DEU NO CORREIO

Da Redação

Entrou água na festa de lançamento da Fonte Nova. Em coletiva dos representantes do consórcio, do governo do Estado e da Federação Bahiana de Futebol, realizada na tarde desta quinta-feira, o presidente da Arena Fonte Nova, Frank Alcântara, revelou que devido à mudança da data de realização do evento – que agora se realizará no domingo, dia 07 de abril, no mesmo dia do BA-VI -, as apresentações de Ivete Sangalo, Saulo Fernandes e Carlinhos Brown não estão mais confirmadas, visto que vai de encontro às suas agendas de shows.

Em clima de mistério, Frank anunciou que a organização do evento pretende testar a multifuncionalidade do espaço e que a cerimônia de abertura pode acontecer no próprio gramado, podendo não haver palco montado.

Não se sabe ainda quais serão as atrações substitutas e nem a data em que as novas ou as mesmas atrações serão confirmadas. “Algumas atrações serão surpresa”, disse o presidente da Arena. A cerimônia vai acontecer antes da partida entre Bahia e Vitória, que deve se realizar às 16h ou 17h.

==========================================


“Nem eu”, um dos maiores sucessos da inesgotável carreira de sucessos de Angela Maria em uma das maiores interpretações da grande artista da música brasileira.
Vai, neste 28 de fevereiro de 2013, em tributo de saudade a meu pai, Alaôr Soares, que partiu há 22 anos em uma véspera de carnaval (a festa que ele mais amava). Com ele, o editor deste BP aprendeu, entre tantas coisas, a amar a música e a admirar Angela Maria, desde menino.

Lembro dele chegando em Glória, no Vale do Rio Sâo Francisco, vindo da capital com o disco de Ângela Maria na bagagem cheia de presentes. “Nem eu” era repetida na “radiola de agulha” , na sala de jantar, quase sem parar, ou até dona Jandira, minha mãe dizer: “Já chega, Alaôr. Já chega!!!”.

Era a sua cantora preferida entre tantas que ele também admirava e cantava no banheiro à toda voz, para deleite da família e da vizinhança. Os cantores preferidos eram dois, Orlando Silva e Jamelão, entre inúmeros dos quais ele também gostava e cantava na hora do banho.

Este blog, que ele nunca chegou a ver nem ouvir, tem um pouco ( ou muito?) do jeito e da cara dele.

Para Alaôr, na voz de Ângela, a homenagem de saudade nesta tarde do último dia de fevereiro de 2013.

(Vitor Hugo Soares)

fev
28


O helicóptero que transporta o Papa Bento XVI já chegou a Castel Gandolfo.

===========================================

O papa Bento XVI prometeu hoje «obediência incondicional» ao sucessor, numa cerimónia de adeus aos cardeais na sala Clementina, no Vaticano.

«Entre vós encontra-se o próximo papa, ao qual prometo deferência e obediência incondicionais», declarou, numa breve intervenção algumas horas antes da resignação histórica, acrescentando que estaria próximo dos cardeais «em oração» durante o próximo conclave.

Joseph Ratzinger voltou a mencionar os «momentos muito felizes e de momentos em que houve algumas nuvens no céu», durante os oito anos de pontificado, numa alusão a vários escândalos.

Bento XVI manifestou esperança de que os cardeais sejam «uma orquestra”, cujas «diversidades concorram para a harmonia» da realidade mais elevada da Igreja, agradecendo «a proximidade», «os conselhos» e a «grande ajuda» que lhe prestaram.

«Demos esperança, proveniente de Cristo» ao mundo, durante estes oito anos, acrescentou, perante a plateia de cardeais, entre os quais se contavam os três portugueses: José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor da Santa Sé, e José Policarpo, cardeal-patriarca de Lisboa.

=================================================


DEU NA TRIBUNA DA IMPRENSA (ONLINE)

Lourenço Melo (Agência Brasil)

Um trabalho de comunicação mais eficiente no Poder Judiciário servirá para torná-lo “um poder diferente, sem medo da imprensa, trabalhando com transparência e contribuindo para o estabelecimento da cidadania”, segundo defendeu a vice-presidenta do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Eliana Calmon.

“Por que temer a imprensa?”

A ministra fez palestra para jornalistas de assessorias de comunicação social de tribunais de todo o país, reunidos em Brasília para o Encontro Nacional de Comunicação do Poder Judiciário.

A ministra disse que o trabalho de comunicação social no Judiciário “não deve se destinar a promover o Poder e os magistrados, mas contribuir para a garantia dos direitos humanos e das políticas públicas, além de proteger os cidadãos dos interesses políticos e econômicos”.

REDES SOCIAIS

Eliana Calmon defendeu também o uso de redes sociais, como Twitter e Facebook, para a difusão e o compartilhamento das informações sobre o Judiciário, ressaltando que esses canais “dão ao público a oportunidade de emitir suas opiniões”.

Para o consultor de comunicação e marketing digital Nino Carvalho, que proferiu palestra no encontro, as redes sociais são uma oportunidade para as marcas públicas “saírem da frieza e mostrarem seu modo real”. Esses canais podem disseminar de forma mais rápida e mais leve a comunicação dos entes públicos, segundo destacou.

Carvalho citou pesquisa feita nos Estados Unidos segundo a qual 95% da comunicação sobre o cidadão americano provêm do setor privado e não do governo. “Daí a importância de o Judiciário brasileiro mudar, da sua parte, a mentalidade em torno da comunicação, para se aproximar mais do público”, avalia.

Para a jornalista Andrea Mesquita, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a presença do Judiciário no Facebook e no Twitter ajuda a melhorar o quadro de “carência de informações vivida pelo público, que também não as recebe de forma qualificada”. De acordo com ela, as redes sociais representam “um convívio mais atrativo com a comunicação”.

Sua colega no CNJ, Raiana Quintas, diz que a comunicação tem o desafio de levar informações a pessoas que têm dificuldade até para interpretar um texto.

fev
28
Posted on 28-02-2013
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-02-2013


Zé Raimuno na campanha em Aporá
===========================================

DEU NO PORTAL A TARDE

O prefeito do município baiano de Aporá, José Raimundo de Santana, conhecido como Zé Raimundo (PT), foi encontrado morto nesta quinta-feira, 28. De acordo com o delegado da cidade, Antônio Florentino, o corpo do prefeito foi encontrado por familiares enforcado na área de serviço da sua casa.

A polícia trabalha com a suspeita de suícidio. “Não há indício de homicídio, já que a casa não foi arrombada”, explica o delegado. Peritos da Polícia Técnica foram para o local.

Segundo o delegado, o prefeito, que estava em seu primeiro mandato, sofria muita pressão popular. Ele tentava ser eleito há oito anos.

Com a morte do prefeito, a cidade será administrada pelo vice-prefeito João Ferreira da Silva Neto, conhecido como Neto.

fev
28
Posted on 28-02-2013
Filed Under (Artigos) by vitor on 28-02-2013


===========================================
Sid, hoje, no portal Metro1

=========================================
DO YOU TUBE:
“Douce France” “Accordeon” “Mon homme”

JULIETTE GRECO…UNA VOZ LLENA DE MATICES Y DE UNA FUERTE SENSUALIDAD, CANTA TRES SUGESTIVAS CHANSONS.

Três lindas canções francesas, mas vale escutar com especial atenção a extraordinária interpretação de Juliette na famosa composição de Charles Trenet, Douce Frace. Confira.

(Vitor Hugo Soares)

==============================================

OPINIÃO POLÍTICA

Custo parlamentar

Ivan de Carvalho

O congressista brasileiro é o segundo mais caro em um total de 110 países, superado apenas pelo congressista norte-americano, conforme um estudo realizado pela Organização das Nações Unidas em parceria com a União Interparlamentar.

São no Brasil 513 deputados federais e 81 senadores, totalizando 594 congressistas. Os custos totais das duas casas do Congresso Nacional foram somados e em seguida esta soma foi dividida pelo número de congressistas brasileiros – 594, como já assinalado.

Assim, verifica-se que cada congressista custa ao contribuinte 7,4 milhões de dólares por ano, valor ajustado pela paridade do poder de compra, um sistema adotado pelo Banco Mundial para verificar o real valor de cada moeda.

Nos Estados Unidos, o Senado e a Câmara de Representantes tem um custo que, dividido pela soma do número de seus integrantes, resulta em 9,6 milhões de dólares por cada congressista.

Claro que não se trata aí de um custo pessoal, específico de cada congressista, seja americano, seja brasileiro. É o custo do parlamento dividido pelo número de parlamentares, mas nesse custo estão incluídas despesas administrativas, pagamento de funcionários de carreira, contratados ou em cargos comissionados e de confiança, serviços de vários tipos, inclusive médicos, viagens funcionais e outros itens. No Brasil, por exemplo, as despesas diretas de cada congressista (subsídios, ajudas de custo, verbas de gabinete e alguns outros itens representam aproximadamente 20 por cento do total da despesa do Congresso.

De qualquer sorte, para um país que tem uma imensa parcela de sua população na miséria ou muito pobre e cujos contribuintes suportam uma das mais severas cargas tributárias do mundo, saber que cada congressista custa mais que seus congêneres em quaisquer outros países, salvo o país que tem a mais poderosa economia do planeta não é uma informação agradável.

Mas, nesta seara, acaba de surgir, afinal, uma notícia boa. Quando estava exercendo o mandato de senadora, Gleisi Hoffmann, do PT, atualmente ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República, apresentou proposta que limita o pagamento do 14º e 15º salários aos parlamentares. Trata-se, na verdade, de ajuda de custo criada em 1948 e sobrevive até hoje. No início de cada ano legislativo, em fevereiro e no final do ano, quando o parlamento entra em recesso, os parlamentares recebem, a título de “ajuda de custo”, um valor igual ao de seus subsídios mensais.

Isso vai acabar. Mas não totalmente. A proposta, que já havia sido aprovada no Senado Federal e foi aprovada ontem na Câmara dos Deputados estabelece que a ajuda de custo será paga apenas em duas ocasiões – no início do mandato e no final. Para os deputados, portanto, no mês de fevereiro do primeiro ano da Legislatura e no final da mesma Legislatura. Portanto, o equivalente a dois meses de subsídios, não por ano, mas por mandato de quatro anos. Assim, as coisas ficam mais com jeito de ajuda de custo e menos de salários extras.

Os senadores não tiveram a mesma sorte. Como o mandato deles é de oito anos, ao invés de dois subsídios extras (a título de ajuda de custo) de quatro em quatro anos, eles receberão os dois subsídios extras em oito anos – no início e no final de seus mandatos.

Detalhe importante: nessa Federação brasileira de mentira ou faz de conta, o sistema de remuneração dos congressistas é adotado por Estados e municípios, guardando uma proporcionalidade (um deputado estadual ganha dois terços do que ganha o deputado federal e um vereador pode ganhar, no máximo – depende do município – até dois terços dos subsídios de um deputado estadual. E isso é bom para deputados estaduais e vereadores. Mas, se os congressistas têm severamente limitadas as ajudas de custo, o mesmo vai acontecer nas Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais.


Zezeu (de vermelho): pelo semiarido e Gabrielli

=========================================

GRAZZI BRITO

Direto de Juazeiro

O deputado federal Zezéu Ribeiro (PT) participou do lançamento da Frente Parlamentar pela Convivência com o Semiárido, que aconteceu este fim de semana durante o 5º Festival do Umbu em Uauá, Bahia. O deputado defendeu que a Frente deve trabalhar no sentido de mudar o estereótipo de que no semiárido só existe pobreza e seca. “A gente não pode imaginar o semiárido da caveira do boi morto e do nordestino retirante, mas sim do potencial que temos em relação ao semiárido”.

Reforçando a ideia do forte potencial social e econômico da região, Zezéu lembrou a criação de novas economias para o semiárido. “A irrigação é uma economia pungente e de grande expectativa, com muitos recursos aplicados. Além dela temos duas novas economias florescendo no semiárido de forma decisiva, que é a energia eólica e a mineração”.

A realidade de 10 milhões de brasileiros que convivem com o semiárido é realmente complicada, reconhecendo essa dificuldade surge essa Frente Parlamentar. “Temos uma realidade para trabalhar, nós temos que superar os obstáculos e possibilitar que essas novas economias aconteçam. Aqui não é terra de coitadinhos, essa festa do umbu é demonstração disso, o umbu é uma espécie nativa da caatinga que hoje alcança um patamar em escala de produção e uma cadeia produtiva com grande diversidade. Hoje temos metade da população mais pobre do Brasil vivendo no semiárido, então temos que ter alternativas para uma mudança e a Frente é instrumento desse processo”.

A necessidade de apoio parlamentar para a convivência com a adversidade da seca na região é explícita, exemplo disso é a dificuldade encontrada pelas prefeituras ao solicitar a limpeza de suas aguadas. As barragens e açudes estão sujos e entupidos, com recursos próprios o poder municipal não tem condição de realizar o serviço e nem tem tido o apoio por parte do poder público federal ou estadual. “Esse deveria ser um trabalho prévio, porque se não fizemos a limpeza dos barreiros no momento da estiagem, quando a chuva chegar a gente vai produzir lama e não vai acumular água. É necessária uma atuação prévia nesse sentido e temos alertado a Codevasf nesse sentido”, disse o deputado.

PT em 2014

Questionado sobre o nome de um sucessor petista para o governo do estado, Zezéu disse acreditar que é cedo para isso, mas deixou transparecer preferência por um companheiro. “Acho cedo pra definição de quem vai ser o candidato. Gabrielli (secretário de Planejamento e ex-presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli) é um nome importante, acho que é um companheiro que deveria assumir essa responsabilidade”.

Na ocasião, o deputado federal comemorou os 10 anos de administração do PT no governo federal. “Esse é um desafio enorme. É a mais longeva das experiências partidárias dentro da democracia no Brasil, vamos completar os 12 anos e não tenho dúvida que o partido ainda vai ser reconduzido em 2014”, finalizou.

Grazzi Brito é jornalista, mora em Juazeiro, na margem baiana do Rio São Francisco

fev
27


DEU NO IG

A mineradora Vale anunciou nesta quarta-feira (27) um lucro líquido de R$ 9,7 bilhões em 2012, valor 74% menor que os R$ 37,8 bilhões registrados em 2011, ano em que a companhia atingiu o melhor desempenho financeiro desde sua fundação em 1942. Segundo a consultoria Economática, o resultado do ano passado é o menor desde o ano de 2004 quando a empresa teve lucro de R$ 6,46 bilhões

No quarto trimestre de 2012, a empresa teve um prejuízo de R$ 5,6280 bilhões, ante lucro de R$ 8,354 bilhões no mesmo intervalo de 2011. Trata-se do primeiro resultado negativo da mineradora desde o terceiro trimestre de 2002 e= o maior já registrado pela empresa na sua história.

Segundo a companhia, a crise internacional impactou diretamente o resultado por conta da “queda eneralizada dos preços de minérios e metais, com exceção do ouro, um metal precioso cujas cotações são influenciadas por outros fatores. Os preços do minério de ferro se tornaram muito mais voláteis, demonstrando grande volatilidade de baixa
especialmente no terceiro trimestre do ano”.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do quarto trimestre somou US$ 4,394 bilhões, retração de 40,59% em relação ao mesmo intervalo de 2011. Em 2012, o Ebitda da Vale totalizou US$ 19,135 bilhões, queda de 43,32% na comparação com o ano anterior.

A receita operacional entre outubro e dezembro do ano passado totalizou US$ 12,002 bilhões, queda de 18,66% ante o mesmo período de 2011. No ano, a receita encolheu 23,08% em relação a 2011 e atingiu US$ 46,454 bilhões em 2012.

A esperada retração da receita em 2012, com reflexo no Ebitda anual, decorre da queda do preço do minério de ferro. Em setembro de 2012, a cotação da commodity chegou a US$ 86,70, patamar mais baixo desde outubro de 2009, ainda sob efeito da crise mundial.

A queda da receita da Vale só não foi maior porque a companhia manteve patamares praticamente estáveis de produção de minério na comparação anual, com variação negativa de apenas 0,8% em relação a 2011.

Segundo a companhia, o resultado financeiro foi diretamente impactado pela crise internacional , que provocou uma “queda generalizada dos preços de minérios e metais, com exceção do ouro, um metal precioso cujas cotações são influenciadas por outros fatores. Os preços do minério de ferro se tornaram muito mais voláteis, demonstrando grande volatilidade de baixa especialmente no terceiro trimestre do ano”.

O lucro líquido básico (lucro líquido excluindo o efeito de itens não caixa não recorrentes)atingiu R$ 22,2 bilhões, contra R$ 39,2 bilhões em 2011, e o EBITDA foi de R$ 37,4 bilhões, reduzindo-se 33,5%, sendo, porém, ainda assim o terceiro maior da nossa história. A redução foi devida quase totalmente a preços menores em 2012, que tiveram
um impacto negativo de R$ 22,8 bilhões no EBITDA.

A empresa também informa um total de US$ 6,0 bilhões distribuídos para acionistas, o segundo maior da história da Vale e o maior entre as grandes mineradoras em 2012. Em janeiro, a mineradora anunciou proposta ao Conselho de Administração de pagar uma remuneração mínima ao acionista de US$ 4,0 bilhões em 2013, o que ainda se constitui em montante substancial.

* Com Agência Estado

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 23 24

  • Arquivos

  • Fevereiro 2013
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728