DEU NA UOL/FOLHA NA COPA

A Fifa informou que colocará à venda nesta terça-feira ingressos para a abertura da Copa das Confederações, para a final e para as partidas do Brasil contra o México e a Itália pela fase de grupos. De acordo com a entidade, os bilhetes serão vendidos a partir das 9h no site do torneio.

“Para garantir um acesso justo e igualitário a esses jogos altamente procurados, decidimos colocar esses ingressos à venda apenas no site oficial do torneio, já que esperamos que eles sejam vendidos em minutos”, explicou Thierry Weil, diretor de marketing da Fifa.

“A decisão de não vendê-los nas bilheterias foi tomada para evitar que as pessoas se deslocassem sem ter a menor chance de adquirir um desses ingressos”.

Para o jogo de abertura da competição entre Brasil x Japão, marcado para o próximo sábado, no estádio Mané Garrincha, a Fifa informou que ainda existe 3.793 bilhetes. Até o momento, foram comercializados 64.397.

Já para o confronto entre Brasil x México, que está marcado para o dia 19, no Castelão, tem 3.723 entradas disponíveis. O jogo já teve 56.087 bilhetes vendidos.

O duelo entre Brasil x Itália, que será realizado no dia 22, na Fonte Nova, terá 2.769 ingressos à venda. A partida já teve 49.064 bilhetes comercializados.

Já para a decisão da competição, que será realizada no dia 30, no Maracanã, a Fifa vai colocar à venda 2.513 ingressos. Da carga total, 69.740 foram vendidos.

De acordo com a entidade, as entradas remanescentes para os outros jogos podem ser adquiridos tanto em fifa.com/ingressos quanto em um dos seis centros de distribuição de ingressos da Fifa.

Segundo levantamento da Fifa, a partida entre México x Itália, marcada para o próximo domingo, no Maracanã, teve o maior número de ingressos vendidos –71.166. Ainda restam 497 bilhetes para o confronto.


==================================

=================================================

DEU NO BLOG DE GERALDO JOSÉ
DE JUAZEIRO-BA

O Departamento de Ciências Humanas (DCH), Campus III da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Juazeiro, comunicou a toda sociedade juazeirense que recebeu a doação do acervo bibliográfico da Biblioteca Dom José Rodrigues. Neste momento, professores e técnicos da universidade estão providenciando a organização e catalogação de todo o acervo, por área de conhecimento. Após essa etapa, a imprensa e comunidade geral serão convidados pela UNEB e Diocese para um ato solene, que oficializará publicamente a doação, com a apresentação das novas instalações e divulgação de como será o acesso da comunidade ao acervo. A solenidade está prevista para acontecer no início do semestre letivo 2013.2, em agosto.

Texto escrito em Boston , em 2009, quando a autora morava nos Estados Unidos e frequentava a Universidade de Harvard. Publicado na revista digital Terra Magazine e no site blog Bahia em Pauta. Vale a pena ler de novo. E conferir.

(Vitor Hugo Soares)
====================================


Illinois e Alagoas

Rosane Santana

A “guerra contra o terror”, após o atentado terrorista de 11 de Setembro de 2001, marcou a gestão do presidente George W. Bush, que deixa hoje a Casa Branca. Historiadores são unânimes em realçar esse fato, ressaltado em todas as análises sobre o legado da Era Bush publicadas na última semana pela imprensa americana, repetindo dezenas de livros editados anteriormente, inclusive no Brasil. Curioso é que somente agora o fato é colocado pela mídia como uma camisa-de-força da qual não podera escapar nenhum dos próximos presidentes americanos, começando por Barack Obama que se elegeu com a promessa de mudança na política externa.

Alguns críticos sustentam que assim como na Guerra Fria, na Guerra contra o Terror não haverá espaço para políticas conciliatórias e que os Estados Unidos vão usar a força militar esmagadora para reagir a qualquer provocação, até que a população reconquiste a confiança na segurança interna, o que parece cada dia mais improvável. Basta um giro por cidades como Nova Iorque para constatar que o alerta laranja em áreas de grande concentração pública, como o metrô, virou regra geral, apesar de ignorado pelos incautos.

O terrorismo seria uma resposta à presença militar americana nos países islâmicos e o apoio a monarquias autoritárias em muitas nações árabes, além do suporte a Israel, segundo análises menos conservadoras. Nesse sentido, atentados terroristas serão recorrentes. Em contrapartida, o país verá o orçamento militar e o déficit público crescerem cada vez mais em detrimento dos recursos para a área social prometidos pelo presidente eleito, aumentando a dependência em relação a parceiros como a China e seus bilhões de dólares aplicados em letras do tesouro americano, até quando é difícil dizer.

Já em dezembro, depois de eleito, Barack Obama mudou o seu discurso: “Quando se trata de manter nossa nação segura, não somos nem democratas, nem republicanos, mas sim americanos”, afirmou, para justificar a permanência do atual secretário da Defesa, Robert Gates, à frente do Pentágono, e a indicação do general aposentado James Jones como conselheiro de Segurança Nacional, ambos republicanos.

Mais recentemente Obama também voltou atrás em relação ao fechamento de Guantánamo e não surpreenderá se mantiver a controversa legislação da Era Bush, aprovada pelo Congresso, permitindo a quebra de sigilo de e-mail, telefones, contas bancárias etc. e a prática de tortura contra suspeitos de terrorismo. No new occupant of the Oval Office can escape the grim legacy of Sept. 11 – and all of the presidential actions that followed (“nenhum novo ocupante do Salão Oval pode escapar do horrível legado de 11 de Setembro e todas as ações presidenciais que se seguiram”), segundo análise divulgada pela National Public Radio (NPR).

Em sua fala de despedida, transmitida pelas redes de TV americanas, Bush dedicou a maior parte do tempo a realçar suas ações para garantir “mais do que sete anos sem outro ataque terrorista em nosso solo” e advertiu ser esta a maior ameaça que paira sobre o governo de Barack Obama. Não há dúvida de que um fato dessa natureza seria devastador para a popularidade do novo presidente, que não tem outra saída senão seguir o receituário aplicado até aqui para evitar o pior.

No início da semana passada, enquanto a futura Secretária de Estado Hillary Clinton discursava no Senado para uma platéia de ex-colegas sobre o uso do poder inteligente em lugar da “ideologia rígida” na diplomacia, Israel promovia um verdadeiro massacre na Faixa de Gaza, com a morte de mais de mil civis, sob o silêncio de Barack Obama. Israel reproduzia, em escala reduzida, um pouco da guerra preventiva contra o terrorismo, no caso contra o Hamas, recomendada no receituário da “Guerra contra o Terror” de George W. Bush. Há retórica e mais retórica, portanto, pelo menos em relação ao Oriente Médio, onde os Estados Unidos desde sempre desejam garantir o fornecimento do petróleo para o Ocidente.

Mesmo evitando o discurso de Bush, os analistas prevêem que os próximos ocupantes da Casa Branca, inclusive Barack Obama, continuarão ignorando instituições como a ONU, como na invasão do Iraque, e a Organização do Comércio (OMS). A alegação é de que nesses fóruns as decisões são lentas e a proporção de votos de grandes potências como a China e a Índia, por exemplo, são incompatíveis com o seu contingente populacional quando comparadas com países menores, bem como considerada inadmissível a capacidade de veto destes últimos, menos expressivos, especialmente quando estiver em jogo a segurança interna dos Estados Unidos. Essas organizações, sem uma reforma, terão um papel cada vez mais secundário no cenário internacional, o que indica a permanência de uma política externa unilateralista na América.

Há, portanto, “muito mais mistérios do que possa imaginar nossa vã filosofia” nas movimentações de Obama, sua viagem de trem, suas aparições inesperadas em locais públicos e suas incursões pelo espaço cibernético, que não sei o porquê, sempre me fazem recordar as peripécias esportivas de Fernando Collor, também contrárias às medidas de segurança, quando se deixava fotografar em disparada em sua potente motocicleta ou em trajes de karateca.

Aliás, Illinois e Alagoas guardam em comum histórias nada edificantes na política.

Rosane Santana é jornalista

jun
10
Posted on 10-06-2013
Filed Under (Charges) by vitor on 10-06-2013


======================================
Tiago Recchia, hoje, no Diário do Povo (PR)

jun
10

A África do Sul continua a viver horas de angústia devido ao estado de saúde de Madiba (Nelson Mandela). O ex-presidente está internado desde sábado com uma pneumonia.

Nas últimas horas, a presidência divulgou o último boletim clínico dizendo que Nelson Mandela continua em estado grave mas estável.

No entanto, o porta-voz da presidência, Mac Maharaj, pediu aos sul-africanos para estarem preparados e para celebrarem a vida de Mandela enquanto Madiba está vivo.

A família bloqueou, entretanto, o acesso ao líder histórico e apenas os familiares o podem visitar no quarto de hospital.

Nelson Mandela tem 94 anos e esta é a terceira vez este ano que está internado.

(Informações do portal europeu TSF)

http://youtu.be/NXqGfvuoI8U

================================

Foi ótima a viagem e as coisas (boas , ruins e mais ou menos ) que vimos por aí.

É muito bom, também, agora estar de volta ao cantinho.

E recomeçar sem ter parado de andar e de fazer novas descobertas.

Boa semana para ouvintes e leitores.

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos

  • junho 2013
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930