DEU EM O GLOBO

RIO – Em entrevista ao jornal “The New York Times”, publicada na edição de sábado do periódico americano, o ex-presidente Lula diz não acreditar na existência do mensalão. Ele afirma que o PT não tinha necessidade de comprar votos porque o partido já havia assegurado a maioria no Congresso através de alianças politicas, mas garantiu que vai respeitar a decisão do Supremo que nesta segunda-feira entra na terceira semana do julgamento do caso.

– Se alguém for culpado, deve ser punido. E se alguém for considerado inocente, deve ser absolvido – disse o ex-presidente.

A entrevista faz ainda uma análise sobre a atual situação do ex-presidente, recém-curado de um câncer na laringe, que está de volta com força total às campanhas do PT pelas prefeituras Brasil afora. Perguntado se não pretendia descansar um pouco e partir para um outra atividade mais branda, como ouvir música e ler um livro, Lula foi enfático ao responder ao repórter Simon Romero:

– Olha aqui, ouça o que eu tenho a dizer. A política é a minha paixão.

Entre outras coisas, o repórter também quis saber a opinião do ex-presidente a respeito da crise na Europa, ao contrário da atual situação econômica brasileira, que sem mantém com índices positivos. Lula respondeu que sabe que os europeus não gostam que os países emergentes como o Brasil deem opiniões sobre o que se passa lá, mas que quando a crise era aqui no Brasil todos tinham algo a dizer.

– Vamos ser francos – disse o ex-presidente -, se a Alemanha tivesse resolvido o problema da Grécia há alguns anos, a situação não estaria como está. Eu já vi pessoas morrerem de gangrena porque não cuidaram de uma unha problemática.

A respeito se deverá ser ou não novamente candidato à presidência, Lula disse que é difícil para qualquer político excluir totalmente a opção de ser candidato, deixando claro que seu gosto pelo jogo político permanece inalterado. Questionado, rejeitou a especulação de que a atual presidente Dilma poderia se afastar para permitir que ele concorra às eleições em 2014.

– Dilma é minha candidata e se Deus quiser, ela será reeleita, encerrou

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/

ago
26
Posted on 26-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-08-2012

http://youtu.be/m8aX4P1kUtc

=============================================
DÁ-LHE, REI!!!

(Gilson Nogueira)

http://youtu.be/h4ZyuULy9zs

=============================================
DEU NO TWEXTRA

ADRIANA FERREIRA SILVA
DE SÃO PAULO

Billie Holiday tinha apenas 23 anos quando cantou pela primeira vez “Strange Fruit”.

Ela estava no palco do Café Society, “a única boate de Nova York realmente integrada”, descreve o jornalista americano David Margolick, referindo-se ao fato de que este era um dos raros locais em que brancos e negros eram tratados como iguais, em 1939, nos Estados Unidos.

Mas mesmo ali, continua Margolick, Billie Holiday teve medo de interpretar “uma canção que atacava de frente o ódio racial, numa época em que nem se sonhava com a música de protesto”.

“Não houve nem mesmo uma tentativa de aplauso quando eu terminei”, escreveu Holiday em sua autobiografia. “Então uma pessoa começou a aplaudir nervosamente. De repente, todo mundo estava aplaudindo.”

Nos 21 anos seguintes, até sua morte, aos 44 anos, Billie Holiday causou comoção todas as vezes que entoou “Strange Fruit”, música que descrevia o horror dos linchamentos de negros nos Estados do sul do país.

A trajetória dessa triste canção inspirou Margolick a escrever “Strange Fruit – Billie Holiday e a Biografia de uma Canção” (2000), que chega agora ao Brasil.

O livro começou como uma reportagem publicada na revista “Vanity Fair”, onde Margolick, 60, atua como editor-assistente desde 1995.

“Meu interesse ocorreu por diferentes razões”, explicou Margolick à Folha. “Encontrei o álbum que tinha a música e fiquei intrigado com seu título. Pensei que os estranhos frutos pudessem ser cerejas ou maçãs. Quando entendi do que se tratava [negros enforcados em árvores], fiquei em choque e, ao mesmo tempo, fascinado.”

A atração de Margolick pelo tema cresceu quando ele descobriu que o autor de “Strange Fruit” era o intelectual Abel Meeropol.

Judeu e comunista, ele adotou os filhos do casal Julius e Ethel Rosenberg, executados em 1953 sob a acusação de serem espiões a serviço da extinta União Soviética.

Estavam unidos, então, três assuntos importantes para Margolick: além da própria Holiday, as ações radicais de judeus e a luta dos negros por igualdade de direitos.

“Um judeu escreveu a canção, que foi apresentada no palco do Café Society, cujo proprietário era judeu, e lançada pela gravadora de outro judeu. E foram judeus que compraram, ouviram e falaram sobre ela”, afirma.

“Isso não é coincidência e lembra que os judeus eram aliados dos negros na luta pelos direitos civis nos EUA.”

Durante as pesquisas, Margolick se surpreendeu com o fato de que “Strange Fruit” ficou restrita ao círculo de brancos intelectuais. “Ela foi pouco discutida entre os afro-americanos por ser um tema doloroso e incômodo.”

Dor que ninguém conseguiu exprimir como Billie Holiday. “Quanto mais trágica se tornava sua vida [ela era viciada em heroína], mais contundente era sua interpretação. É difícil imaginar alguém que representasse ‘Strange Fruit’ como Billie. Era como um tapa na cara.”

ago
26
Posted on 26-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-08-2012


====================================================
Aroeira, hoje, no Jornal do Sul

ago
26
Posted on 26-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-08-2012

Bahia em Pauta com problemas de linha desde sexta-feira.Entradas e fugas intermitentes, ao sabor da OI. Quando aparecerá quem dê um jeito nisso? Pela experiência recente, lá se sabe que a Anatel não será.

BOM DOMINGO!!!

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos