Lado a Lado:ótimo elenco em bela novela de época

==========================================

Mauricio Stycer
Folha de S. Paulo

O final de “Lado a Lado”, dentro de duas semanas, é um bom pretexto para lembrar os critérios que orientam -e limitam- a avaliação da qualidade da ficção exibida na TV. Novela boa é novela que conquista o público -eis o axioma inquestionável que faz o mundo da televisão girar.

A trama das 18h está chegando ao fim sem conseguir alcançar a meta de audiência estabelecida pela Globo. Com média em torno de 18 pontos no Ibope (cada ponto equivale a 62 mil domicílios na Grande SP), o seu resultado é muito inferior ao das últimas sete produções do horário, que tiveram médias entre 21 e 25 pontos.

“Fracasso” inquestionável por esse ponto de vista, “Lado a Lado” foi, na minha opinião, uma das melhores produções de época exibidas pela Globo em muito tempo. A trama, de autoria de Claudia Lage e João Ximenes Braga, teve como cenário a capital da República, o Rio, entre 1904 e 1910.

Diversos episódios históricos marcantes foram recriados, a começar pela famosa reforma urbana, o bota-abaixo, que deu nova aparência ao centro da cidade e teve como consequência a expulsão dos moradores de cortiços para incipientes favelas.

Filho de escravos e capoeirista, o personagem Zé Maria (Lázaro Ramos) foi uma espécie de “Zelig” de “Lado a Lado”. Participou do esforço de esclarecimento junto aos protagonistas da Revolta da Vacina (1904), lutou ao lado do marinheiro João Cândido na Revolta da Chibata (1910) e ajudou a descriminalizar a capoeira.

Zé Maria também foi testemunha do episódio em que um negro, seu amigo, aceitou passar pó-de-arroz para jogar futebol num clube da elite carioca. Ajudou a livrar da cadeia uma mulher, negra, presa por praticar o candomblé. E viu de perto a luta de outra mulher negra, Isabel (Camila Pitanga), para ser aceita como artista e mãe solteira.

Em nome do melodrama, “Lado a Lado” explorou, não sem se repetir, o tema dos limites impostos às mulheres no início do século 20. Laura (Marjorie Estiano) enfrentou o tabu do divórcio e a má fama de morar fora de casa e trabalhar. Além de Isabel, outras três (!) personagens tiveram filhos fora do casamento.

Em diferentes momentos, os autores comprometeram o ritmo da ação para explicar o pano de fundo histórico. Houve excesso de didatismo e exagero na “pregação” libertária dos personagens. Muita gente reclamou da suavidade da novela, da sua ação às vezes a conta-gotas, sem a velocidade que se espera de uma trama hoje.

Na visão de um dos autores, a novela sofreu por conta de “inimigos externos”. Mudanças de horário por causa da propaganda eleitoral e, depois, do horário de verão, podem ter afastado o público.

A onda de violência em São Paulo no final do ano elevou a audiência de programas policiais exibidos no mesmo horário. “Já vi até gente dizendo que o problema é que a novela é boa demais”, disse João Ximenes Braga.
“Lado a Lado” foi um “fracasso”? Talvez. Mas acho preocupante que se atribua o mau resultado às qualidades da novela. O ibope frustrante de um produto com qualidade acima da média, infelizmente, sempre reforça a posição daqueles que defendem o nivelamento por baixo.

Be Sociable, Share!

Comentários

Edva Barretto on 24 Fevereiro, 2013 at 13:19 #

Horário das novelas, politica da globo?!Meu filho, 17 anos, disse: Mãe só assista Lado a lado, ela é muito boa! Além de mostrar a História do Brasil e músicas de qualidade vemos a Capoeira!


lidiane on 26 Fevereiro, 2013 at 11:58 #

De todas as novelas da globo que estão passando para mim esta é a melhor , adoro novela que conta sobre os nossos antepassados pois o que passa hoje , já vivemos e estamos sempre vendo nas reportagens , apessar de muitos assuntos importantes citados na novela das 9:00 eu ainda prefiro lado a lado , e que tambem tem muitos assuntos importantes citados e que graças aos nossos antepassados hoje não vivemos mais daquela forma, acho um absurdo dizer que está novela é um fracasso , adoro ela e tem muita qualidade bjs…


wilma on 25 Fevereiro, 2014 at 19:10 #

as novelas de época sempre levam conhecimento aos telespectadores, em lado a lado. vimos o preconceito racial ja em 2890 vqdo o time de futebol existente obrigava o negro e pintar-se de branco, a exemplo do FLUMINENSE.


ana paula mestre on 1 Maio, 2014 at 12:49 #

Muito obrigada aos autores desta tão linda e educativa novela,sou fã desta trama de época muito bem realizada e a escolha dos atores foi maravilhosa,todos foram fenumenais.Tenho passado um serão maravilhoso a vê-la na globo portugal,aprendi bastante sobre a historia do brasil,e muitos assuntos importantes foram citados,viu-se o bem prevalecer ao mal e o maus serem corrigidos,esta novela no meu lar é um exito,porque dou primazia ao que é bom e bem feito,lamento que para ter exito uma novela ou filme precise ter violencia,sexo,adultério e imoralidade diversa.Se a novela Lado a Lado no brasil foi um fracasso é porque os valores deste mundo estão trocados.Eu digo muito e muito obrigado de novo aos autores dela e aos atores que fizeram dela uma obra prima,bemhajam……..


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2013
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728