ago
18
Postado em 18-08-2013
Arquivado em (Artigos) por vitor em 18-08-2013 13:06


Por Marinaldo Mira

Quando um time de futebol sofre uma goleada por 5×1 não tem explicações. Humilhação, frustração, sofrimento para a torcida e o risco de bater um desânimo daqueles no grupo de jogadores. Essa situação é a que atravessa o Vitória, depois de ‘atropelado’ pelo Cruzeiro, neste sábado (17.08), no novo Mineirão, pela 15ª rodada do Brasileiro.

A rigor, a partida estava em ritmo aparentemente normal até o início do segundo tempo, quando o rubro-negro baiano chegou a fazer um gol de pênalti, bem cobrado por Dinei, com o placar em 2×1. Até parecia que iria equilibrar as ações. Depois que Borges (apagado na partida) ampliou para 3×1, o time desmoronou de vez. E, não encontrou mais forças para segurar o ataque mineiro, nem evitar a goleada humilhante. Bem que, poderia ter sido pior, se o goleiro Wilson não fizesse inúmeras defesas milagrosas. O placar por 5×1 até foi lucro.

Mas o que houve com a defesa rubro-negra que não tinha tomado sequer três gols por jogo?. Pelo que tudo indica, o sistema defensivo sentiu falta do grandalhão Gabriel Paulista, negociado com o Villareal da Espanha. Há três temporadas que ele fazia dupla com Victor Ramos, ontem, meio perdido e inseguro, sem saber como conter os atacantes do Cruzeiro.

A propósito, a defesa original do Vitória formada por Nino, Gabriel, Victor Ramos e Mansur, foi montada em 2011 pelo então treinador Toninho Cerezzo. Gabriel sempre foi alvo de duras criticas por segmentos da imprensa. Jogador de garra e vontade de vencer impressionantes, nunca se entregou mesmo com placar desfavorável. Agora, coloca-se a responsabilidade em quem e o que dizer ?

Nos últimos anos, o Vitória tem revelado zagueiros como Alex Silva, Wallace (titular do Flamengo), Anderson Martins (ex-Vasco e atualmente no Al-Jaish, do Catar), David Luiz (atual Chelsea da Inglaterra e pretendido pelo Barcelona) entre outros. Quem deu a primeira oportunidade a David no time principal foi o então treinador Arturzinho. A safra mais recente é a de Gabriel e Victor Ramos. A questão é a seguinte: como recompor a zaga, agora com a saída de Gabriel?.

A direção de futebol do Vitória tem errado mais, que acertado, em contratações. O atacante Pedro Oldoni ficou mais de oito meses parado. O também atacante Jeancarlo jogou duas ou três partidas e não aprovou. Lúcio Maranhão nem seque jogou. O zagueiro David de Braz também foi reprovado, entre outros que foram contratados e reprovados pelos treinadores, são alguns exemplos.

Por que o clube recusou o atacante Alan Kardec, atualmente no Palmeiras e fazendo gols? Por tudo isso, a torcida prefere a politica de aproveitar a ‘prata da casa’, a divisão de base do clube, que ano passado ganhou a Copa do Brasil sub 20.

O momento é preocupante, mas não de desespero, nem de caça às bruxas. Nada de querer trocar treinador. O trabalho de Caio Júnior merece crédito. A hora é de juntar os cacos, recompor a defesa e esquecer a amarga noite de 17 de agosto de 2013. (siga @MarinaldoMira no twitter)

Marinaldo Mira – Jornalista (Ufba/1980), cronista esportivo e professor de Ética. (marinaldomira@gmail.com)

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 18 agosto, 2013 at 15:27 #

Foi de lascar a goleada que meu Vitoria levou! Tô de cabeça inchada até agora! Mas, não desanimo! É levantar, sacudir a poeira e seguir em frente! É que nem casamento: na alegria e na tristeza! Vambora Leão!


Jamile on 18 agosto, 2013 at 17:43 #

Essa derrota talvez abaixe a “crista” de alguns torcedores que achavam que tudo eram flores.
“Demorou, mas veio o 5 a 1…”
Agora, ou erguem a cabeça ou vão ladeira baixo. Eu fico com a segunda opção… hehe
BBMP!!!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • agosto 2013
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031