ago
18


===================================

OPINIÃO POLÍTICA
O apoio de João Henrique

Ivan de Carvalho

Nos tempos recentes, o prefeito de Salvador, João Henrique e seu governo, de acordo com pesquisas divulgadas e não divulgadas, está com muito baixa aprovação.

Isto desencadeou, entre os candidatos à sua sucessão e os partidos e coligações que os apoiam, um debate que, para o observador mais desavisado, pode parecer um jogo de perde ganha.

Quem perdesse o apoio do prefeito, ganharia. E quem o ganhasse, perderia. Mas não é bem assim que a banda toca.

Nenhum dos três principais candidatos pode eximir-se totalmente de responsabilidade no governo João Henrique, considerados os seus dois mandatos – do início de 2005 ao final de 2008 e do início de 2009 ao final de 2012.

Durante quase todo o primeiro mandato de João Henrique, o PT refestelou-se na administração municipal, ocupando um amplo espaço, tanto antes quanto depois de uma tal “repactuação” defendida com entusiasmo entre os petistas pelo hoje senador Walter Pinheiro e, diga-se de passagem, sem contar com muito entusiasmo do atual candidato petista a prefeito, o deputado Nelson Pelegrino. O governador Jaques Wagner, como ele próprio revelou publicamente, chegou a aconselhar o PT a aceitar João Henrique em seus quadros e na ocasião viu com pesar o seu partido não aceitar o conselho.

O PT teve Secretaria de Governo, teve Secretaria de Saúde (um setor vital no qual se saiu terrivelmente mal, sob todos os aspectos) e muitas outras posições. Reinou quase soberano depois que o PSDB rompeu com a administração municipal e antes do PMDB entrar, quando então teve que compartilhar a influência. Até que, às vésperas da campanha eleitoral para as eleições municipais de 2008, o PT saltou do barco (achava que o prefeito estava impopular e conseguiria vencê-lo) para lançar candidato próprio.
Foi aí que o PMDB segurou firme o leme, remou contra a maré, e chegou espetacularmente à praia do segundo turno em um suado primeiro lugar, décimos à frente do outro classificado, o então deputado petista Walter

Pinheiro, o propositor da “repactuação”.
O democrata ACM Neto ficou no terceiro lugar. Não chegando ao segundo turno e não tendo mesmo como nem porque apoiar o PT, apoiou o prefeito, na época no PMDB. Uma comparação entre os resultados do primeiro e segundo turnos sugere que toda a votação de ACM Neto migrou para João Henrique. Toda. Sem perda de um só eleitor.

Ora, ACM Neto não tinha um controle tão absoluto do seu eleitorado. É que este, em grande parte, era absolutamente refratário ao PT e portanto migrou para o prefeito do PMDB. Para a Saltur e um ou outro lugar menos importante, João Henrique, no segundo mandato, nomeou pessoas politicamente próximas a ACM Neto ou ao DEM.

Ninguém está querendo o apoio ostensivo do prefeito. O PT chegou a pretender o apoio formal, mas esse não era um consenso no partido. Quanto ao apoio do que se convencionou chamar de “máquina”, queria sim, achando que ela vale uns quatro por cento do eleitorado, mas já desistiu, pela impossibilidade de conseguir. Então tentou manobrar com o PP para neutralizá-la, com a reposição da candidatura do deputado pepista João Leão. O prefeito abortou a manobra.

Mário Kertész, do PMDB, há muito está no ataque, não pretendeu nem podia ter o apoio de João Henrique, que, de resto, sofre oposição forte do PMDB desde o rompimento deste partido com o prefeito.
Um apoio discreto da “máquina”, certamente o DEM e ACM Neto também gostariam de ter e pode ser que venham a ter, mas ainda não têm – não está garantido. E os três principais candidatos têm feito críticas, com variações de intensidade, à administração municipal.

Be Sociable, Share!

Comentários

Ju Prado on 18 agosto, 2012 at 14:03 #

Os três partidos tiveram envolvimento, o único candidato que não teve foi Mário Kertész, que sempre foi contrário em seu programa de rádio e só entrou no partido depois que o canalha do JH saiu.


Maria Clara Ribeiro on 18 agosto, 2012 at 16:11 #

Me lembro bem de Grampinho e Pelegrino apoiando JH! Nao me enganam não! Pelegrino indicou secretario de JH e opinou diretametne na prefeitura, e Grampinho se diz o homem da SALTUR que fez os ultimos 5 carnavais de Salvador os melhores dos ultimos tempos! E agora ninguem quer ser amigo do pobre Joãozinho né! Ai ai me deixe viu, o cara ta sujo ninguem quer, agora na hora de mamar todo mundo quer!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos