============================================================

CRÔNICA

Saravá!

Gilson Nogueira

Como ator do cotidiano, vi o tempo marcar a mudança da cidade de Salvador, em um ponto de ônibus. Havia mais gente que o normal. O que acontece até hoje.

Feito caçador de borboletas, vou às ruas agitando aquele cesto, a fim de capturar o que restou da minha cidade que se perdeu por ai, na implacável sucessão dos anos, marca desse monstro que não poupa quase nada, nem ninguém.

“E aí, Salvador, onde está você, cadê seus cheiros, seus modos, seus jeitos, seus ares, seus encantos e tesouros todos, seus mistérios e silêncios tantos, sacros e profanos, que a fazem única na mundo?

Onde está sua paz? A característica maior de seu povo, cujos traços culturais, vindos da Mãe África, deram-lhe o privilégio de constituir-se em uma espécie de sacerdote político da nação, na linha direta da fé ecumênica e da benção que Vinícius cantou ao som do berimbau.

Salvador, hóstia geográfica do país, perdoa os que não sabem o que fazem, ao destruírem seu patrimônio histórico, suas belezas naturais, sua história. Mas, ao mesmo instante, clame aos céus por justiça, a fim de que sejam punidos os que a agridem, dia a dia, de todas as formas, como, por exemplo, ao brutalizarem as relações humanas, ao agredirem o seu meio ambiente, ao esquecerem-se de oferecer à sua população a mobilidade urbana que ela necessita, os serviços ao nível de uma metrópole porta de entrada do turismo do Nordeste. Mais que tudo, segurança pública.

Busco, terra amada, desesperadamente, entre lágrimas vestidas de silêncio, a paz que você tinha, a alegria natural de sua gente, acima do bem e do mal, a quietude de seus caminhos e os encontros apaixonados de suas artes, nesse caleidoscópio de talentos que iluminava o mundo. Volte a brilhar, Salvador, além dos festivais de idiotices!
Na esteira rolante do tempo, quero vê-la feliz, conservando os traços que o Arquiteto do Universo lhe Deu. Saravá,Cidade da Bahia!

Gilson Nogueira, jornalista, é colaborador da primeira hora do BP

Be Sociable, Share!

Comentários

Graça Azevedo on 8 setembro, 2013 at 17:20 #

Choro junto esta tristeza.


Olivia on 8 setembro, 2013 at 20:22 #

Muito triste, caro Gilson. Vida segue.


Gilson Nogueira on 9 setembro, 2013 at 22:40 #

Semana passada, Avenida Euclydes da Cunha, Graça, um jovem, alto, aparentemente, com problema físico, ao lado de uma senhora, que parecia ser mãe dele, atravessa, devagar, a faixa de pedestre, pintada no chão, defronte a uma farmácia. O tráfego é lento. Com o jovem e a senhora, no meio da faixa, um táxi, em baixa velocidade, buzina forte. E pára. O jovem e a senhora chegam ao outro lado da rua. O motorista, que havia buzinado fortemente, próximo à faixa, permite que o casal atravesse, sem, antes, provocar, em algumas pessoas que presenciam a cena indignação.Uma delas, ao meu lado, falou: ” Poderia ser ele.” E eu, ” ele, ao volante, acha que tem razão. Não tem. É um estúpido!”


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2013
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30