DEU NA FOLHA

A jovem Michele Cardoso postou em sua página no Facebook um pedido de socorro durante o incêndio que atingiu a boate Kiss neste domingo em Santa Maria (RS). Ela é um dos 233 mortos confirmados pelo governo estadual.

A mensagem “Incêndio na KISS socorro” foi postada ainda na madrugada e foi seguida por vários comentários preocupados de colegas que buscavam mais detalhes e informações do estado de Michele. Uma jovem identificada como irmã dela no Facebook também está na lista de vítimas.

Ao todo, 233 morreram e mais de cem ficaram feridas. Segundo a Defesa Civil, 92 pessoas ainda estão hospitalizadas em Santa Maria e outras 14 –em estado mais grave– foram transferidas para Porto Alegre. Outras 11 pessoas ainda devem ser transferidas para a capital gaúcha.

DO JORNAL ZERO HORA (RBS) DE DENTRO DO CENTRO DE RECONHECIMENTO DAS VITIMAS DA TRAGEDIA EM SANTA MARIA:

Amparada por familiares, a mulher com vestido azul e calça branca sai da parte menor do ginásio, tenta sentar numa cadeira de plástico e desaba, indo ao chão com estrondo.

— Médico, médico! — gritam, desesperados, os parentes da senhora, que acaba de reconhecer o filho de 20 anos como um dos mais de 240 mortos na tragédia da danceteria Kiss.

Um grupo de enfermeiras e psicólogas, com esparadrapos identificatórios no lugar de improvisados crachás, acode a mãe desesperada, que não para de gritar:

— Meu filho, meu filho! Eu quero meu filho, tragam meu filho de volta!

Mas ele não volta.

Assim como não voltarão dezenas de jovens cujos parentes têm, desde o final da manhã, a missão de identificar as vítimas do incêndio em Santa Maria, o maior desastre já ocorrido no país desde a década de 60.

Zero Hora acompanhou, de dentro do Centro Municipal de Desportos, o Farrezão, a dor de quem perdeu o familiar na flor da idade. Tia e madrinha do rapaz, uma comerciária de 48 anos mal conseguia falar.

Ela e o marido reconheceram o corpo do jovem em meio à montanha de corpos que se formou numa das alas do ginásio. Inconfundível, porque estava pilchado, “gaudério” como sempre foi. Tanto que tinha ido na boate, como sempre fazia, para curtir um grupo de fandango. Morreu pisoteado e asfixiado, como a maioria dos demais.

— Tô tão nervosa que voltei a fumar — desabafou ela, acendendo um cigarro no outro. O psicólogo liberou, acrescenta ela, num pedido inconsciente de desculpas pela recaída no vício.

O ginásio parece um formigueiro, tomado por centenas de voluntários que acorreram ao chamado de ajuda feito por meio das rádios. Além de médicos e psicólogos, compareceram assistentes sociais, enfermeiros, soldados e policiais. Muitos em chinelos de dedo e bermuda, que emergência não combina com etiqueta.

Mesmo quem quer ajudar tem de passar por uma sólida barreira formada por PMs do Batalhão de Operações Especiais de Santa Maria. Assim que ingressa, o voluntário recebe uma etiqueta para colar na roupa, com nome e profissão anotados. Aí é designado, pelo Comitê de Crise, para consolar parentes, ministrar medicamentos ou examinar os corpos.

Foi por volta do meio-dia que os familiares, em fila, começaram a entrar na Sala do Desespero, como é chamado o local onde estão os corpos. Gritos, lágrimas e desmaios se sucedem, em sequência. Um vaivém desesperado que inclui o entra e sai de agentes funerários, trazendo mais cadáveres. Todos jovens que a tragédia ceifou.


Santa Maria:angústia no ambiente da tragédia
Foto:Zero Hora
================================================
DEU NO IG

Um incêndio na boate Kiss, no centro de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, deixou pelo menos 245 mortos e centenas de feridos, na madrugada deste domingo. Segundo o Corpo de Bombeiros, o uso irregular de um sinalizador durante o show de uma banda teria provocado a tragédia. O incêndio teria começado às 2h30 da madrugada após uma faísca atingir o teto de isolamento acústico da boate. Autoridades dizem que o número de mortos pode aumentar.

Dilma e Tarso acertam envio de força-tarefa federal após incêndio no Sul
Mais: Tragédia de Santa Maria é destaque na imprensa internacional

Os bombeiros já controlaram o incêndio na casa, que está localizada na rua Andradas, número 1925, mas ainda faz o trabalho de rescaldo. Equipes no local dizem que a estrutura do prédio ficou destruída e corre risco de desabar. No local, era realizada uma festa universitária e a casa estava lotada com muitos jovens e adolescentes. Estima-se que mais de 2.000 pessoas participavam da festa.

Após tragédia: Federação Gaúcha cancela rodada do estadual

Prefeitura de Santa Maria decreta luto oficial de 30 dias

“É preciso enfatizar que só temos estimativas, ainda não podemos confirmar nada, nem dar nomes”, disse o Sargento Artur Rigue, do corpo de bombeiros. A maior parte dos feridos está sendo encaminhada ao Hospital Universitário de Santa Maria. Ainda segundo o último balanço da corpotação, outras 48 pessoas estão hospitalizada. Não há informações sobre o estado de saúde dessas vítimas.

O número de vítimas fatais pode aumentar já que corresponde apenas aos corpos que estão no ginásio municipal e não considera as pessoas que foram levadas para os hospitais da região e morreram em atendimento. Mais de cinco hospitais receberam jovens feridos.

“Estamos apurando o número final de mortos, mas já afirmamos que será um número significativo. Existe uma esforço conjunto entre a Brigada Militar e os órgãos federais autuando para agiliar o final dos trabalhos”, disse o major. “O reconhecimento dos corpos será feito por identificação visual já que muitas vítimas portavam documentos.”

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, os corpos das vítimas foram levados para o ginásio do Centro Desportivo Municipal para reconhecimento. Mídias locais citam que os corpos foram transportados em caminhões e levados ao ginásio. O Hospital Universitário de Santa Maria já divulgou uma lista parcial de mortos, clique aqui para ver a relação.

Nesta manhã, algumas famílias desesperadas procuravam seus parentes entre as vítimas. “Pedimos que não sigam para o local da boate, porque a multidão já está atrapalhando nosso trabalho”, instrui o major. “É melhor que os parentes se dirijam diretamente para os hospitais da cidade.”

A presidente Dilma Rousseff, que estava no Chile, cancelou os compromissos no país e antecipou o retorno ao Brasil . Dilma deve ir a Santa Maria, segundo a assessoria da Presidência. Em entrevista, Dilma disse que a cidade possui uma boa estrutura e que ministros estavam a caminho para prestar apoio. “Neste momento de tristeza estamos juntos e iremos superar mantendo a tristeza”, afirmou, emocionada.

*com BBC, Reuters e AE

  • Arquivos