====================================

OPINIÃO POLÍTICA

O aborto e a Jornada

Ivan de Carvalho

O papa Francisco chegou ao Brasil na segunda-feira, descansou na terça, foi ontem a Aparecida e ao Hospital São Francisco, onde inaugurou uma unidade destinada à recuperação de dependentes pobres de drogas ilícitas, especialmente o crack.

Nas ocasiões que discursou até aí – a primeira foi no Palácio Guanabara, no Rio de Janeiro, onde, com a presidente Dilma Rousseff ao lado, fez um discurso protocolar de cinco minutos, logo depois que a presidente aproveitou a chance, quase que como “papagaio de pirata”, para fazer um discurso político de objetivo claramente eleitoral. Francisco, certamente por gentileza protocolar e piedade papal, suportou ouvir e aguardar o final como quem carrega uma cruz com semblante, apesar de aparentando real cansaço, condescendente.

No entorno do Palácio Guanabara, que já foi um lugar de muito respeito quando ocupado pelo então governador Carlos Lacerda, na primeira metade da década de 60 do século XX, enquanto o papa era crucificado entre a presidente Dilma e o governador Sérgio Cabral – ambos aflitos em dar-lhe um grande abraço de afogados para não submergirem na impopularidade que os assola – houve manifestações. Não contra o papa, mas contra Cabral, o governador.

E houve também prisões absolutamente arbitrárias por parte da PM subordinada ao mesmo Cabral. Até acusaram um jovem de carregar uma sacola cheia de “coquetéis molotov”, que ia ser processado, naturalmente condenado por suas intenções criminosas e teria sua vida desgraçada por anos de prisão.
Salvou-se e já está solto, depois de autuado sob o relato dos PMs, apenas porque a cena da ação policial contra o grupo de manifestantes, incluindo o terrorista dos “coquetéis molotov”, foi fotografada e filmada por várias pessoas com seus celulares e posta nas redes sociais da Internet.

E o que elas mostravam? O jovem foi alvo de uma arma de choque (taser) disparada por um soldado PM. Caído, foi-lhe posto numa das mãos um “coquetel molotov” – bomba caseira que, dependendo das circunstâncias, pode ter alto desempenho. Quando chegou à delegacia, atribuíram-lhe o porte de uma sacola cheia de “coquetéis molotov”. Mas as imagens feitas por manifestantes e outras pessoas e postadas nas redes sociais da Internet comprovaram que antes de ser preso atacado pela polícia ele não portava sacola nenhuma e não levava também a bomba que a PM fluminense, como mostraram as imagens, lhe colocou nas mãos.

Diante dessas provas materiais nada mais havia a fazer senão o governo fluminense libertá-lo, após mantê-lo na cadeia pelo tempo que pôde. Pode-se supor que o jovem ingressará na Justiça pedindo indenização por danos morais (e eventualmente materiais, a arma de choque pode causar danos à saúde, mesmo não matando a vítima) e também se pode supor que, além de lhe pedir desculpas formais, o governo do Rio não se utilize das tradicionais “chicanas judiciárias” e administrativas para tentar evitar ou adiar ao máximo o pagamento da indenização evidentemente devida.

Mas, voltando ao papa Francisco e a presidente Dilma. A presidente está com um abacaxi para descascar. O fato do papa estar passando uma semana no Brasil para a Jornada Mundial da Juventude torna os espinhos do abacaxi especialmente afiados. Ela deve vetar ou não (não vetar representa uma sanção implícita, uma concordância com o projeto, que voltará assim ao Congresso somente para ser promulgado). O projeto de lei 03/2013, proposto por uma deputada do PT inicialmente sob número 60/1999, teve, após o longo sono desde 1999, sua tramitação tocada às pressas a partir do pedido feito em fevereiro último pelo ministro petista da Saúde, Alexandre Padilha, ao presidente da Câmara. Dilma assumira o compromisso, na campanha eleitoral de 2010, de que seu governo não tomaria qualquer iniciativa para facilitar o aborto, mas seu ministro da Saúde não acreditou nisso, evidentemente. Resta saber se a presidente acredita em sua própria palavra e veta ou não o jogo assassino. Pois que esse projeto abrirá amplíssimo espaço legal para o massacre dos inocentes indefesos no ventre de suas mães.

Não tenho a menor dúvida de que Francisco, quando falar formalmente aos participantes da Jornada Mundial da Juventude, incluirá com firmeza o aborto e a oposição da Igreja Católica a essa prática homicida. Posição que coincide com as de tantas outras denominações religiosas. Mas, infelizmente, não todas.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos