Obama:“uma geração posta à prova pelas crises”

========================================================

DEU NO “PÚBLICO”, DE PORTUGAL

Miguel Gaspar

Barack Obama tomou posse como Presidente dos Estados Unidos com um discurso forte e programático, no qual apelou à unidade e à mobilização dos americanos para “responder à chamada da história e transportar para um futuro incerto essa luz preciosa da liberdade”.

Após ter prestado juramento pela segunda vez em dois dias, de novo perante o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, John Roberts, Obama falou à multidão de aproximadamente 800 mil pessoas que o esperava no Mall, a esplanada que se estende em frente ao Capitólio, em Washington.

O primeiro aplauso da multidão aconteceu quando o Presidente disse que “uma década de guerra” está terminando e que a economia recomeçou a crescer. “Uma década de guerra acabou, a recuperação econômica começou e as possibilidades da América são ilimitadas”, disse.

Antes, Obama tinha evocado os valores fundamentais da América: “O que nos faz excepcionais é a nossa fidelidade a uma ideia formulada há 200 anos, de que todos os homens nascem iguais e têm direitos inalienáveis como a vida, a liberdade e a busca da felicidade. Hoje continuamos uma jornada sem fim para ligar o significado dessas palavras à realidade do nosso tempo.” “Sempre entendemos que quando os tempos mudam, nós temos de mudar”, afirmou.

O Presidente evocou “uma geração posta à prova pelas crises” num discurso em que procurou apelar à mobilização dos americanos para apoiar a sua agenda política. Obama fez um discurso centrado na ação e na necessidade de ultrapassar polémicas estéreis, numa referência às divergências permanentes entre a Casa Branca e o Congresso.

“Temos que agir no nosso tempo em vez de discutir qual o papel do nosso governo no nosso tempo. Há decisões que não podem ser adiadas.”

Obama enunciou a seguir os pontos-chave da sua agenda, como as alterações climáticas – “temos que liderar esta transformação em vez de lhe resistir” – ou os direitos dos imigrantes.

Defendeu também as políticas de apoio social que têm sido contestadas pelos republicanos: “Sabemos que temos de tomar decisões difíceis para reduzir os custos dos cuidados de saúde e do tamanho do déficit. Mas rejeitamos a crença de que a América tem que escolher entre tomar conta da geração que construiu este país e investir na geração que construirá este país”.

Num discurso em que fez também uma defesa clara dos direitos dos homossexuais – “a nossa jornada não estará completa até os nossos irmãos e irmãs gays serem tratados como qualquer outro perante a lei” –, Obama evocou ainda a figura de Martin Luther King, que era também homenageado hoje: “Ouvimos um King proclamar que a nossa liberdade individual está inextricavelmente ligada à liberdade de cada alma na Terra”.

A política externa ocupou apenas uma pequena parte de um discurso centrado na agenda interna para os próximos quatro anos e no apelo aos cidadãos para apoiar o Presidente no confronto com um Congresso hostil. Obama defendeu que “a América permanecerá a âncora das alianças fortes em cada canto do globo” e defenderá a propagação da democracia, fazendo a defesa do pacifismo: “Acreditamos que a paz e a segurança duradouras não requerem a guerra perpétua”, afirmou.

1

jan
21

=====================================================

http://www.youtube.com/watch?v=AgtWswNHwIY&feature=share&list=PL5E2621CF0A449163

==============================================

Photographs and quotes of the lovely Audrey Hepburn.

The Song:
“That Face” by Fred Astaire. I do not own the rights to this song or the photographs.

===============================================

DEU NO TERRA

Custa acreditar que uma das mulheres mais adoradas pelo público durante gerações tivesse tanto azar no amor. Audrey Hepburn, heroína romântica na tela e cuja morte completa 20 anos hoje, teve uma vida cheia de carências afetivas que só foi suprida como embaixadora do Unicef.

Cinco indicações ao Oscar… e cinco abortos. Duas estatuetas… e dois casamentos fracassados. Audrey Hepburn, provavelmente o ícone do cinema clássico mais lembrado junto com Marilyn Monroe, cativou na audiência algo que ela sentiu saudades desde menina: o carinho e a adoração.

Musa da Givenchy na moda, de Stanley Donen, Billy Wilder, George Cukor e Blake Edwards no cinema… mas rejeitada por Albert Finney e Ben Gazzara na vida real. Sua beleza era mais etérea que sexy e sem a aura do glamour de filmes como “A Princesa e o Plebeu” e “Bonequinha de Luxo”, Audrey se sentia menor.

“Acho que o sexo é supervalorizado. Não tenho ‘sex appeal’ e sei disso. De fato, prefiro ter um aspecto curioso. Meus dentes são curiosos e não tenho os atributos que deveria ter uma deusa do cinema”, falava sobre si mesma.

Nos registros oficiais, dois casamentos: um com Mel Ferrer, notavelmente maior que ela e de um físico pouco felizardo, e outro com o aristocrata e neuropsiquiatra italiano Andrea Dotti. Com o primeiro substituiu o verdadeiro amor pela admiração profissional. Com o segundo, pela “dolce vita”.

Com eles teve seus dois filhos, Sean e Luca, outra de suas obsessões, pois por esterilidade tinha descartado alguns de seus amantes mais apaixonados, como William Holden e Robert Anderson.

Conheceu Ferrer em uma festa na casa de Gregory Peck e ele lhe ofereceu um papel em “Ondine”, uma peça na Broadway, e, como dizem, uma coisa levou à outra.

Em 1954 já estavam se casando na Suíça em grande estilo e Audrey tentou combinar sua emergente carreira e seu novo casamento, até o ponto de rejeitar “Gigi” para rodar “Cinderela em Paris” na capital francesa, onde Ferrer trabalhava com Jean Renoir em “Elena et les Hommes”.

Em pouco tempo, Ferrer foi tomado de ciúmes pelo sucesso de sua esposa e o divórcio chegaria em 1968, pouco após seu último êxito, “Um Clarão nas Trevas”, produzido por Ferrer.

“Não posso explicar a desilusão que senti. Sabia que era difícil estar casado com uma estrela mundial. Mel sofreu muito. Mas, acredite, eu pus minha carreira em segundo lugar”, disse a atriz na época.

Porém, um ano mais tarde, já estava se casando com Dotti, um dos solteiros mais cobiçados de sua época. Ela tinha 40 anos e ele 31, invertendo os papéis de seu casamento anterior, e foi Audrey que enlouqueceu de ciúmes ao ver os paparazzi fotografarem seu “latin lover” com outras mulheres.

Além disso, vários abortos a levaram a um estado de depressão, embora finalmente tenha conseguido dar à luz a seu segundo filho, Luca. O divórcio aconteceu apenas em 1982.

Mas, nesse meio tempo, a atriz continuou buscando o amor nos braços de seus companheiros de filmagem. “Chegou um momento em que sua vida se transformou em algo triste e patético e alcançou um grau de desespero no qual chegou a permitir que lhe tratassem mal”, declarou Donald Spoto, ao apresentar sua biografia da atriz em 2006, a respeito da relação de Audrey com Ben Gazzara.

Gazzara lembrou assim seu romance em 1970. “Ela era infeliz com seu casamento e eu também e nos consolamos, mas era impossível. Ela tinha sua vida na Europa e eu em Los Angeles. A vida ficou entre nós”, declarou o ator, que também ressaltou a insegurança de Hepburn como atriz.

Esse relacionamento seguiu o padrão de outro ocorrido poucos anos antes, quando ainda era casada com Mel Ferrer, durante seu romance extraconjugal mais famoso, com Albert Finney durante a filmagem de “Um Caminho para Dois”. Porém, o ator não pôde com tanta intensidade.

As carências afetivas tinham nascido já na infância. “Nasci com uma enorme necessidade de receber afeto e uma terrível necessidade de dá-lo”, dizia a atriz.

Abandonada por seu pai e com uma mãe incapaz de transmitir esse carinho, forjou uma insegurança que a tornou hidrofóbica e lhe fez chorar quando viu que não tinham respeitado sua voz nas canções de “My Fair Lady”.

A delicadeza deslumbrante de Audrey Hepburn na tela tinha um revés preocupante na vida real. E assim, marcada pela filmagem de “Uma cruz à beira do abismo”, acabou se entregando às causas humanitárias.

“No final encontrou o sentido de sua vida em seu trabalho com a Unicef. Mas foi praticamente por eliminação”, resumiu Donald Spoto.

Missões na Somália e El Salvador como Embaixadora de Boa Vontade do Unicef, mas nas condições de uma voluntária a mais, lhe garantiriam um Oscar honorífico. E assim, faleceu, sentimentalmente realizada, finalmente, no dia 20 de janeiro de 1993 aos 63 anos.

“Tive momentos muito difíceis em minha vida. Mas fossem quais fossem, os superei e sempre encontrei uma recompensa no final”, comentou a atriz.

(Com informações da Agencia EFE)

jan
21

DEU NO IG

Um helicóptero caiu em uma casa no bairro do Jaraguá, na zona norte de São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente ocorreu às 12h30 e deixou cinco pessoas feridas. Quatro ocupavam a aeronave no momento do acidente. O piloto morreu na hora e outro tripulante foi levado ao Hospital das Clínicas, na zona oeste, pelo Águia da PM.

Os bombeiros não tinham informações sobre os hospitais que receberam as outras vítimas. No momento da ocorrência, cinco viaturas da corporação foram enviadas para a rua Paulo Arentino, altura do número 200. O local fica na região da Estrada de Taipas. Ainda não há informações sobre a identidade das vítimas e o que causou a queda da aeronave.

Há informações que o helicóptero decolou do Aeroporto Campo de Marte por volta das 12h. A empresa Helimarte, proprietária da aeronave, foi procurada pela reportagem. Segundo a companhia, os coordenadores estão reunidos e irão comentar o assunto nas próximas horas.


Marise Sansão: “Às ruas, chega de tanto desrespeito
e falta de sensibilidade!

================================================

Em repúdio ao irrisório reajuste de 6,20% para as aposentadorias e pensões, a Federação das Associações de Aposentados, Pensionistas e Idosos do Estado da Bahia – FEASAPEB, em conjunto com Associações e Sindicatos filiados, Sindicatos parceiros e Entidades apoiadoras, promoverão um grande ATO PÚBLICO,realizado há mais de 20 anos, no dia 24 de janeiro/2013 – DIA NACIONAL DO APOSENTADO. A concentração será às 9h, na Praça da Piedade, em Salvador, com PASSEATA rumo ao Campo Grande.

Uma comissão representando o segmento seguirá para a Praça Municipal, onde será entregue, novamente, o documento reivindicatório da FEASAPEB à Prefeitura e Câmara Municipal de Salvador, com uma proposta de criação do Hospital Geriátrico e a Gratuidade nos Transportes Públicos, aos maiores de 60 anos, conforme o Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003).

“Chega de tanto desrespeito e falta de sensibilidade! Todo ano o Governo promete melhorar nossas vidas, criar políticas públicas que beneficiem o segmento, mas no final sempre acabam nos passando para trás, dando reajustes míseros em nossos benefícios. Vivemos em dificuldade com nossas famílias, às dividas só aumentam. Não há como pagar planos de saúde, adquirir medicamentos, pagar aluguel, etc.. A terrível e nociva alternativa é apelar para os empréstimos consignados,” comentou Marise Sansão presidente da FEASAPEB, órgão máximo do segmento e de congregação dos aposentados, pensionistas e idosos na Bahia. O segmento não ficará de braços cruzados. “Vamos lutar pelos nossos direitos e pedir o apoio da sociedade e dos jovens que serão os aposentados de amanhã“, Marise.

O teto de contribuição passa de R$ 3.916,20 para R$ 4.159,00. Os benefícios equivalentes ao salário mínimo tiveram o reajuste de 9%, subindo de R$ 622 para R$ 678.

A política do governo, de conceder reajustes reais apenas para os aposentados que ganham um salário mínimo, sem aumento acima da inflação para os que ganham mais do que isso, faz com que aposentadorias se aproximem, com o passar do tempo, ao piso do salário mínimo.

Manifestações, protestos e atos como este irão ocorrer em todo o país, liderados pela Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos – COBAP e suas Federações filiadas.

PROGRAMAÇÃO – DIA 24 DE JANEIRO DE 2013 (quinta-feira)

8h – Missa na Igreja de São Pedro

9h- Concentração (Praça da Piedade)

9h15 – Passeata Política (saída da Praça da Piedade rumo ao Campo Grande)


Festa da Purific\ação em Santo Amaro/IG-TB

=======================================================

DEU NO IG-TRIBUNA DA BAHIA

Gilberto Gil, Caetano Veloso, Zezé di Camargo e Luciano, Geraldo Azevedo, Targino Gondim, Chiclete com Banana, Baby do Brasil, Margareth Menezes e Angela Ro Ro, são apenas alguns dos grandes nomes da música popular brasileira, que irão se apresentar
na Festa de Nossa Senhora da Purificação, na cidade de Santo Amaro, entre os dias 25 de janeiro e 02 de fevereiro.

Esse ano o encontro festivo vai prestar uma homenagem mais que especial ao centenário de duas personalidades brasileiras: Luiz Gonzaga, o rei do baião, e, Vinícius de Moraes, o poeta da paixão.

“Ser feliz é para quem tem coragem”, essa frase dita por Dona Canô retrata o espírito de alegria e fé que permeou os 105 anos de vida, dessa que foi a santamarense mais ilustre de todas.

E são exatamente essas as marcas que vão estar presentes nos festejos do município que fica localizado no recôncavo baiano.

“Essa é a festa que Dona Canô mais gostava. Ela tinha uma alegria e uma satisfação muito grande em ter a cidade movimentada e aquecida.

E aproveitava esse acontecimento para fazer suas reivindicações a favor de Santo Amaro. Se arrumava toda, ia para a igreja todos os dias e depois ainda queria assistir aos shows, ano passado viu Moreno Veloso se apresentar e adorou.

É nossa responsabilidade fazer com que a festa esse ano seja a mais linda” diz Rodrigo Velloso, secretário de cultura do município e filho de Dona Canô.

Santo Amaro é uma das cidades mais famosas do Brasil, berço acolhedor de tantos baianos e turistas, mãe e pai de artistas que brilham sob todas as vertentes, e que se mantem firme no festejo em torno da sua padroeira, Nossa Senhora da Purificação.

A tradição trilha por mais de 150 anos, levando às ruas diversas manifestações religiosas e exaltações culturais.

Um dos eventos que acontecem entre o período festivo é a famosa Novena para Nossa Senhora da Purificação, que reúne religiosos de todo o país, durante nove dias.

Eles fazem uma sequência de orações na igreja, acompanhados por músicas cantadas em latim e executadas por músicos de orquestra.

Acontece também, nesse período, a lavagem das escadarias da igreja, culto secular criado pelos escravos, e ainda a procissão onde desfilam cerca de 40 imagens católicas, carregadas por mãos humanas em andores, que seguem pela cidade.

“Essa é uma das poucas festas de largo que trazem em sua programação a união da manifestação cultural, com a música popular brasileira e a música de sucesso atual.

Essa diversidade cultural que existe em Santo Amaro é confirmada na grade de apresentações. Nossa ideia é deixar a festa sempre mais charmosa”, diz o cantor e compositor J. Velloso, que assina a curadoria musical do evento.

Buscando não trazer impactos aos antigos casarões instalados nas ruas da cidade, e reforçando a segurança necessária para um evento desse porte, a Prefeitura Municipal de Santo Amaro criou desde o ano passado um novo circuito para os desfiles dos blocos, que acontece na Rua Ferreira Bandeira.

Nesse local o asfaltamento no chão é total, evitando assim o desnível que incomoda os foliões e os trios elétricos, a fiação é horizontal, o que elimina os perigos de acidentes, e a iluminação é de última geração, possibilitando uma grande economia de energia.

“A cidade está totalmente preparada para receber essa festa. Nossas vias estão asfaltadas e sinalizadas, nossa segurança será reforçada com um número de equipes acrescida em 40% e a Secretaria de Saúde tem um trabalho árduo e permanente de fiscalização para com a alimentação”, diz o prefeito Ricardo Machado.

“O plus que demos no turismo já é visível, uma vez que já há hotéis com estadias esgotadas para esse período.

Leia reportagem completa no IG-Tribuna da Bahia

jan
21
Posted on 21-01-2013
Filed Under (Charges) by vitor on 21-01-2013


================================================
Simanca, no jornal A Tarde (BA)

=====================================================


OPINIÃO POLÍTICA

Oposição de brinquedo

Ivan de Carvalho

Existe, no Senado Federal e na Câmara dos Deputados, uma tradição não escrita e nem sempre seguida, de que, a maior bancada partidária em cada uma dessas Casas legislativas indica o nome para sua presidência. É uma tradição ou praxe, não uma imposição.

O que a Constituição da República (sem precisar falar em repetição que dela fazem os respectivos regimentos internos) determina é que o presidente do Senado e o da Câmara (assim como os demais integrantes das Mesas Diretoras das duas Casas) serão eleitos pelo plenário em votação secreta.

Tratando-se de eleição é óbvio que pode haver concorrência e os concorrentes, necessariamente integrantes da Casa legislativa, podem se apresentar livremente, independentemente de partido ou apoio de quaisquer legendas, bancadas ou de algum número de integrantes. Por mera iniciativa individual o pretendente à presidência da Câmara ou do Senado pode se inscrever e concorrer. E o voto é secreto, livre, leve e solto. Pelo menos pela Constituição e na teoria.

Pois no começo de fevereiro o Senado e a Câmara elegerão cada um sua Mesa Diretora. O PMDB é a maior bancada no Senado e, “pela tradição”, está indicando para suceder o peemedebista José Sarney outro mui ilustre peemedebista, Renan Calheiros, que já presidiu o Senado e foi obrigado a renunciar para não ter seu mandato cassado por se haver envolvido em um escândalo.

Diante desse fato, alguns poucos senadores se manifestam inconformados e intentam lançar um candidato. O PSDB, principal partido das oposições, deu a entender que gostaria de apoiar um peemedebista, que, rebelando-se contra a maioria da bancada do PMDB, se candidatasse. Mas não apareceu ninguém. Então surgiu o senador Randolfe Rodrigues, do PSOL, cuja candidatura os tucanos imediatamente consideraram “isolada”. A bancada de dez senadores do PSDB poderá dar seu voto ao senador Pedro Taques, do PDT, se ele se mantiver candidato até o fim. Do contrário, os tucanos acabariam votando em Renan Calheiros, ainda que docemente constrangidos.

Aliás, Randolfe Rodrigues acusou o PSDB de, ao descartar sua candidatura, estar jogando para desarticular qualquer oposição séria à candidatura de Renan Calheiros como sua parte em um acordo com o PT para que o governador tucano Marconi Perillo, de Goiás, não fosse indiciado na CPI do Cachoeira.

Na Câmara dos Deputados o grande favorito para a presidência é o deputado Henrique Eduardo Alves, do PMDB, que não tem a maior bancada na Casa, mas fez um acordo com o PT. Henrique Eduardo Alves está fazendo sua campanha sob uma bateria de pesadas acusações envolvendo “malfeitos”, segundo a nomenclatura preferida pela presidente Dilma Rousseff para esse tipo de coisas.

O PT e sua bancada na Câmara está firme no apoio, não havendo disposição para levantar questões éticas, o que, reconheça-se, é até coerente com o fato de que seu principal líder, o ex-presidente Lula, haja ganho ontem o Troféu Algemas de Ouro – 2012, prêmio criado pelo Movimento 31 de Julho, grupo anticorrupção que atua na Internet e que, pelo Facebook, mobilizou mais de 14 mil pessoas.

Os analistas não consideram com chances significativas de vencer a eleição de presidente da Câmara o desafiante Julio Delgado, do PSB de Minas Gerais. As coisas poderiam começar a ficar confusas se a oposição unida desse seu apoio a Delgado, mas o PSDB, principal partido das oposições, está quase tão próximo da candidatura de Henrique Eduardo Alves quanto o PMDB, partido dele e o PT, parceiro do PMDB no acordo feito para que o PT tivesse o presidente da Câmara nos primeiros dois anos da Legislatura e o PMDB, nos dois últimos.

E o PMDB nem tem a maior bancada da Câmara, enquanto o acordo entre este partido e o PT é problema deles dois, não do PSDB. Difícil entender o modo tucano de fazer oposição.

jan
21
Posted on 21-01-2013
Filed Under (Artigos) by vitor on 21-01-2013

==================================================

Blue Bossa Noite!

Ótimo começo de nova semana a ouvintes e leitores do BP.

(Gilson Nogueira)

  • Arquivos