jul
20
Postado em 20-07-2013
Arquivado em (Artigos) por vitor em 20-07-2013 16:22

============================================

================================================

Assis Valente e a espionagem americana

Janio Ferreira Soares

Não entendo o porquê de tanta surpresa por causa dessa atual bisbilhotagem dos Estados Unidos em nossos costados se, desde 1940, o genial compositor santamarense, Assis Valente, já dizia que o Tio Sam não só estava querendo conhecer a nossa batucada, como andou dizendo que o molho da baiana melhorou seu prato, o que o levou a querer entrar abaixadinho no cuscuz, no acarajé e no abará, chegando ao ponto de, pasme, arriscar alguns passos de samba pelos corredores da Casa Branca, conhecida nas quebradas estadunidenses como a casa de Ioiô e Iaiá. Portanto, nada mais natural que os americanos permaneçam espionando nossas peculiaridades, apesar de não haver mais nada por essas bandas que valha a pena ser curiado – muito menos invejado.

Diferente de hoje, os relatórios preparados pelos espiões na época em que a nossa gente bronzeada estava perdendo a vergonha de reunir os seus valores para mostrá-los ao mundo através do batuque e do pandeiro, seguramente deixavam os ianques babando. Também pudera. Eles narravam um tempo em que a Bahia se oferecia aos estrangeiros como um desses retratos em branco e preto imortalizados nos livros de Pierre Verger e na memória de quem teve o privilégio de conhecê-la, com seus bondes chispando trilhos e suas provocantes morenas cheirando a Cashmere Bouquet e a fragrâncias alavandadas, doces prenúncios de que logo mais o Tabariz estaria lotado de fantasias e desejos pecaminosos.

Com a conhecida competência de seus agentes, decerto eles já sabiam que aquela rapaziada que vivia jogando conversa fora no pátio do Colégio Central, nos bares e nas matinês do Cinema Olympia, revolucionaria a literatura, o cinema, a música e as artes em geral, exportando para o mundo o nosso famoso jeito até então restrito à província, felizmente preservado em negativos, livros e canções, que servirão de provas indiscutíveis quando a mediocridade atual reinar absoluta sobre os mares e campos baianos, e quiser esconder das futuras gerações que um dia houve uma cidade que toda cidade do mundo sonhava ser.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos