==============================================

OPINIÃO POLÍTICA

O caso Toffoli

Ivan de Carvalho

Segundo relatou em seu blog o jornalista Ricardo Noblat, ele foi a uma festa em Brasília, cumprimentando, “na chegada e na saída” – esta já na madrugada de sábado – o ministro do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli. Quando deixava a casa em que a festa se realizava, sentiu-se “atraído por palavrões ditos pelo ministro em voz alta, quase aos berros”. Noblat relata na nota que voltou e ficou em um ponto do terraço de onde podia ouvir, “com clareza”, o que Toffoli dizia.

O alvo dos palavrões – escreveu Noblat no blog e depois, no twitter, mencionou testemunhas – era o próprio Noblat. “Esse rapaz é um canalha, um filho da puta” e “ele só fala mal de mim” foram, pelo que postou o jornalista em seu blog, apenas a ignição para o jato de palavrões que, de tão pesados, vou poupar os meus leitores de lê-los aqui mais do que já leram. Poderão ser encontrados, para os mais curiosos ou os que não quiserem confiar na imaginação, com uma rápida ajuda do Google.

Até o início da noite de ontem o ministro Toffoli não havia desmentido o relato de Noblat. E não havia nenhum bando de jornalistas dando plantão em frente da residência do ministro, à espera de um eventual desmentido. É claro que um desmentido de Toffoli, verbal ou em nota oficial, pouco importa, ampliaria extremamente a repercussão do caso. Iria fazê-lo transbordar da Internet para os demais meios de comunicação, sem exceção. E assim muita gente que está alheia ao assunto iria ter conhecimento do incidente, interessar-se e buscar mais informação.

De qualquer maneira, essa ampliação da repercussão não é um dano a que ele deva esquivar-se. A Lei Orgânica da Magistratura estabelece que ao magistrado cumpre ter um comportamento incensurável tanto na vida pública como na vida privada, o que inclui festas do tipo a que Toffoli e Noblat compareceram – junto a muitas outras pessoas – em casa de “um amigo comum”, conforme o jornalista. Assim, Toffoli, para tranquilizar a nação quanto ao comportamento de um ministro da corte suprema, tem as opções de desmentir a chuva de palavrões ou processar o jornalista Ricardo Noblat por difamação. Silenciar pode até ser a alternativa menos incômoda (embora ainda assim muito incômoda), mas é a pior das três.

Bem, permanecendo no assunto, mas mudando de rumo, ocorre-me uma questão pungente. Note-se que um jornalista estava numa festa em que também estava uma das mais altas autoridades do país e, mal ia saindo, foi, conforme seu relato, agredido à larga com palavrões.

Fico imaginando o drama em que, pelo menos de agora em diante vão estar permanentemente os jornalistas brasileiros. Vão eles, por exemplo, a entrevista coletiva concedida por uma autoridade e, terminada a sessão de perguntas e respostas, a bancada de imprensa continua a postos. Não saem os repórteres às pressas para os seus veículos de comunicação ou para os seus laptops ou para a próxima tarefa da pauta do dia.

Ficam os prudentes jornalistas ali, plantados, mais do que desconfiados, com profundo temor de, ao virar as costas, serem xingados, juntamente com suas respectivas mães, e agredidos com palavrões e com as mais indigestas sugestões. Se, no final, resolverem retirar-se, andarão de costas – ou andarão normalmente mesmo, mas de repente se voltarão, na esperança de flagrar as “declarações” mais importantes, ainda que delas sejam alvos ou vítimas.

Be Sociable, Share!

Comentários

danilo on 13 agosto, 2012 at 10:01 #

mas é claro que o Toffóli não vai desmentir. porque é lógico que Noblat gravou as palavras do ministro em seu iphone.

de qualquer jeito, o Brasil está acoelhado diante do lullopetismo. está tudo dominado, e Zé Dirceu venceu a guerra.

e já que elles instituíram o baixo calão, nós estamos fu-di-dê-o-dó…


luiz alfredo motta fontana on 13 agosto, 2012 at 10:25 #

Ufa!!!

Demorou….mas eis que aparece a oportunidade dos diletos jornalistas tratarem um ministro do STF como realmente é, sem as mesuras de “excelentíssimo pra cá” e “douta figura” prá lá.

Toffoli, “o moço”, ao que transpira do relato, é apenas isto, emissor de impropérios quando ausente a vítima.

Quanto ao desmentido, tentou-se via declaração do filho de Sepúlveda Pertence, que negou, dirigindo-se ao Noblat, ter ouvido os brados nada retumbantes, para depois, segundo o mesmo Noblat, desculpar-se.

De resto, por sorte, Marília (SP) tem filhos mais relevantes, vide Sérgio Ricardo.

Espera-se, que doravante, ao lado das mesuras submissas, os ditos jornalistas especializados passem a retratar os ministros como realmente são, ou seja, indicados de um ou outro mandatário de plantão, que, afora as togas e as extensas laudas, traduzem apenas meros mortais.

Ou teremos uma censura pública acomentendo o Ministro Toffoli, por decisão dos outros 10 componentes da corte Suprema? Restabelecendo, assim, a costumeira majestade do cargo?


vangelis on 13 agosto, 2012 at 11:27 #

Isso é que é pleno saber jurídico…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos