Ministro Lobão: pouco caso e
culpa nas queimadas do Piaui

========================================================

ARTIGO DA SEMANA

Nordeste apaga: Quem responde por isso?

Vitor Hugo Soares

De repente, não mais que de repente, o apagão. A luz se desfaz na Bahia em plena tarde da quarta-feira (28) de agosto e inverno. Salvador – pela terceira vez desde setembro do ano passado – despenca na ribanceira do caos. Choro e ranger de dentes de ponta a ponta da cidade e sua região metropolitana.

Para piorar, a capital do estado de 15 milhões de habitantes (dados saídos do forno do IBGE esta semana), não envereda sozinha na quarta-feira de cão que se alastra em cadeia de sustos, medos, ausência de comando e omissões oficiais. Desesperos e a sensação de abandono que se espalha a seguir, à medida da aproximação da noite.

Fuga, mulheres atacadas por ladrões em vias públicas na volta do trabalho ou saídas dos shoppings. Populares fazendo papel improvisado de polícia quebram perna de ladrão e o deixam gritando de dor em uma das mais movimentadas avenidas (Tancredo Neves). Portas de comércio e lazer arriadas às pressas no centro e subúrbio. Caos no trânsito sem sinaleiras, mesmo um dia depois da luz voltar .

De Aracaju a Recife, de João Pessoa a Teresina, as maiores cidades de oito estados, da região que, praticamente, garantiu a vitória eleitoral da presidente Dilma Rousseff em seu desembarque no Palácio do Planalto, penaram muito. Todas elas permaneceram sem energia ao menos durante uma hora e meia, antes que os serviços começassem a ser normalizados.

Tudo em meio a informações desencontradas, omissões, despreparo administrativo para enfrentar crises e imprevistos graves. As desculpas mal alinhavadas e contraditórias. Dedos oficiais apontados para “os culpados de sempre”. Algo assim, mal comparando, semelhante à antológica cena final do filme “Casablanca”, sintetizada no diálogo entre o chefe de polícia e Rick Blaine, exilado americano dono da casa noturna local, magistralmente encarnado por Humphrey Bogart .

Mas estamos em fins de agosto de 2013 e já praticamente não se produzem mais roteiro ou filmes como “Casablanca”. Muito menos no Nordeste, de onde escrevo estas linhas, ainda espantado com cenário baiano e soteropolitano do apagão desta semana.

A começar pela nuvem de fogo e fumaça negra que cobriu o céu de Camaçari, na região metropolitana, quando as brigadas de segurança iniciaram uma operação de emergência nas fábricas para evitar o pior, diante da parada brusca e inesperada do fornecimento de energia elétrica na área do maior complexo petroquímico nordestino e um dos mais importantes e estratégicos pólos industriais do País.

A paralisação em Camaçari (com os enormes prejuízos econômicos ainda por levantar), foi por motivos de segurança inadiáveis e urgentes, revela o jornalista Érico Oliveira, superintendente de comunicação do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (COFIC).

As chamas e fumaça negra que saíam das chaminés das fábricas – ao mesmo tempo da evacuação do pessoal administrativo do Polo – causavam assombro e preocupação a muita gente. “Isso tudo são procedimentos normais”, diz o experiente e calmo Érico, ao lembrar ser esta a terceira vez que algo assim acontece, desde setembro do ano passado.

Menos mal.

“Graças vos damos oh soberana Princesa!”, diria a minha religiosa mãe, se viva estivesse, ao seu filho ateu que acredita em milagres, ao puxar suas orações mais poderosas dos momentos de maior perigo.

Apanhado pela notícia do blecaute nordestino durante visita a Minas Gerais, o ministro Edison Lobão, das Minas e Energia, jogou a culpa nas queimadas em fazenda do Canto do Buriti, do Piauí. Ele, um nordestino do Maranhão (único estado da região a escapar do apagão de quarta-feira) deu entrevista sem demonstrar maior preocupação, em tom blasé e o velho toque de arrogância do naipe de ministros do governo Dilma, com padrinhos poderosos, que parece repetir frente aos erros mais bisonhos e às mais graves situações: “Comigo ninguém pode!”.

Segundo o ministro, o sistema foi restabelecido em seguida à queda. Mas caiu, novamente, afetando uma linha que interliga o resto do País ao Nordeste. Depois, repetiu a ladainha de que o sistema elétrico brasileiro “é forte” e sem fragilidades.

“Isso acontece no Brasil, nos EUA e em outros lugares”, disse Lobão, indiferente aos prejuízos econômicos e gritos de desespero em Salvador e outras capitais e cidades em oito estados. E os que partem do Palácio do Planalto, em cobrança de investigações cabais e confiáveis, sobre o que efetivamente causou o apagão e o inferno de quarta-feira passada no Nordeste.

Antes do próximo, fica no ar a pergunta: “Quem responderá por isso no Brasil”?

Vitor Hugo Soares é jornalista. Editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br


Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 31 agosto, 2013 at 6:39 #

Ninguém vai responder, meu irmão! E tudo vai continuar como sempre e ainda lotarão as urnas de votos para o retorno de todos aos palácios…
A única coisa que pode mudar é o povo na rua, mas parece que “junho” já foi esquecido e tudo continua como dantes no quartel de abrantes…triste realidade…
E pior, nem D. Jandira não está mais entre nós para nos salvar com suas poderosas orações…


Graça Azevedo on 31 agosto, 2013 at 10:01 #

Mesmo com tristeza tenho que concordar com Mariana. Resta-nos a frase do nosso editor: a conferir!


luís augusto on 31 agosto, 2013 at 10:09 #

É isso, Vítor, o que em países civilizados determina a queda do gestor é, entre nós, só uma chance de o cara aparecer na TV.
E Lobão, sinceramente, é a maior cara de passado da era PT, de certa forma, mais até do que Sarney, vê-lo dá enjôo, com circunflexo pra mim irretirável.


Olivia on 31 agosto, 2013 at 12:13 #

Tá puxado!!!


Lilyane on 31 agosto, 2013 at 15:15 #

Segundo a gerentA do Brasil, isso não é apagão, ‘é blecaute, minha filha’. Logo eles hein, que vivem a demonizar os ‘estadunidenses’. Já deu.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • agosto 2013
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031