set
10


Moisés Almeida
===========================================
Dom José:pastor e lutador incansável

=============================================================

ARTIGO/MEMÓRIA

Um semeador de verdades

Moisés de Almeida

Na década de 1980, conheci“um pequeno GRANDE HOMEM”: José Rodrigues de Souza, Bispo da Diocese de Juazeiro-BA. Na época, eu trabalhava na Emissora Rural a Voz do São Francisco como operador de áudio.

Aquele pequeno homem de cigarro na mão andava pelos corredores da Rádio um pouco antes das dezoito horas, às sextas feiras. Chegava sempre de fusca acompanhado de Paulo Bispo para apresentar seu programa “Semeando a Verdade”.

Aproveitava aqueles momentos para reler um texto datilografado, produzido especialmente para sua fala durante o programa. Quase sempre fazia um relato de suas viagens pastorais e aproveitava datas santificadas, comemorativas, cívicas para dar uma “aula de História”.

Através desses programas me inteirei de três fatos envolvendo manifestações populares: Contestado, Canudos e Pau-de-Colher. Hoje esses eventos são parte de minhas linhas de investigação.

Em 1990, fui convidado a apresentar um programa radiofônico (A Voz do Velho Chico) em conjunto entre a Pastoral Rural da Diocese de Petrolina e a Comissão Pastoral da Terra da Diocese de Juazeiro. Nessas idas e vindas entre esses dois lugares, estreitei meus laços com o lado baiano e fui me aproximando de Dom José. Em 1991, o então representante da CPT no programa radiofônico, o falecido Padre José Carlos me fez um convite para ser o coordenador do Setor de Comunicação Social daquela Diocese. Prontamente aceitei o desafio e na metade daquele ano estava eu no setor de comunicação aprendendo junto a Dom Joséproduzir/montar o jornalzinho da Diocese “Caminhar Juntos”.

Outras aulas surgiram, especialmente de língua portuguesa, pois na correção do jornal – todo escrito pelo bispo – aproveitava a oportunidade para me ensinar as regras gramaticais. Ele não ia dormir enquanto eu não diagramasse o jornal e às vezes ficava no Setor de Comunicação até perto de uma hora da manhã esperando o material para levar para sua casa, e,antes das seis deixava em cima da minha mesa para as correções finais.

Quando o jornal ficava pronto, separava por paróquia e colocava nas caixinhas. Todo cuidado era pouco, pois tinha um zelo muito grande pela informação.

Eram duas as paixões de Dom José Rodrigues: a informação e a leitura. Fui agraciado na sua paixão pela informação, pois foi neste Setor de Comunicaçãoque permaneci durante sete anos, sempre sendo apoiado por esse Pastor. Não tive nenhum projeto apresentado a ele que não fosse apoiado e grandes realizações conseguimos construir no tempo em que fiquei na Diocese: rede de comunicadores populares, integração das paróquias via fax, produção de jornal noticiário em rádio comercial, locadora de vídeos educativa, produtora de vídeos entre outros.

Admirava ver o gosto de Dom José pela Biblioteca Diocesana. Todas as manhãs, entrava na biblioteca, arrumava os livros, separava as sessões, atendia inclusive o público, quando a bibliotecária não conseguia encontrar os materiais solicitados.

Assinava jornais e revistas e minuciosamente recolhia as informações relevantes para pesquisa e classificava-os em pastas. Quantas encadernações a biblioteca tinha, em função desse cuidado de Dom José! Era aposentado e os recursos de sua aposentadoria foram empregados na compra de livros.

Quando chegava uma visita, dois lugares eram certos para que ele pudesse mostrar: a biblioteca e o setor de Comunicação. Nesse último, recebemos a visita de Cardeais e até mesmo do ex-presidente Lula para uma entrevista.

Era metódico e gostava, muitas vezes, de ficar sozinho em sua casa. Da janela do seu quarto, olhava o movimento. Certa vez eu estava no setor de comunicação em final de semana (era folga de sua empregada D. Pedrina)e ele apareceu de repente com a camisa ensanguentada, rosto com alguns pontos; tomei um susto.Perguntei: o que houve Dom José? Ele me respondeu que o ônibus que vinha de Recife tinha descido uma ribanceira e ele tinha batido o rosto na cadeira. Veio solicitar minha ajuda para comprar os remédios que o médico passara. Rara oportunidade de contato solicitando apoio em dias que estava solitário.

Para receber visitas, era necessário marcar com antecedência; atendia sempre o telefone pelo número. Tinha dias que não queria receber autoridades. Lembro-me de uma visita que Lula, então candidato a presidente da República fez a Juazeiro, numa viagem ecológica pelo Rio São Francisco; ele me informara que por conta das insinuações na imprensa que ele estava apoiando-o, não iria receber ninguém, iria deixar a campainha da casa desligada. Pela manhã encontrei Leonardo Boff (Importante teólogo e amigo do bispo) na porta da casa bispo batendo, sem ninguém atender. Eu disse Leonardo, o bispo hoje não vai receber ninguém. O ex-Frei deu meia volta e foi embora. No outro dia relatei o ocorrido, ele apenas ouviu e não me disse nada.

Custou a ter um aparelho de TV em casa e a sua biblioteca particular era seu aposento. Quando fomos coordenar o setor de Comunicação realizamos um trabalho de aproximação de Dom José com a imprensa. Não foi uma tarefa fácil. Mas aos poucos, com a nossa contribuição,os repórteres conseguiam bater em sua casa e ser atendidos (marcando com antecedência, é claro). Não dava entrevista sem se preparar, pois primava pelo conteúdo e especialmente pelas justificativas da informação à luz da sagrada escritura.

Fez poucas visitas ad liminaao Papa e certa vez me contou que em Roma, ao visitar João Paulo II, andandono corredor de uma sala do Vaticano, Joseph Ratzinger (Bento XVI)na época prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, esperando-o com uma cartilha da Campanha da Fraternidade (A Diocese de Juazeiro preparava sua própria cartilha) indagou-o sobre as questões politicas no conteúdo daquele documento. Dom José mostrou ao Cardeal as várias indicações e leituras da Bíblia na Cartilha e disse: se essas referências da Bíblia são referências políticas, então a cartilha é política. O Cardeal se calou.

Viajei algumas vezes com ele, tomando o lugar de motorista. Se a vigem durasse duas ou três horas, não me deixava um só momento sem conversa. Era outro Dom José que no dia a dia mostrava-se fechado e calado, mas nas viagens e horas de lazer transformava-se num conversador implacável.

Seu destino foi traçado em Juazeiro com Nossa Senhora das Grotas,a quem tanto amava. Seu legado social, político, religioso não deve ser esquecido nunca. Partir um dia após as festividades do cinquentenário da Diocese, na festa de sua padroeira, seloude vez seu destino. Não teria momento melhor para seu encontro com o Pai.

Tenho muito a falar desse Pastor, minha referência primeira. Posso dizer que parte da minha intelectualidade devo ao trabalho que desenvolvi na Diocese de Juazeiro ao lado de um Grande Homem. Aprendi que ser Cristão é ter preferência pelos pobres e excluídos; consegui fazer outras leituras da prática do catolicismo nas diversas pastorais sociais: da mulher marginalizada, da PJMP, da CPT, dos Pescadores e muitas outras.

Encantei-me com a celebração eucarística encarnada, simples, sem aquela oficialidade vaticana. Acreditei que o Evangelho pode e deve ser fonte de libertação dos pobres, oprimidos, marginalizados. Continuo ainda perseguindo esse ensinamento, mesmo tendo parte da Igreja Católica se afastado dessa referência. Minha vida mudou, meus projetos de vida foram modificados. Dom José Rodrigues, sua prática, sua luta, sua simplicidade e seu testemunho me fizeram entender que a vida tem um sentido cristão.“Deus não escolheu os pobres porque com eles é mais fácil trabalhar. Muito pelo contrário, é mais difícil. Ele não os escolheu para que os opressores lhes façam caridade e lhes dêem esmolas. Pelo contrário. Do opressor Deus não exige esmolas e sim justiça. […] Nos pobres existem as sementes e a fonte do futuro da humanidade. Pela força do amor divino, esta semente brotou a terra, começou a crescer, formou um caule e deu uma flor, transformou-se em espinho e deu como fruto a morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Até hoje esta mesma semente brota neste mundo, onde quer que os oprimidos, animados pela sua fé em Deus, nos homens e na vida, ofereçam resistência contra a opressão e a morte, sem deixar-se corromper pela mentalidade dos seus opressores”. (DOM JOSÉ RODRIGUES apud PATER, 1996, p. 54-55). Devo e agradeço por ter convivido realmente com uma PESSOA DE CRISTO. Que vá em paz e que sua memória seja eterna. Muito grato!

Moisés de Almeida é professor e missionário na região do Vale do São Francisco. O texto foi publicado originalmente no blog Folha do São Francisco

Be Sociable, Share!

Comentários

filgueira on 10 setembro, 2012 at 16:59 #

a u ohme esta dederminado morre uma so ves e sege se a u juiso ehbreuus 9.27


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2012
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930