle, 21, e Emanuel Gomes Dias, 22 anos, mortos em acidente de moto em Ondina na sexta-feira, 11, realizam um protesto na tarde deste domingo, 13, pedindo paz e justiça, na Barra. Eles utilizaram pranchas de surf, esporte praticado por Emanuel, para pedir paz e justiça. Muitos motociclistas também participaram do protesto que terminou com uma homenagem no local onde os jovens morreram.

A mãe dos jovens, Marinúbia Gomes, agradeceu o apoio das pessoas que foram à passeata. “Vamos nos unir não só por Emanuel e Emanuelle, mas por todos que são vítimas de crimes como esse”, disse.

Os amigos colocaram cartazes na grade do hotel onde os irmãos se chocaram pedindo justiça. Além disso, flores foram colocadas no local para lembrar tragédia.

“Ele sempre andava protegido com os equipamentos e nunca havia sofrido um acidente de moto”, disse emocionado o pai dos jovens, Waldemir de Souza Dias, 53 anos, que mora em Madre de Deus e está em Salvador. Os amigos, que também participaram do protesto, ressaltaram que Emanuel sempre andava de forma cautelosa, ainda mais quando levava a irmã na garupa.

Os amigos surfistas prometeram outras passeatas para lembrar a tragédia e pedir justiça, além de fazer uma nova homenagem na praia do Barravento.

Emanuelle e Emanuel morreram após a motocicleta em que viajavam ter sido atingida pelo carro da médica Kátia Vargas Leal Pereira, 45 anos, na Avenida Oceânica, em Ondina.

Imagens capturadas pelas câmeras de segurança mostram o momento exato em que Kátia joga o carro em cima da motocicleta após uma perseguição. Depois da colisão, Kátia ainda perde o controle do veículo e sobe o passeio.

A médica, internada no Hospital Aliança, será indiciada por duplo homicídio doloso (quando há intenção de matar), segundo a delegada-titular Jussara de Souza.

Be Sociable, Share!

Comentários

Olivia on 13 outubro, 2013 at 19:43 #

Se o assassino fosse pobre e preto já saia do local do crime algemado. Mas a doutora está internada no Aliança. Fechem às portas.


Graça Azevedo on 14 outubro, 2013 at 10:31 #

Nem sempre. Eu sei de dor própria.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos