====================================================

OPINIÃO POLÍTICA

A renúncia

Ivan de Carvalho

A investigação do atentado terrorista que matou e feriu pessoas na segunda-feira, na maratona de Boston, está conduzindo a um dos piores desfechos possíveis.

De todos os desfechos possíveis, o menos ruim – melhor dizer, o menos nocivo – seria que o ato terrorista, composto por duas explosões de material posto em panelas de pressão, houvesse sido cometido por um americano comum que de alguma forma houvesse perdido o juízo.

Mas o noticiário não está apontando esse rumo. Surgiram dois suspeitos, irmãos, um dos quais foi baleado e morreu, segundo informações, já em um hospital. O outro estava foragido até o início da noite de ontem e uma grande caçada foi montada em amplas áreas da cidade americana contra ele.

A dupla teria se envolvido em alguns incidentes violentos de natureza criminosa posteriores à maratona e isto desencadeou uma perseguição policial. Durante esta perseguição e tendo ferido o irmão mais velho enquanto o outro conseguia escapar, a polícia os declarou suspeitos do atentado de segunda-feira.

E aí é que o caso adquiriu cores ainda mais sombrias do que as que teria caso se tratasse de algum americano “surtado”, para usar uma palavra da moda. Um dos dois, o mais velho, é originário da Federação Russa, da província do Daguestão, vizinha da conturbada, dominada, rebelde e aflita República da Tchetchênia. O mais moço é do Quirguistão, ex-república soviética. O irmão mais velho, Tamerlan Tsarnaev, tinha o Green Card, que dá direito permanente de morar nos EUA, o outro, Dzhokhar, de 19 anos, chegara bem antes, em 2002 obteve depois a cidadania americana.

Estava aí o primeiro elemento complicador. Um não era americano e chegara ao país há quatro anos, o outro é americano, mas naturalizado. Para complicar, eles mantinham uma página em um site de relacionamento russo e davam como seus idiomas o russo, o inglês e o tchetcheno. Defendiam o separatismo tchetcheno (que produziu atentados terroristas na Rússia e sofreu por parte desta um esmagamento militar implacável). A página dos irmãos na Internet, segundo as notícias, alinhava-se ao radicalismo islâmico.
Não precisava mais nada. Assim mesmo, ainda tem. Dzhokhar Tsarnaev tornou-se cidadão americano em 11 de setembro do ano passado. Também em 11 de setembro, mas de 2001, aconteceram os ataques contra o World Trade Center e o Pentágono.

Mera coincidência, claro. Aliás, as coincidências em torno dessa data de 11 de setembro (o famoso 9/11) chegam a ser abusivas, de tão fartas, segundo demonstraram pesquisadores do assunto. Você pode verificar isso na Internet, usando um site de busca. Frequentam até o que se denominou “o livro secreto de Nostradamus”, obra de gravuras atribuída ao grande vidente francês.

Depois do 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos já não sãos os mesmos.

As alegações ou necessidades de segurança têm levado a sociedade americana a abrir mão de direitos que tinha como intocáveis. E existe agora o Patriot Act, que entre muitas coisas permite ao presidente decretar a lei marcial sem autorização do Congresso. A liberdade nos EUA já não é a mesma de antes no dia a dia, pequenos embaraços se multiplicam, e as ameaças em potencial à liberdade são gigantescas.

Coisas estranhas acontecem, a exemplo da construção de 800 “centros” ou abrigos, que em tudo podem ser chamados de “campos de concentração”, com capacidade para 50 mil pessoas cada um, junto aos quais se empilham milhares de caixões de defunto, de material plástico e com capacidade para três corpos adultos cada um.
Os atentados na maratona de Boston (cidade que chegou a ser paralisada pelas autoridades para a espetacular caçada policial) levaram aos americanos um reforço ao choque de 2001. E talvez também um reforço à disposição deles de continuar renunciando, em fatias, à sua liberdade.

Be Sociable, Share!

Comentários

Aurora on 20 Abril, 2013 at 17:00 #

E assim vamos ficando cada vez mais neuróticos e xenófobos.


inacio gomes on 20 Abril, 2013 at 23:03 #

Uma coincidência com o caso Kenedy é que me preocupa. Lee Oswald após atirar no Presidente matou um policial o que deu inicio á perseguição que terminou com sua morte numa delegacia. Agora os irmãos após o atentado vão assaltar um estabelecimento comercial. Por que?


Ivan de Carvalho on 21 Abril, 2013 at 1:29 #

Ora, Inácio,
Há muitas coincidências e também muitas teorias de conspiração, algumas delas bem atraentes. Eu, particularmente, estou quase certo que alguma delas é verdadeira. Um abraço, do admirador Ivan.


Ivan de Carvalho on 21 Abril, 2013 at 1:35 #

Sim, Aurora, muitos, sim.
E, com certeza, todos menos livres.
Abraço


vitor on 21 Abril, 2013 at 11:56 #

Ivan/Inácio

Lembrei do belissimo filme Teoria da Conspiração, que recomendo aos dois (se ainda não viram) e a todo mundo que gosta de bom cinema.

Tem uma cena primorosa de Mel Gibson, na pele do motorista de taxi de Nova Iorque fixado em teorias conspiratórias, até se ver de repente metido em uma daquelas!!!

Em uma de suas reflexões, o taxista diz:

“A melhor teoria conspiratória é aquela que não se pode provar”.

Grande abraço para os dois, do admirador de ambos.

Vitor Hugo (e de Aurora também, para quem mando um beijaço de afeto e amizade).


regina on 21 Abril, 2013 at 16:15 #

Update: Não houve nenhum assalto ao estabelecimento comercial, isso já foi esclarecido pelos encarregados do local. Houve sim “carjacking” do Mercedes e os irmãos se declararam, ao dono desse automóvel, repousáveis pelo atentado. Os pais, parentes e amigos é que não conheciam “os meninos”, ou não querem ver…
Resta saber quem financiou tudo e quem vai pagar pelos crimes…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos