Eduardo Campos com Marina:sobre gigantes e anões

============================================================

DEU NO UOL/FOLHA

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), disse em entrevista à Jovem Pan nesta quarta-feira (9) que já viu muito gigante se apequenar nas eleições. Foi uma clara resposta a João Santana, marqueteiro da campanha da atual presidente e possível candidata à reeleição Dilma Rousseff. O jornalista que cuidará das principais campanhas do PT em 2014 chamou Campos de “anão”.

“Às vezes a gente vê tanto gigante se apequenar. Vimos uma declaração feita nessa última semana pelo João Santana que sinceramente não condiz com a inteligência dele. Passa uma arrogância muito grande. Isso não ajuda exatamente nada, depõe contra ele que é um profissional competente e reconhecido na sua ocupação. Nossa preocupação é outra. Deixa nós que somos pequenos e frágeis apresentar nossas ideias à população”, ressaltou.

Santana disse em entrevista a revista Época que Dilma será reeleita em primeiro turno nas eleições de 2014 “porque ocorrerá uma antropofagia de anões”. O marqueteiro fez referência – além de Campos – ao senador Aécio Neves, provável candidato pelo PSDB, e à ex-senadora Marina Silva, que se filou ao PSB no último sábado e também pode concorrer à presidência.

Segundo Campos, a força no processo eleitoral está no povo, decidir o futuro do País. “Gigante pela própria natureza como diz nosso hino. Esse gigante já deu sinais que vai acordar, quem viu as ruas em julho sabe do que eu estou falando. Em 2014 nós vamos ter um encontro onde a população vai falar o que está sentindo. Não tem como haver truque para desviar o debate. As pessoas querem melhorias, velocidade na mudança. Nós vamos viver esse debate e estamos animados para contribuir”, declarou.

No sábado, Marina anunciou sua filiação ao PSB e declarou apoio a Campos depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou o registro da Rede Sustentabilidade, partido fundado por ela. Apesar de Campos ser pré-candidato pelo PSB, com a chegada de Marina ao partido abriu-se a possibilidade de haver mudanças na indicação do candidato da chapa.

O governador de Pernambuco disse que o partido não tem pressa para tomar a decisão. “Eu acho que a gente vai decidir no tempo certo. Nós aqui não estamos ansiosos, estamos inteiramente tranquilos. Será próximo do prazo de desincompatibilização. Marina não tem esse problema, mas eu preciso tomar essa decisão até março como determina a lei para disputar as eleições de 2014. Esse é o prazo que temos claro”, explicou.

Tempo de TV

Na terça-feira, Marina disse que não admite a celebração de alianças partidárias a qualquer preço. De acordo com a senadora, o tempo de televisão “não pode aprisionar suas ideias a uma lógica política que não nos dá a chance de mudar”. Questionado sobre a possibilidade do PSB e a Rede terem novos filiados para 2014, Campos garantiu que não há no momento discussão com outras legendas.

“Eu estou inteiramente de acordo com Marina de que nós não podemos ficar na lógica tradicional da busca pelo tempo de televisão. Não adianta ter tempo de televisão e não ter o que dizer. É melhor ter um tempo pequeno e ter boas ideias com legitimidade do que ter um tempo muito grande cheio de contradições. Nós vivemos uma outra realidade. Antes um conjunto de partidos que tinha afinidade disputava em várias posições. Agora, com essa aliança, é um novo quadro em que é possível apresentar um programa independente de ter quatro ou cinco minutos de televisão”, explicou.

Campos lembrou ainda que quando disputou as eleições em 2006 pelo governo de Pernambuco não teve muito tempo de televisão. Ele destacou também que a própria Marina nas eleições de 2010 teve um minuto de televisão e conseguiu 20 milhões de votos. “Eu acho que a plataforma de comunicação hoje permite a gente fazer um debate aonde a televisão vai perdendo força nesse processo de campanha política. Nós fizemos uma aliança programática e não estamos discutindo com nenhum partido no momento. Hoje o debate é entre o PSB e a Rede para que a gente possa discutir a plataforma que nos vamos governar com a sociedade que tem identidade com o nosso pensamento”.

Impacto das Pesquisas

A última pesquisa Datafolha apontou a ex-senadora Marina Silva em segundo lugar com 26% das intenções de voto, atrás de Dilma Rousseff (PT) com 35%. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tem 8%, e aparece em quarto lugar, depois de Aécio Neves, do PSDB, com 13%. Muitos cientistas políticos avaliam que pode haver uma pressão para que Marina saia como presidente e Campos como vice.

“Olha nós estamos tranquilos quanto a isso. Não há entre mim e a Marina nenhum estresse quanto a essa questão. É um estresse que tentam criar nesse momento. As pessoas ficaram surpresas com essa aliança e estão tentando arrumar um defeito. Só que eles vão ver que não vai ter essa divisão absoluta porque o nosso interesse é de servir o País. Nós não estamos disputando cargos. Nós estamos construindo uma forma inovadora de fazer política. Ainda há no Brasil quem faça política com decência”, pontuou.

Conversa com Aécio Neves

Antes da aliança com a Rede Sustentabilidade, o PSB procurou uma certa aproximação com o PSDB, que deve ter como candidato à presidência em 2014 o senador Aécio Neves. Durante a entrevista à JP, Campos declarou que sempre teve uma relação fraterna com o tucano. “Eu fui parlamentar durante 12 anos ao lado de Aécio. Eu falei com ele no domingo, pós-aliança feita no sábado. Ele estava fora do País e me ligou para cumprimentar pelo passo e para saber como foi o desenrolar dessa aliança, mas tudo tranquilo”, garantiu.

Ronaldo Caiado

Sobre a possibilidade de conflito de ideias entre o deputado ruralista Ronaldo Caiado, que hoje já integra a coligação do PSB, e a recém chegada Marina Silva, o governador de Pernambuco minimizou e disse que ainda não é hora de discutir palanques estaduais. “Ronaldo Caído é um deputado do DEM, tem um partido político. Ele tem um debate na cena de Goiás depois de tudo que houve na política do Estado, num fórum de oposição. Ele quer superar o PMDB que já governou por anos e anos Goiás e enfrentou uma crise muito forte no ano passado. Mas não há nenhuma aliança formal, nenhum envolvimento da direção nacional da Rede ou do PSB no quadro de Goiás”

http://youtu.be/SohQO3L1JmM

==============================================

DO LP – OOOOOH !!! NORMA – 1959

MAGNÍFICA!!!

(Vitor Hugo Soares)


Caldo ameaça entornar na hora da decisão no PT baiano

====================================================

DEU NA COLUNA SATÉLITE, DO CORREIO DA BAHIA

Sérgio Gabrielli diz que nunca esteve tão no páreo para disputar sucessão de Wagner
quarta-feira, 09/10/2013 – 11:34
Share on facebookShare on twitterShare on emailShare on printMore Sharing Services
Embora evite tratar do assunto com a imprensa, o secretário estadual do Planejamento, José Sérgio Gabrielli, admitiu aos aliados que nunca esteve tão no páreo pela candidatura do PT ao governo baiano quanto agora. O otimismo tem origem em dois fatores que ganharam peso na disputa petista pela vaga na proa da sucessão. Primeiro, o ex-presidente Lula avisou à cúpula do partido que vai suar para emplacar o apadrinhado. Segundo, numa eventual queda de braço com o chefe da Casa Civil, Rui Costa, líderes de tendências ligadas aos movimentos sociais sinalizaram preferência por Gabrielli.(Satélite, Correio)

http://youtu.be/TRhtszOoDu8

==========================================================
Que artista completa o Brasil acaba de perder em meio a tanta falta de memoria , desatenção e impiedade!

Que pena! Agora só resta o tributo de saudade!

(Vitor Hugo Soares)


La Beengell no auge da beleza e da fama
==================================================

DEU NO IG

A atriz, diretora e cantora Norma Bengell morreu na madrugada desta quarta-feira (9), aos 78 anos, no Rio de Janeiro. Diagnosticada com câncer no pulmão direito seis meses atrás, ela estava internada desde sábado (5) no hospital Rio-Laranjeiras e na terça (8) tinha sido transferida para a clínica Bambina.

A artista ainda sofria de outros problemas de saúde desde 2010, quando dois acidentes domésticos causaram lesões na coluna e no braço direito. “Ela morreu por volta das 3h da manhã devido a problemas respiratórios”, confirmou Ângelo, amigo da atriz, ao portal iG .

O amigo de Norma não soube informar sobre o velório e o enterro. “Ela estava em uma situação financeira difícil e não tem dinheiro para cuidar dessas questões. A gente está vendo se alguém se sensibiliza com isso e a ajuda. O último pedido dela foi para ser cremada, mas ela não deixou um documento por escrito, o que complica um pouco mais, pois precisamos entrar em contato com um juiz para sabermos se conseguimos liberar”, desabafou.

Trajetória como atriz

Norma Aparecida Almeida Pinto Guimarães d’Áurea Bengell nasceu em 21 de fevereiro de 1935 no Rio de Janeiro. Começou a carreira como modelo e cantora, tendo lançado, em 1959, o primeiro LP, “Ooooooh! Norma”, com canções de Tom Jobim e João Gilberto.

A estreia no cinema aconteceu no mesmo ano, em “O Homem do Sputinik”, de Carlos Manga e estrelado por Oscarito. No papel, chamou a atenção pela sensualidade – algo que marcaria sua carreira – numa imitação da atriz francesa Brigitte Bardot.

O ano de 1962 foi um dos mais barulhentos de sua carreira, com dois papéis definitivos. Em “Os Cafajestes”, de Ruy Guerra, fez a primeira cena de nu frontal de uma atriz brasileira. Em “O Pagador de Promessas”, de Anselmo Duarte, interpretou a prostituta Marli.

Sucesso de crítica, o longa de Duarte ganhou a Palma de Ouro em Cannes (único brasileiro a conseguir tal feito) e foi indicado ao Oscar de filme estrangeiro. A visibilidade permitiu que Norma conseguisse trabalhos no exterior, em especial na Itália, onde fez, por exemplo, “O Planeta dos Vampiros”, de Mario Bava, e “Os Cruéis”, de Sergio Corbucci.

No Brasil, participou de filmes como “Noite Vazia”, de Walter Hugo Khouri; “As Cariocas”, dirigido por Khouri em parceria com Fernando de Barros e Roberto Santos; “Edu, Coração de Ouro”, de Domingos de Oliveira; “O Anjo Nasceu”, de Júlio Bressan; “A Idade da Terra”, de Glauber Rocha; “Os Deuses e os Mortos”, de Ruy Guerra, entre outros.

Direção

Em 1970 estreou como produtora, roteirista e cineasta em uma série de curta-metragens. O primeiro longa veio em 1987, com “Eternamente Pagú”, que tem Carla Camurati no papel de Patrícia Galvão.

O segundo filme, “O Guarani” foi lançado quase dez anos depois, em 1996, com Márcio Garcia, Glória Pires e Marco Ricca no elenco. Por este projeto, foi alvo de um processo judicial que a acusava de desviar o dinheiro público captado para a filmagem.

Em 2007, questionada pela revista “IstoÉ” sobre a prestação de contas do filme, ela respondeu: “Não quero tocar nesse assunto que já me machucou demais. O filme passou no mundo todo, vendeu dez mil vídeos. Eu não devo nada a ninguém, são os ninguéns que devem muito a mim por terem tentado macular a imagem de uma mulher que trabalha.”

Em junho do ano passado, a atriz e diretora contou ao programa “Domingo Espetacular”, da rede Record, que estava à beira da falência por causa de dívidas com a Receita Federal.

“Eu tinha um advogado que me roubou, me lesou e ele não pagou o Imposto de Renda. Então, dez anos de Imposto de Renda, e eu não tenho pagar isso, não tenho como”, afirmou.

Nos últimos anos, os principais trabalhos de Bengell foram na televisão. Entre 2006 e 2007 participou na novela “Alta Estação”, da Record, e em 2008 e 2009 integrou o elenco do progama “Toma Lá, Dá Cá”, da TV Globo, criado por Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa.

Leia mais sobre Norma Bengell no IG

out
09
Posted on 09-10-2013
Filed Under (Artigos) by vitor on 09-10-2013


================================================
Brum, hoje, no jornal Tribuna do Norte (RN)

===========================================================

OPINIÃO POLÍTICA
Hora das decisões
Ivan de Carvalho

Enquanto vive um ambiente de barata voa a partir da inesperada aliança político-eleitoral de Eduardo Campos e Marina Silva, que pretendia ver totalmente alijada da sucessão presidencial, o PT vai alinhavando, às pressas, para não se deixar cair na perplexidade total, algumas provocações travestidas de análise, entre elas uma que tem como propósito induzir ao desgosto uma parte dos adeptos de Marina Silva e da Rede Sustentabilidade.

Na segunda-feira, o ex-presidente Lula disse a aliados que a filiação de Marina ao PSB “engrandece” o presidente deste partido e governador de Pernambuco Eduardo Campos, um dos candidatos à sucessão de Dilma Rousseff nas eleições de outubro do ano que vem, mas “acrescenta pouco” à fundadora da Rede.
O propósito do comentário de Lula é evidente. Deprimir e causar decepção numa parte da militância da Rede e dos eleitores que simpatizavam com a candidatura presidencial de Marina Silva. Tudo leva a crer que o propósito dessas afirmações de Lula têm muito mais esse propósito do que o de tentar irritar Marina pelo robusto ataque que fez, não diretamente a Lula, mas ao PT, de “chavismo”, representado pela efetivação do golpe cartorial (notório, como atestam os números, principalmente em São Paulo e de modo especialíssimo na região do ABC paulista, onde a influência do PT é incontrastável) que permitiu ao Tribunal Superior Eleitoral negar o registro da Rede em tempo de esta participar das eleições de 2014.

Embora ressalvando que ainda é cedo para fazer uma avaliação aprofundada do cenário sucessório após a união entre Eduardo Campos e Marina Silva, Lula – que sobre isso comentara, ao saber do acontecimento, que “isso foi um direto no fígado” – se disse surpreso por ver Marina, que ocupava o segundo lugar nas pesquisas, dispor-se a ser vice na chapa de Campos, que nessas pesquisas vinha obtendo menos de dez por cento das intenções de voto. Nesse comentário de Lula está clara tentar fomentar a cizânia na aliança Campos-Marina, o que, caso aconteça, será muito bom para o PT e sua candidata à reeleição.

Quanto à Bahia e a sucessão do governador Jaques Wagner, a aliança Campos-Marina tem efeitos intensos. A aliança elimina às últimas dúvidas, que alguns insistiam em alimentar, de que o PSB terá uma candidatura própria a presidente da República. E que, portanto, não haverá como o PSB da Bahia deixar de apresentar candidatura própria à sucessão de Jaques Wagner. Isto representa uma importante ruptura eleitoral na ampla aliança governista estadual.

Deverá, é claro, produzir também uma ruptura política. Não estou falando de inimizades, todo mundo sabe que a senadora Lídice da Mata, presidente estadual do PSB, é amiga e muito grata a Wagner pelo emprenho pessoal que ele teve assegurar que o PT se empenhasse na campanha dela para o Senado, ao invés de concentrar-se apenas na eleição do então candidato e hoje também senador Walter Pinheiro, petista. Mas se será candidata, então tem de dizer em que é preferível ao candidato governista.

Lídice, sabia-se, tinha a idéia de permanecer na aliança governista para as eleições de 2014 e, se pudesse disputar o governo, só desejaria fazê-lo com o que se convenciou chamar “apoio da base” governista. Mas por conta da candidatura de seu partido a presidente, agora consolidada pela união com Marina Silva, a senadora baiana não pode sequer sonhar com o apoio da base e não tem como, sem contrariar frontalmente o comando nacional do PSB, deixar de disputar o governo.

A aliança Campos-Marina, de iniciativa da própria fundadora da Rede, precipitou as coisas na Bahia. O comando estadual do partido, bem como sua presidente, a senadora Lídice, não têm mais tempo para vacilar ou protelar decisões. Virá breve, não por imposição do comando nacional, mas das circunstâncias, que são notórias, a necessidade de Lídice formular um discurso político-eleitoral afirmativo e do PSB retirar-se dos cargos de confiança governistas. Um deles é a chefia da Codevasf em Juazeiro (a Codevasf é federal e quem manda na Codevasf é a candidata-presidente Dilma Rousseff). Os outros são estaduais – a Secretaria de Turismo e a Bahiatursa, ambas sob comando do ex-deputado Domingos Leonelli, o político mais influente do PSB baiano depois da senadora e ex-prefeita.

================================
SEGUE O TEU DESTINO
Letra: Ricardo Reis (heterônimo do Fernando Pessoa)
Música: Sueli Costa
Intérprete: Nana Caymmi
==========================================

Segue o Teu Destino
Nana Caymmi

Segue o teu destino
Rega as tuas plantas
Ama as tuas rosas
O resto é a sombra
De árvores alheias

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos
Só nós somos sempre
Iguais a nós próprios.

Suave é viver só
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses

Vê de longe a vida
Nunca a interrogues
A resposta está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração
Os deuses são deuses
Porque não se pensa

==========================================
PARTÍCULA DE DEUS (PARA QUEM ACREDITA, OU NÃO, EM MILAGRES), DEVE SER UMA COISA ASSIM!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos