Em nota divulgada na noite de terça-feira, o PSDB cobrou respeito da presidenta Dilma Rousseff “ao cargo exercido e à sua obrigação de preservar a vontade democrática dos eleitores, nesta reta final das eleições municipais”.

O texto, assinado pelo presidente em exercício e primeiro vice-presidente da Executiva Nacional da legenda tucana, Alberto Goldman, afirma ainda que “a promessa da presidente de limitar o envolvimento de seus ministros na disputa eleitoral deste ano não resistiu às pressões” do PT.

O PT reagiu emitindo nota assinada pelo presidente do partido, Rui Falcão. No comunicado, o partido diz que a participação de Dilma nos comícios “obedeceu estritamente às normas vigentes, ocorrendo sempre fora do horário de trabalho e com as despesas sob a responsabilidade do PT”.

A nota do PSDB afirma que a atitude da presidenta tinha por objetivo “reverter o fraco resultado que se desenhava antes do primeiro turno”, a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva . “Dilma não só liberou seus ministros, como ela própria sucumbiu aos pedidos de seu antecessor e mergulhou de cabeça na agenda eleitoral, na tentativa de ajudar aliados. Do primeiro turno para cá, a situação só se agravou. Não satisfeita em colocar cargos federais a serviço das campanhas petistas, como vimos acontecer em São Paulo, a presidente da República decidiu partir para o confronto com a oposição.”

O texto cita os comícios que Dilma participou em Salvador, São Paulo, Campinas e Manaus. “Em todos esses eventos, mais do que pedir votos para os candidatos da base aliada, a presidente optou por atacar a oposição. Pior, em atentado à própria Constituição Federal, procurou transmitir a ideia de que apenas os eleitos de sua preferência teriam um tratamento do governo federal à altura das necessidades do povo.”

Em seu comunicado, o PT diz que o partido adversário deveria “parar de medir a atuação da presidenta Dilma Rousseff com a régua de suas práticas políticas” e ressalta que as participações de Dilma foram feitas foram do seu horário de trabalho e com as despesas pagas pelo próprio partido.

“Em seus discursos, a presidenta reafirmou que ‘somos de um governo e de uma proposta política que não persegue e não discrimina ninguém, que respeita todas as posições políticas, ideológicas e religiosas'”, acrescenta a nota, dizendo que a prática da presidenta é “muito diferente da costumeira dos governadores do PSDB”.

O presidente do PT diz que a nota assinada por Goldman “é mais um sinal do desespero diante da iminente rejeição nas urnas a seu projeto elitista e diante da aprovação popular aos presidentes Lula e Dilma”.

(Deu no IG, com Agência Estado)

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos