======================================================

OPINIÃO POLÍTICA
Paulada no Império

Ivan de Carvalho

Se os Estados Unidos são “o Império”, como tantos gostam de dizer e talvez ainda seja mesmo verdade por um pouco de tempo (os movimentos geopolíticos de repercussão global estão ocorrendo atualmente em alta velocidade), a presidente Dilma Rousseff deu ontem, abrindo com seu discurso a Assembléia Geral da ONU, uma magnífica paulada no Império.
Isso estará fazendo vibrar todas as patrulhas petralhas das redes sociais, mas também, muito provavelmente, enchendo de orgulho (um sentimento que não costuma ser bom) brasileiros corações.
O nacionalismo, com o discurso de ontem em Nova York, estará emocionando milhões de brasileiros, embevecidos pelo que não faltará quem qualifique de “coragem” presidencial, embora a emoção, com certeza, esteja apenas na plateia.
E há combustível farto para essa emoção. Leio que o bravo discurso da nossa brava presidente entrou ao vivo no alto da “home” do site do The New York Times e também recebeu cobertura ao vivo de outros sites, incluindo da Fox News e da CNN. Os canais CNN Internacional e BBC World transmitiram parte expressiva do pronunciamento da chefe de Estado brasileira. Também foi manchete no Guardian, o jornal britânico que lidera as denúncias de espionagem eletrônica americana baseadas na documentação obtida por Edward Snowden, corajoso com certeza.
Também houve as qualificações que ornamentaram o discurso. Traduzido, o Guardian, como conta Nelson de Sá no blog Toda Mídia da Folha.com, o chamou de “contundente”, tuite de âncora da BBC o batizou de “virulento”, o correspondente do The New York Times no Brasil disse que a presidente usou “palavras fortes” e o correspondente da CNN as qualificou de “ásperas”. O que mais poderia querer a grande plateia de 200 milhões de brasileiros?
No picadeiro, ou, para que não se diga que estou abusando das palavras, na arena cujo centro é o Palácio do Planalto, tudo é cálculo e projeto. O governo faz emergir do episódio o nacionalismo e isso vem dando uma contribuição especial ao esforço de recuperação da popularidade da presidente e da aprovação do governo, depois do grande tombo consumado no final de junho.
Mas não é só desse cálculo e desse projeto que vivem o governo e seu partido, o PT. Dilma anunciou ontem à Assembléia Geral da ONU que vai apresentar “propostas para o estabelecimento de um marco civil multilateral” sobre o uso da Internet e afirmou que a ONU deve estar à frente do esforço para “evitar que o espaço cibernético seja instrumentalizado como arma de guerra, por meio da espionagem, da sabotagem, dos ataques contra sistemas e infraestruturas de outros países”.
E ela disse outras coisas bonitas (está tudo na mídia) a respeito dos princípios que devem nortear a “neutralidade da rede” – não é a de Marina Silva, que tem sido alvo de um grande esforço para atrapalhar –, mas todo esse floreio verbal se pode resumir na idéia já lançada antes pela presidente de que deve ser criada uma “governança”, uma “estrutura internacional” com “organismos multilaterais” para regular (leia-se também, por inseparável do verbo regular, controlar) a Internet, pois outra coisa essa governança não teria mesmo a fazer. E quem deve liderar o esforço para que o que a presidente quer venha a acontecer? Como ela propôs ontem, a ONU, que é formada por representantes indicados pelos governos. Trocando em miúdos: a proposta é de que os governos, para isso instrumentalizando a ONU, se apoderem definitiva e formalmente da Internet. Os Estados Unidos, perdão, “o Império”, é contra isso, o Google também, mas, curiosamente, também são contra organizações como o WikiLeaks e seu fundador, Julian Assange, que os Estados Unidos querem botar na cadeia.
O pior, no entanto, é o projeto do Palácio do Planalto com as exigências de resguardar informações do Brasil pelas empresas no Brasil (não fora daqui), o que daria ao governo brasileiro, eventualmente, acesso aos dados relacionados às comunicações eletrônicas das pessoas feitas no Brasil ou entre pessoas deste e de algum outro país. E assim em cada país, como já ocorre, por exemplo, na China, que tem uma rede social própria, que monitora.

Coisa totalitária, esse negócio da China.

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 25 setembro, 2013 at 17:37 #

O poder se constrói na esfera da comunicação. Habermas disse isso nos anos 60, pioneiramente. Castells o fez mais recentemente em Communication Power. Patinhas sabe das coisas. Apesar contudo, todavia, mas, porém, bom mesmo é Dilma e o PT cuidarem da casa que desmorona com índices alarmantes de desigualdade, educação em níveis africanos, CORRUPÇÃO na estratosfera e por aí vai. Ou seja: DEPOIS DO SUSTO DE JUNHO, o marketing voltou a tomar o lugar da ação. Vamos pra frente que por aí vem mais. É aguardar.


Lilyane on 25 setembro, 2013 at 22:19 #

Ridícula essa proposta de controle da internet. Coisa de ditadores. Logo onde ela foi cantar de galo. Jogou para a plateia brasileira, pois a palavra de Obama, logo depois da dela simplesmente a ignorou.


vangelis on 25 setembro, 2013 at 22:21 #

“That’s because I’m scared of my wife”, he said with a smile.


vangelis on 25 setembro, 2013 at 23:07 #

Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2013
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30