====================================================

OPINIÃO POLÍTICA

ACM Neto, objetivo

Ivan de Carvalho

O prefeito ACM Neto, na entrevista que concedeu ontem ao programa Balanço Geral, apresentado na TV Itapoan pelo radialista Raimundo Varela – que o vinha criticando severamente nas edições anteriores desse programa, principalmente pelos buracos nas ruas da cidade e falhas em alguns serviços públicos de responsabilidade exclusiva ou concorrente da prefeitura – teve um excelente desempenho.

Ele passou longe de qualquer discurso vazio destinado a engrupir, a “enrolar” o público, emitindo um sinal forte de que não se dispõe a dar continuidade, em sua vida pública, ao tipo de político predominante no Brasil, que foge à realidade e à objetividade para dizer nada parecendo que está dizendo muita coisa (fenômeno comum nos países em que o nível de educação e cultura da população é, em média, muito baixo, como é o caso do Brasil).

Procurou fixar-se na sua gestão à frente da administração de Salvador, mas não fugiu, antes foi bastante claro quando, inquirido, respondeu a questões políticas e eleitorais. Disse, inclusive, o que pode ser considerado uma novidade, apesar do tempo já decorrido: eleito prefeito, um diálogo foi estabelecido entre ele e o governador Jaques Wagner e o prefeito, então, conforme disse ontem com toda a clareza, mostrou (ele que mostrou, não o inverso, portanto) ao governador que todos só tinham a ganhar (esses dois políticos e mais a cidade e, suponho, o próprio estado) se o governador e o prefeito adotassem uma conduta colaborativa. O governador, como está evidente até agora, concordou.

Ainda na parte política da entrevista, ACM Neto repetiu, com ênfase absoluta, que não será candidato a governador no ano que vem. Mais para a frente, achando que o momento chegou, tudo bem. Mas desta vez não, apesar da liderança disparada nas pesquisas eleitorais (capital e interior). “Se as pesquisas me dessem 110 por cento, o que é impossível, eu não deixaria a prefeitura para ser candidato. Se me dessem 98 ou 100 por cento, eu não seria”.

E deu uma explicação convincente. Por enquanto, seu trabalho (12, 14 horas por dia, sem folga nos sábados) tem sido para “organizar a prefeitura”. É uma coisa essencial, diz respeito à capacidade da prefeitura de cumprir sua função na atual gestão e no futuro, portanto. Trata-se de um trabalho que deverá ir até o fim do primeiro trimestre de 2014. Representará um legado importante à cidade, mas não será uma coisa visível. A coisa visível mais próxima – ele disse quase que de passagem – é recompor as ruas da cidade, dar um jeito na buraqueira, assim que acabe o período de chuvas, o que deve acontecer já.

As coisas maiores que estão sendo planejadas, essas estão sendo cuidadas agora nas áreas de planejamento e financiamento (não podem ser feitas apenas com dinheiro municipal, estão sendo buscados recursos federais, estaduais e de empréstimos) e irão se materializando durante a gestão, até seu final. Portanto, mais uma razão para não sair antes.

Na entrevista ficou uma lacuna importante. Não houve questionamento a respeito: a reeleição. Mas se lhe houvessem perguntado, ACM Neto responderia objetivamente? Este talvez fosse o único ponto em que o prefeito sairia da linha geral da entrevista de respostas objetivas. Primeiro, a candidatura à reeleição dependerá de como estiver a sua popularidade e a aprovação de sua gestão em 2016 e ainda de como estiver a conjuntura política baiana e nacional nesse mesmo ano. O prefeito acredita firmemente que estará bem com a população – na atual fase da gestão “tive que dizer não a muita gente”, como teve que adotar algumas medidas que estão desagradando e vão desagradar mais. Caso evidente do reajuste do valor venal dos imóveis para o cálculo do IPTU. Mas depois as coisas agradáveis, acredita ele, irão surgindo. Já pôde dizer, ontem, que a prefeitura alcançou o “equilíbrio fiscal”.

Candidatos a governador pela oposição? Citou Paulo Souto, o prefeito de Feira, José Ronaldo, José Carlos Aleluia, secretário municipal de Infraestrutura, todos do Democratas, Geddel Vieira Lima, do PMDB, João Guarberto, uma gentileza com o PSDB. Quando chegar a hora, dirá sua posição. Mas isto não significará brigar com Wagner e Dilma, deixou explícito, porque prejudicar a cidade está fora de cogitação.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2013
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30