DEU NO JORNAL ZERO HORA, DE PORTO ALEGRE

OPINIÃO

Brutal, Revoltante

Flávio Tavares
( Escritor e jornslidta, autor de “O Dia que Getúlio Matou Allende” )

Consumada a tragédia, além do pranto e da solidariedade, resta agora o caminho mais árduo: encontrar os assassinos diretos e indiretos. Sim, pois na tragédia de Santa Maria os culpados transformam-se em assassinos, em autores de um homicídio coletivo.

Não se equivocaram ou cometeram um simples erro, enchendo os salões além da lotação máxima habitual. Sabiam que não havia saídas e nunca se interessaram em resolver o problema. Programaram a atração de um fogaréu nos salões para atrair mais gente, mesmo sabendo que fogo se propaga. Tudo foi feito como se fosse premeditado.

Armaram o cenário da morte, mesmo dizendo (ou pensando) que queriam divertir. Os fiscais municipais “deixaram por isto”, pois a burocracia só cuida dos papéis e, nos papéis, tudo se contorna com propina. “As licenças estavam em ordem”, dirá, certamente, a prefeitura ou quem de direito. E daí?

Onde estava, porém, a responsabilidade empresarial? O correto empresário não vende água como se fosse leite, à espera de que o poder público, ao fiscalizar, alerte que água não é leite… Em Santa Maria, agora, tudo se juntou — sanha de lucro fácil, desídia e irresponsabilidade dos donos da boate além da fiscalização municipal carcomida pelo desleixo ou pelo suborno.

A tragédia exige pensar a fundo e indagar sobre a sociedade de consumo e seu hedonismo, que transforma tudo em mercadoria de venda fácil. Até a vida de mais de duas centenas de jovens que buscavam relaxar e e divertir-se. Esta tragédia não é apenas dramática e brutal, é revoltante.

Be Sociable, Share!

Comentários

Olivia on 30 Janeiro, 2013 at 9:55 #

Bravo, Flávio Tavares. Indico aos amigos do Bahia em Pauta seu livro mais recente: 1961, O Golpe Derrotado. Uma beleza.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos