========================================================


Cançao do Filme Capitães de Abril de Maria de Medeiros, compositor Antonio Victorino D’Almeida, letra Pedro Ayres de Magalhães, interpretada por Teresa Salgueiro e Madredeus. Clip de João Pedro Ruivo”.(You Tube)

=========================================================

AS BRUMAS DO FUTURO

Sim, foi assim que a minha mão
Surgiu de entre o silêncio obscuro
E com cuidado, guardou lugar
À flor da Primavera e a tudo

Manhã de Abril
E um gesto puro
Coincidiu com a multidão
Que tudo esperava e descobriu
Que a razão de um povo inteiro
Leva tempo a construir

Ficámos nós Só a pensar Se o gesto fora bem seguro

Ficámos nós A hesitar
Por entre as brumas do futuro

A outra acção prudente
Que termo dava
À solidão da gente
Que deseperava
Na calada e fria noite
De uma terra inconsolável
Adormeci
Com a sensação
Que tinhamos mudado o mundo
Na madrugada
A multidão
Gritava os sonhos mais profundos

Mas além disso
Um outro breve início
Deixou palavras de ordem
Nos muros da cidade
Quebrando as leis do medo
Foi mostrando os caminhos
E a cada um a voz
Que a voz de cada era
A sua voz
A sua voz

==============================================

Sim, foi assim

Bom enquanto durou.

Mas durou pouco.

Agora é recordar os cravos lançados pelas raparigas em flor
e o cheirinho de alecrim nas ruas de Lisboa.

Bom 25 de abrtil para todos, do lado de lá e de cá do Atlântico.

(Vitor Hugo Soares)

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos