Zeca e a chuva em Xerém:”fim dos tempos?”

==================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Esse clima maluco

Ivan de Carvalho

Peço licença para sugerir aos donos do jornal e ao diretor de redação que me concedam licença por um tempo, antes que leitores comecem a me considerar maluco, se é que isto não aconteceu ainda. É que ando escrevendo muito sobre “fim dos tempos”, profecias, apocalypse, essas coisas que as pessoas sensatas consideram insensatez. E, para complicar mais ainda a situação, escrevendo sobre tais coisas em um espaço preferencialmente (não obrigatoriamente, é verdade) dedicado à política.

Mas enquanto não me concedem a licença, vejam isso. Diz notícia do portal de internet G1 que o cantor Zeca Pagodinho percorreu na manhã de ontem as ruas de Xerém, no município de Duque de Caxias (Baixada Fluminense), para ajudar as vítimas da chuva que atinge várias regiões do estado do Rio de janeiro desde a noite de quarta-feira.

Em entrevista que deu à TV Globo, Zeca Pagodinho – conta a reportagem – disse que sua casa foi “mais ou menos afetada” pela chuva. Ele disse que vive lá há quase 20 anos e nunca viu nada parecido. “Lá em cima a situação está muito ruim, tem criança desaparecida, tem família soterrada, tem casa que desceu rio abaixo. Havia 200 desabrigados em Xerém e já confirmada pelo menos uma morte.
Três alternativas:

1. Uma tempestade tropical normal somada a uma povoação mal localizada.
2. Um sinal do “fim dos tempos”. Sem exagero. Na Bíblia se antecipa que no fim dos tempos – insisto, não se fala em fim do mundo – “até os ribeiros matarão”.
3. Um efeito do projeto HAARP, a sigla em inglês para um programa americano cuja estação oficialmente reconhecida está no Alaska. Há quem diga que existem cinco estações desse tipo no mundo, sendo três controladas pelos Estados Unidos, uma pela Otan e uma pelo Reino Unido. O objetivo real do projeto HAARP é o de controle climático mediante emissões de grande potência de radiofrequência muito baixa. Emitidas, elas atingem a ionosfera, empurram-na para cima, criam um vácuo que é imediatamente preenchido por vapor de água.

O processo é complexo, mas teoricamente (e provavelmente já na prática) pode causar tempestades de chuva, com ou sem granizo, tornados, e, já ou mais adiante, furacões, terremotos, maremotos. Muitos o supõem capaz disso tudo e de, mudando a direção dos ventos, enviar furacões de volta ao mar, evitando que atinjam continentes, ou provocar secas, inclusive secas muito prolongadas. Há suspeitas que um similar russo (anterior ao HAARP) produziu uma devastadora seca de três anos na Califórnia. Foi detectada uma gigantesca estação soviética (a URSS ainda existia) como fonte das emissões, mas as desconfianças eram impossíveis de comprovar. A seca californiana acabou quando a estação americana do Alaska surgiu.

E que tem o Rio de Janeiro com isso? O fenômeno dos chamados “rastros químicos” espalhados com muita frequência por aviões da Força Aérea nos Estados Unidos. Esses “rastros químicos” são como rastros de aviões a jato, mas demoram muitas horas antes de se dispersarem. Pode ser um bombardeio para facilitar a precipitação das nuvens em chuva ou até uma rede guia para as radiofrequências do sistema HAARP. Pelo menos uma vez, os “rastros químicos” já foram vistos nos céus do Rio de Janeiro. Ninguém deu explicações, nem a mídia tradicional questionou.

Em janeiro de 2011 chuvas torrenciais – um verdadeiro tsunami pluvial e fluvial – causaram devastação na região serrana do Rio. Teresópolis, Nova Friburgo e Itaipava estiveram no centro da catástrofe. Mas como janeiro é mesmo época de chuva, tudo ficou por conta de um surpreendente capricho da natureza. Agora, exatamente dois anos depois (menos dois ou três dias), a água despenca em Xerém. Mas não tem problema: os meteorologistas estão explicando tudo no quadro de clima dos telejornais.

Be Sociable, Share!

Comentários

uirapuru on 5 Janeiro, 2013 at 14:49 #

Xerém: estudo de 1996 antevê com precisão locais de enchente

04 de Janeiro de 2013

Mapa da COPPE sobreposto à região de Xerém. A tragédia de 03 de Janeiro de 2013 ultrapassou ligeiramente às previsões, mas os lugares mais afetados estavam dentro das Áreas de Proteção Permanente dos rios locais (faixa de 30m de proteção das margens).

Será que a população do bairro de Xerém, em Duque de Caxias, construiria suas casas no mesmo local se conhecessem os mapas desenhados para o Plano Diretor da Bacia do Iguaçu – Sarapuí, da COPPE UFRJ? Feitos por encomenda da antiga SERLA (atual INEA – Instituto Estadual do Ambiente), eles foram elaborados em 1996, ou seja, há cerca de 17 anos.

O problema é que a população não teve essa opção, já que o próprio plano nunca foi executado ou mesmo divulgado.

Entretanto, o plano detalha com precisão as manchas de inundação, denominação das áreas que podem sofrer com enchentes. Este mapa poderia ser usado para a realocação de famílias e o planejamento de toda a região.

Principais problemas do Brasil, as questões relacionadas a enchentes e deslizamentos têm solução muito mais fácil do que as relacionadas a terremotos, maremotos e outros desastres naturais.

Mapa do Plano Diretor da COPPE sobreposto ao Google Earth. As Bacias do Rios Iguaçu e Sarapuí atingem as cidades de Duque de Caxias, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Nilópolis, Mesquita, Belford Roxo e uma pequena área do Rio de Janeiro. Clique para ampliar.

A região metropolitana do Rio de Janeiro sempre sofreu com as chuvas. Não é de hoje que urbanistas, geógrafos e outros técnicos alertam sobre estes problemas. A tragédia de Caxias já está anunciada há décadas. Quem lê corretamente um mapa sabe disso.

Não adianta montar gabinete de emergência. Planos de contingência se fazem em épocas tranquilas, não durante a contingência.

Entre 2005 e 2008, trabalhei como arquiteto-ubanista da Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçu, na equipe da extinta SPUR (Secretaria de Projeto Urbano). Nesse período, nós constantemente consultávamos o Plano Diretor da Bacia do Iguaçu e do Sarapuí

Os técnicos da COPPE e do governo são bons. Precisamos de políticos e administradores menos imediatistas e que sejam responsabilizados por essas tragédias, recorrentes a cada verão. Tomara que os habitantes dessas áreas não se esqueçam do seu sofrimento na hora de votar.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos