abr
18
Postado em 18-04-2013
Arquivado em (Artigos) por vitor em 18-04-2013 14:33


NELSON BARROS NETO

de Salvador

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou ontem uma série de sindicâncias para apurar irregularidades no Tribunal de Justiça da Bahia.

Há suspeita de nepotismo cruzado, pagamento indevido de precatórios e de funcionários que viveriam em outros Estados.

Corregedor do CNJ diz que fará “limpeza” no Tribunal de Justiça
Corregedor Nacional de Justiça define cronograma de correições até outubro

As sindicâncias são resultado de inspeção realizada pelo CNJ na semana passada.

Na ocasião, o corregedor nacional de Justiça, Francisco Falcão, prometeu uma “limpeza” na corte. “A notícia que corre o Brasil inteiro é que é o pior tribunal do Brasil. Precisamos esclarecer se isso é verdade”, disse.

O CNJ identificou uma servidora, com salário de cerca de R$ 9.000, que “residiria em São Paulo e não cumpriria o expediente no órgão”.

Lotada no gabinete do desembargador Clésio Rosa, a servidora é filha da desembargadora Daisy Coelho. Esta, por sua vez, abriga uma servidora com salário de cerca de R$ 15 mil que é irmã do desembargador Rosa.

A prática traz indício de nepotismo cruzado –quando uma autoridade emprega parentes de um colega em troca de tratamento recíproco.

Segundo o CNJ, a irmã do desembargador não foi encontrada no local de trabalho no dia da inspeção Ða justificativa era que estava com conjuntivite. Questionado pelos inspetores, o chefe do gabinete disse não ter o celular da servidora. O relatório do CNJ questiona a assiduidade dos assessores dos gabinetes.

O conselho também apontou que o setor de precatórios (dívidas do poder público reconhecidas pela Justiça) do tribunal “está sem controle”.

Os pagamentos indevidos, oriundos do governo do Estado e da Prefeitura de Salvador, somariam R$ 448 milhões. Enquanto isso, segundo o CNJ, há ªdoentes graves e idososº à espera.

A inspeção apontou ainda que cerca de mil magistrados e servidores (14% do total de funcionários) não têm apresentado declarações anuais de bens e renda Ðuma exigência do conselho.

O presidente do tribunal, Mário Alberto Hirs, e sua antecessora, Telma Britto, terão de responder às sindicâncias.

OUTRO LADO

Hirs e Britto informaram que não comentariam os resultados da inspeção porque não foram notificados e porque o relatório ainda é inicial.

A desembargadora Daisy Coelho está em licença-prêmio de 60 dias, até maio, e não foi localizada ontem.

O desembargador Clésio Rosa negou a prática de nepotismo Ðafirmou que as servidoras foram nomeadas em anos diferentes.

Ele negou que a filha da colega more em São Paulo, mas disse que cobra resultados independentemente do local do expediente. Afirmou que a produtividade dos servidores é “baixíssima” quando se trabalha no tribunal.

“No caso dela, eu faço meu voto todo escrito e ela digita e faz as pesquisas”, disse.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos