Isabel dos Santos:fortuna e interesses enpresariais
“muito opacos”, segundo analistas

==========================================================

DEU NO “PÚBLICO”, DE PORTUGAL

A filha mais velha do Presidente de Angola, Isabel dos Santos, tornou-se a primeira bilionária africana, de acordo com a revista norte-americana Forbes.

As ações de empresas cotadas em Portugal, caso do BPI e da Zon, juntamente com ativos em Angola, “elevaram o valor líquido [da fortuna de Isabel dos Santos] acima da faixa de um bilhão de dólares, fazendo da empresária de 40 anos a primeira mulher bilionária africana”, segundo a pesquisa da Forbes.

Formada em Engenharia no King’s College de Londres, Isabel dos Santos abriu o seu primeiro negócio em 1997 – um restaurante chamado Miami Beach, em Luanda.

A Forbes avalia a participação de 28,8% na Zon em 385 milhões de dólares, os 19,5% do BPI em 465 milhões de dólares e a participação no BIC, de Angola, em 160 milhões de dólares.

Fontes consultadas pela Forbes referem que tem ainda 25% da operadora de telefones celulares Unitel, participação que isoladamente vale, “no mínimo, um bilhão de dólares”, de acordo com analistas de telecomunicações.

Peter Lewis, professor da universidade norte-americana de Johns Hopkins, afirmou à revista que o círculo presidencial e do MPLA “têm muitos interesses empresariais” e que a origem destes é “muito opaca”, havendo “completa falta de transparência” no país.ng>

Uma porta-voz da empresária escusou-se a prestar esclarecimentos sobre as alegadas participações detidas, mas considerou as afirmações de Lewis “especulativas, irrazoáveis e sem valor académico”.

Os investimentos de Isabel dos Santos, adiantou, têm sido feitos com máxima transparência, em empresas publicamente cotadas, com base na legislação europeia.

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 23 Janeiro, 2013 at 19:47 #

Também temos nossa versão. Chama-se Lulinha, o fenômeno, segundo seu pai.


luís augusto gomes on 24 Janeiro, 2013 at 22:26 #

Sem descer a nomes e exemplos no momento, os regimes emergentes de esquerda na África da década de 70 que tanto nos encantaram na juventude, deram em quê?


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos