=============================================
DEU NO SITE BAIÃO9

Se não estivessem juntos no set para trabalhar, seria possível dizer que o encontro dos integrantes da equipe de “Gonzaga – De Pai para Filho”, que estreia nesta sexta-feira, se tratava de uma reunião do fã-clube de Luiz Gonzaga (1912-1989). Por coincidência, tanto o diretor Breno Silveira (de “2 Filhos de Francisco”), quanto os atores principais Chambinho do Acordeon e Julio Andrade têm estreita ligação com o Rei do Baião ou são seus admiradores de longa data.

“O Gonzaga frequentava a casa do meu avô, que era político em Pernambuco”, relembra Silveira, que levou sete anos para concretizar o filme idealizado por Maria Hernandez. Chambinho, que interpreta no filme o cantor em sua fase áurea da carreira, também é sanfoneiro e aprendeu a tocar músicas de Luiz Gonzaga com 8 anos de idade. Já Andrade, que vive Gonzaguinha (1945-1991), filho do protagonista, já ganhou uns trocados cantando músicas de seu personagem em bares.

Ao mesmo tempo em que narra a trajetória de Gonzaga, o longa mostra a complicada relação do músico com seu primogênito, criado pelos amigos Xavier (Luciano Quirino) e Dina (Silvia Buarque), pois o pai estava ocupado fazendo shows pelo Brasil. A volta à questão da paternidade não é um acaso na filmografia de Breno Silveira, que também tocou no assunto em “À Beira do Caminho”, lançado neste ano. “Alguém falou que a gente faz eternamente o mesmo filme. Acho que estou neste contexto”, assume o cineasta.

As famílias de Gonzaguinha e de Rosa Gonzaga, filha adotiva do sanfoneiro, não se bicavam, mas acabaram se unindo durante a produção. “Eles não se falavam. Então, a gente combinou um jantar e juntou todos depois de 15 anos. Hoje, eles voltaram a se frequentar, voltaram a ser uma família”, orgulha-se Silveira.

http://youtu.be/xa9k51V6rhA

===============================================
“Flor da Noite: música tema de Sinhazinha Mendonça / Maitê Proença e o dentista Osmundo Pimentel / Erik Marmo interpretada magnificamente por Nana Caymmi. Composição de Celso Fonseca e Ronaldo Bastos.

Vale a pena ouvir de novo. Confira!!!

( Vitor Hugo Soares)


Ivete, Frank, Jackson e Harildo:destaques em Gabriela

===========================================

DEU NO PORTAL IBAHIA

O remake da novela ‘Gabriela’ (TV Bahia/Globo), que marcou as comemorações do centenário do escritor baiano Jorge Amado (1912-2001), chega ao fim nesta sexta-feira (26) e vai deixar saudades. Para reforçar a cultura local da trama, os diretores da produção selecionaram um elenco formado por vários baianos.

O time conta com profissionais consagrados (como Harildo Déda, Frank Menezes e Jackson Costa) e novatos (Jhe Oliveira, Clara Paixão e Widoto Áquila), além de personalidades célebres em outras áreas do entretenimento (Ivete Sangalo e Emanuelle Araújo). São 15 atores baianos ao todo, envolvidos nas gravações desde março, no Projac (abreviatura de Projeto Jacarepaguá, como é conhecida a Central Globo de Produção).

Baseada no romance ‘Gabriela, Cravo e Canela’ (1958), de Jorge Amado – que também originou a telenovela de 1975 protagonizada por Sônia Braga -, a adaptação foi escrita por Walcyr Carrasco, com colaboração de Daniel Berlinsky e André Ryoki, com direção-geral de Mauro Mendonça Filho, direção de Frederico Mayrinc e Noa Bressane e direção de núcleo de Roberto Talma.

out
25
Posted on 25-10-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 25-10-2012


Tom Cruise e a filha Suri
Foto:Keith Bedford/Reutres/DN
================================================

DEU NO JORNAL PORTUGUÊS DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Por Aldara Rodrigues, com AFP

O ator americano Tom Cruise, recém divorciado da atriz Katie Holmes, apresentou queixa contra a revista americana ‘Life and Style’, por ter publicado uma história em que o acusavam de ter abandonado a filha, Suri, de seis anos.

O título da história era: “Suri chora, abandonada pelo seu pai”, e era acompanhada de uma fotografia da menina a chorar, poucas semanas após o divórcio dos seus pais, adianta a AFP.

O advogado do ator, Bert Fields, classificou a revista de “desprezível”e disse que tinha apresentado um processo de difamação a um tribunal de Los Angeles, pedindo quase 40 milhões de euros, por danos causados.

Na denúncia, citada pelo site TMZ.com, o advogado observou que o artigo, nas páginas interiores, não incluía o tema do abandono, explicando que Suri estava chorando na foto porque tinha tentado, sem sucesso, ter um cão. No entanto, a história completa “não é lida pela maioria das pessoas que só veem a capa da revista”, disse.

Katie Holmes anunciou, no dia 28 de junho, que tinha pedido o divórcio. Apenas alguns dias antes do 50.º aniversário de Tom Cruise. Segundo testemunhas Tom foi apanhado de surpresa. Um acordo financeiro foi encontrado apenas duas semanas depois, adianta a AFP.

out
25
Posted on 25-10-2012
Filed Under (Charges) by vitor on 25-10-2012


========================================
Humbero, hoje, no Jornal do Comércio (PE)

DEU NA FOLHA DE SÃO PAULO

NELSON BARROS NETO
DE SALVADOR

O penúltimo debate do segundo turno da disputa pela Prefeitura de Salvador registrou mais uma troca de acusações entre ACM Neto (DEM) e Nelson Pelegrino (PT). A novidade no encontro da noite desta quarta-feira (24), na afiliada do SBT na Bahia, foi que ambos chegaram a cantar no estúdio para atacar o rival.

O democrata, que apareceu oito pontos à frente em pesquisa Ibope divulgada na última sexta (19), disse que a música “Vou Festejar”, da sambista carioca Beth Carvalho, foi usada pelos professores que fizeram uma greve de 115 dias na rede estadual, em 2012, para criticar o governador Jaques Wagner (PT).

“Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão”, reproduziu o verso um ACM Neto meio sem jeito diante das câmeras.

Para contra-golpear, Pelegrino cantou dois gritos de guerra que, segundo ele, marcaram os mandatos do avô do adversário, o senador Antonio Carlos Magalhães, morto em 2007: “Um, dois, três, ACM no xadrez” e “polícia é para ladrão, não é para estudante, não”.

Foi a deixa para o momento mais tenso do debate, quando o líder do Democratas na Câmara dos Deputados afirmou: “O senhor insiste em falar do senador Antonio Carlos. Eu queria fazer um pedido, como neto, porque isso dói meu coração, já que o senador ACM não está mais aqui para se defender. Eu respeito seus parentes e familiares. Queria que você respeitasse os meus”.

Enquanto Pelegrino tentava colar o atual prefeito João Henrique (PP) –dono de 75% de rejeição– no oponente, ACM Neto buscava nos desgastes do governo Wagner oportunidades para criticar o PT.

A frase mais ouvida, porém, foi “o senhor está faltando com a verdade”. Em quase todas as respostas, a quatro dias da eleição, os candidatos disseram que o rival estava mentindo, e vice-versa.

out
25


Lula em Paripe. Foto Maria Olívia Soares, para o BP

==============================================

OPINIÃO POLÍTICA

A verdade, uma vítima

Ivan de Carvalho

1. Em campanhas eleitorais, uma das principais vítimas – outras sempre existem – é a verdade.

Veja-se, por exemplo, o que disse ontem, no subúrbio de Salvador, o ex-presidente Lula, no afã de defender para si mesmo a paternidade, que ninguém lhe nega, do programa Bolsa Família. “O povo pobre não merece mentira. Eu jamais bateria nele, mas agora ele mente dizendo que o avô dele criou o Bolsa Família”.

Essa história de bater e não bater é outra, mas quando Lula diz que “ele mente dizendo que o avô criou o Bolsa Família”, não é o candidato a prefeito de Salvador, ACM Neto – a quem ele se referia – que está mentindo.

O candidato, em nenhum momento, disse que o avô, senador Antonio Carlos Magalhães, morto em julho de 2007, há mais de cinco anos, portanto, criou o programa Bolsa Família. O que o candidato Neto disse, inclusive em debate com o candidato petista Nelson Pelegrino na TV Itapoan/Record, foi que a criação do Bolsa Família foi facilitada pela criação anterior do Fundo de Combate à Pobreza – o que aconteceu por emenda constitucional idealizada e proposta pelo senador ACM e aprovada pelo Congresso no ano 2000. O Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza foi criado com vigência até o fim de 2010 e prorrogado, por outra emenda constitucional – não mais de iniciativa de ACM, que já havia morrido – por tempo indeterminado. Seu objetivo foi “viabilizar a todos os brasileiros acesso a níveis dignos de subsistência”, o que seria feito com ações suplementares de nutrição, habitação, educação, saúde, reforço de renda familiar e outras.

Note-se a mecânica do ataque de Lula. Primeiro, atribui ao candidato democrata ACM Neto uma afirmação que este não fez (de que seu avô criou o Bolsa Família) e em seguida o acusa de estar mentindo com a suposta afirmação inventada pelo próprio ex-presidente. Aliás, um ex-presidente não devia usar esse tipo de truques.

Francamente, ninguém devia.

Mas dá para entender, ainda que não para justificar. O ex-presidente da República possivelmente queria, além de ajudar o candidato do PT na campanha eleitoral, marcar para a história sua condição simultânea de autor e precursor do Bolsa Família. A história, no entanto, lhe creditará apenas a autoria. O precursor, obviamente, foi outra pessoa.

2. No seu curto discurso de ontem no subúrbio, o ex-presidente Lula preferiu não repetir um comportamento que marcou sua atuação no comício da Praça Castro Alves, na campanha para o primeiro turno das eleições. Ontem, ele, não voltou a chamar o candidato ACM Neto de “naniquinho”, finalmente entendendo que isso, sobre ser bullying, pode ofender a todos os “baixinhos”, incluindo os eleitores baixinhos, que são muitos.

Antes da visita de Lula a Salvador, ontem, a presidente Dilma Rousseff, em comício na capital baiana, disparou: “Aqui não pode ter um governinho, um governo pequenininho”. O público do comício entendeu perfeitamente a alusão à pequena estatura física do candidato democrata ACM Neto, que, aliás, não fez qualquer manifestação a respeito até ontem.

O programa de Pelegrino na televisão chegou a transmitir a frase inteira, mas a repercussão parece não ter sido boa, pois a frase foi entendida mesmo como bullying e começou a causar mal estar. Então uma parte da frase foi suprimida do programa, de modo que o discurso da presidente passou a conter apenas parte da frase – “Aqui não pode ter um governinho”. De fato, “um governo pequenininho” desapareceu da peça publicitária.

A presidente bem que poderia e ainda pode pedir desculpas, como ACM Neto – talvez até aconselhado pelo avô, então ainda vivo – publicamente pediu a Lula, no muito falado caso da surra.

A química perfeita de uma maravilhosa composição com um belo filme e uma orquestra imbatível.

BOA NOITE E ÓTIMA QUINTA-FEIRA.

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos