abr
01

DEU NA FOLHA

NELSON BARROS NETO

DE SALVADOR

O estádio que receberá os jogos da Copa do Mundo e das Confederações em Salvador irá se chamar Itaipava Arena Fonte Nova. A confirmação ocorreu na manhã desta segunda-feira (1º), seis dias antes da partida de abertura. Há duas semanas, a Folha antecipou a informação.

Até hoje, o governo da Bahia e as empresas envolvidas negavam o acordo.

O contrato pelos direitos do nome da Fonte Nova custará R$ 10 milhões por ano até 2023 –totalizando R$ 100 milhões– ao Grupo Petrópolis, do Rio de Janeiro, que controla a Itaipava e outras cinco marcas de cerveja, duas de energético e outras duas de vodca.

A ideia é fortalecer a marca Itaipava no Estado. A companhia está instalando uma fábrica em Alagoinhas (a 108 km de Salvador), onde já existe uma unidade da rival Schincariol. Um acordo semelhante para batizar a Arena Pernambuco também está sendo costurado pela Itaipava.

Porém, nos períodos de competição da Fifa neste e no próximo ano, o nome não poderá ser usado porque a entidade que gere o futebol mundial é patrocinada pela americana Budweiser e não permite a publicidade de empresas concorrentes durante os seus eventos.

A partida inaugural do estádio, no próximo domingo (7), será feita com um jogo entre Bahia e Vitória em que todos os cerca de 41 mil ingressos foram vendidos em menos de três horas, na última sexta-feira (29), quando houve tumulto e seis pessoas feridas na confusão.

A arena era um espaço público e se tornou uma PPP (parceria público-privada) em 2009, quando o consórcio formado por OAS e Odebrecht venceu a licitação do estádio. O presidente do consórcio, Frank Alcântara, afirma que não vê problema em ter a arena associada a uma marca, “seja ela qual for”.

“Porém não vamos descaracterizar o nome Fonte Nova, pois é uma marca forte e deve ser preservada como patrimônio público”, afirma. O Estatuto do Torcedor veta a venda de bebida alcoólica nas praças esportivas do país.

No domingo (7), portanto, haverá venda de cerveja Itaipava sem álcool nas cantinas do estádio. Além disso, como a Ambev já patrocina a seleção brasileira, o futebol da Rede Globo e ações de marketing em clubes como Bahia e Vitória, as marcas acabarão se misturando no estádio.

A Lei Geral da Copa, sancionada em junho de 2012 pela presidente Dilma Rousseff, liberou a comercialização de cerveja no Mundial e na Copa das Confederações.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos