Porto da Barra:pedaço baiano do céu, impróprio
para banho de mar
==================================================

DEU NO TERRA MAGAZINE ESTA SEXTA-FEIRA, 15, COM CARA DE 13:

PAQUITO ( músico, compositor e intérprete da Bahia)

Na Bahia, tudo é anunciado com trombetas, menos o Apocalipse. Este vem discreto, ardiloso, como quem não quer nada.

O meu Apocalipse chegou, não bastasse Salvador estar se tornando uma metrópole moderna, com assaltos a condomínios; nada a ver com o que se esperaria da primeira capital, em um país que se jacta de ter melhorado as condições sociais da população pobre.

O anjo anunciador me veio na forma de um sujeito de quem não sei o nome, mas vejo de vez em quando flanando nas ruas, sempre simpático, e um tanto reservado.

Me deparei com ele, segunda pela manhã, após nadar na praia do Porto da Barra, que frequento há mais de 20 anos, quase todos os dias. Desta vez, nos cumprimentamos e até apertamos as mãos, quando ele comentou:

– O Porto da Barra agora é praia imprópria para o banho, saiu no jornal de ontem! Nunca vi isso na Bahia. Outras praias, sim, nunca o Porto!

Ressalte-se que eu tinha acabado de me banhar, feliz da vida, mas com a pulga atrás da orelha, vendo espuminhas diferentes na água, sem me dar conta do que eram exatamente.

Incrédulo, apesar das sensações descritas anteriormente, perguntei:

– Saiu em que jornal? Mas é o Porto mesmo?

Ele não soube especificar, mas confirmou a notícia e nos despedimos, lamentando o ocorrido.

Sempre que vem um amigo à Bahia, faço questão de levá-lo para conhecer a praia do Porto, pequeno e discreto oásis perto do centro da cidade, de onde se vê o pôr do sol, e se pode nadar – é uma enseada – pois o fundo já se anuncia quando a gente põe os pés na água, ao contrário da maioria das praias.

O Porto já foi assunto de muitos textos meus aqui no Terra Magazine, pois é parte integrante do meu dia a dia, e da minha vida, sendo meu lugar preferido em Salvador.

É a praia citada por Caetano e Moacir Albuquerque nos versos da canção Qual é, baiana?:

Domingo no Porto da Barra/ todo mundo agarra/ mas não pode amar

A Praia do Porto já foi considerada, pelo jornal inglês The Guardian, a terceira melhor praia do mundo.

Também foi onde nosso primeiro governador geral, Tomé de Souza, aportou quando veio à Bahia pela primeira vez, esperado por Diogo Álvares, o Caramuru.

Na época, havia só umas casas, que constituíam a Vila do Pereira, sem sombra de Jet-skis.

Mas nada disso é novidade.

A novidade, como disse meu anunciador de Apocalipse, é que ela está imprópria para o banho.

A classificação de que praias são próprias ou impróprias é dada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (INEMA), mas a sigla também dá nome à praia baiana, de propriedade da marinha, frequentada por Fernando Henrique e Lula, enquanto presidentes, e pela atual presidenta, Dilma

Coincidência ou não, em Tupi, Inema parece significar “água parada”.

As praias são consideradas próprias quando têm, no máximo, em 80% das amostras colhidas, 1.000 coliformes fecais ou 800 Escherichia coli, ou ainda 100 enterococos por 100 mL de água. São nomes assustadores de coisas que, na verdade, estão bem próximas de nós, dividindo o espaço das águas, e não fazem necessariamente mal, mas, em número maior, indicam a possibilidade de contaminação por doenças. Acima dos números listados, a praia já é considerada imprópria.

Liguei pro INEMA e fui bem atendido por Cláudia Lima, especialista em meio-ambiente, que me deixou um pouco mais tranquilo: na última amostragem, o número de coliformes fecais já havia diminuído, mas será preciso esperar as pesquisas seguintes pra checar se o padrão se mantém.

Segundo Cláudia, não há esgotos que desaguem na praia do Porto da Barra, daí a mesma estar, com frequência, nas pesquisas, na condição de própria.

Provavelmente, no entanto, após o carnaval, como a sujeira é muita naquela área da cidade, próxima ao circuito Barra-Ondina, há que se fazer a limpeza de escadarias e das ruas.

Limpeza feita, a sujeira vai pros bueiros, que acabam invadindo as águas do Porto, onde pititingas em cardume enchem nossos olhos, quando se nada com dia claro, o que não é aconselhável fazer nesses dias, principalmente crianças e idosos.

Pra quem, como eu e muitos outros, se dá ao luxo de ir diariamente à piscina de água salgada e densa, que é a Praia do Porto, parece um ensaio do fim dos tempos..

Não ligo pra eleição do novo papa ou se o Brasil vai ser campeão de futebol em 2014, só queria nosso Porto limpo.

Mais uma vez, a cidade precisando ser repensada.

Be Sociable, Share!

Comentários

vangelis on 15 Março, 2013 at 20:41 #

A Bahia vai mal, aí esta mais uma: O mosquito que morde(o nosso bolso)…

http://www.geraldojose.com.br/index.php?sessao=noticia&cod_noticia=36798


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos