mar
26

DEU NA FOLHA.COM/PODER


TAI NALON
DE BRASÍLIA

Após enfrentar as pressões do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para que deixasse o cargo, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, deputado Marco Feliciano (PSC-SP), disse nesta terça-feira que a reunião do colegiado marcada para esta quarta está mantida e que tomará “algumas cautelas” para que não seja inviabilizada.

Sem conseguir presidir nenhuma sessão da comissão sem protestos desde que assumiu, no início do mês, Feliciano afirmou que houve “sabotamento” na semana passada. Na ocasião, permaneceu menos de dez minutos à frente do colegiado, retirando-se em seguida para a realização de uma audiência pública. Sem controle, a reunião acabou suspensa.

“A agenda [amanhã] é normal. Vamos tomar algumas cautelas que da outra vez não tivemos. Houve um sabotamento da sessão anterior”, disse.

O deputado disse ainda que irá nesta quarta-feira (27) pela manhã à Embaixada da Indonésia. O objetivo é interceder por dois brasileiros que estão no corredor da morte.

“Vou enviar uma carta de clemência em nome do Congresso para que esses brasileiros tenham sua pena pelo menos um pouco mais flexibilizada. Prisão perpétua, não sei. Menos a pena de morte”, disse.

“Vou pedir ao ministro Antônio Patriota, ao Itamaraty, se for preciso até mesmo à própria presidenta para que interfira. São dois brasileiros e nosso país é um país democrático. O direito à vida é um direito que tem de ser preservado”, completou.

Feliciano não quis comentar sobre as pressões vindas da presidência da Câmara. Ainda nesta terça-feira, líderes dos partidos irão se reunir para discutir a decisão do PSC, tomada mais cedo, de manter o pastor à frente da Comissão de Direitos Humanos.

O PSC prometera na semana passada dar uma solução ao impasse no colegiado. Eleito no início do mês para o cargo, Feliciano ainda não conseguiu presidir as sessões do colegiado sem protestos. O prazo dado por Alves vencia hoje, mas, segundo a Folha apurou, o PSC não havia encontrado solução.

ULTIMATO

Na semana passada, Alves deu um ultimato ao partido para que convencesse Feliciano a renunciar ao comando da comissão.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos