========================================

DEU NO TERRA

A cantora mexicana de origem costarriquenha Chavela Vargas morreu neste domingo devido a uma parada respiratório depois que nesta manhã agravou seu estado de saúde, confirmou à Agência Efe seu medico, José Manuel Núñez.

“Ela estava muito consciente até o último momento, expressou seu amor pelo México e disse que leva as melhores lembranças e os aplausos de seu público”, comentou Núñez.

A artista de 93 anos morreu às 12h55 locais (14h55 de Brasília) devido a uma insuficiência respiratória aguda, a uma broncopneumonia crônica e uma falha renal crônica aguçada, detalhou o médico.

Nascida na Costa Rica, Isabel Vargas Lizano se mudou para o México aos 15 anos e iniciou sua carreira quando já tinha 32. Antes havia sido cozinheira, motorista, costureira e vendedora de roupa.

Conhecida por sua voz chorosa e por ter sido amante da pintora Frida Kahlo, Chavela deixou mais de 80 músicas da tradicional canção ranchera mexicana.

No entanto, o consumo excessivo de álcool manchou sua carreira, até ter sido redescoberta em1992 pelo cineasta Pedro Almodóvar, que resgatou seu talento com quase 80 anos, apresentando-a em seus filmes.


Antonija:beleza de modelo na quadra de basquete

==========================================

Deu no Diário de Notícias (Portugal)

No início dos Jogos Olímpicos ninguém fazia a menor ideia de quem era Antonija Misura, agora, é considerada a “musa” da prova. A jogadora de basquetebol da Croácia, de 24 anos, foi eleita pelos adeptos e por várias publicações como a mulher mais bela do torneio e desde que foi descoberta, passou a monopolizar a atenção de todos os fotógrafos em Londres. É que apesar de não ter muitos minutos de jogo ao serviço da sua seleção, bastou a presença dos seus 1,81 metros de altura no banco da Croácia para que a mídia se rendesse aos seus encantos.

Nascida em 19 de maio de 1988, em Sibenik, na Croácia, Antonija recebeu mais ofertas para ser modelo fotográfico do que para ser atleta, mas acabou por optar pelo basquetebol. A bela croata gostaria mais de ser lembrada pelo que faz em jogo do que pelos seus atributos físicos, mas tenta aproveitar o lado positivo da situação. “A minha popularidade pode ajudar as pessoas a conhecerem melhor o basquetebol feminino”, explica ao jornal “La Gazzetta dello Sport”.
——————————————————-

==========================================

ARTIGO

Salve Jorge!

Lídice da Mata

Nessa segunda-feira, 6 de agosto, o Congresso Nacional irá realizar uma sessão solene em homenagem ao centenário desse amado baiano e inesquecível escritor brasileiro por requerimento de minha autoria. Nascido em 10 de agosto de 1912, em Itabuna, conheceu a dura sobrevivência dos trabalhadores rurais do cacau, a arrogância dos coronéis e a violência dos jagunços na constante disputa pelas terras e pelo domínio político. Aos quinze anos, já um jovem adulto, conhecera, no Pelourinho, uma nova realidade urbana que irá povoar seus romances – a vida dos pais e mães de santo, dos estivadores do porto, dos vendedores de peixe da rampa do Mercado Modelo, das crianças abandonadas nas ruas, das prostitutas.

E foi esse território, a Bahia, que ajudou a construir no imaginário nacional e internacional. E foi essa gente, tão marginalizada e oprimida, a quem Jorge Amado deu vez e voz em sua obra, com seus mais de 500 personagens, em seus 21 romances, espalhados pelo mundo e traduzidos em 48 línguas em mais de 52 países.

Como ele mesmo disse certa vez: “A Bahia é meu tema, meu território físico e moral. Sei dela de um saber sem dúvidas, vivido e não observado do lado de fora. Estou do lado de dentro.”

E foi esse saber dividido tão generosamente, com tamanha força e originalidade, que conquistou um lugar único na literatura mundial, dando protagonismo aos afrodescendentes brasileiros. Definia-se assim: “Em verdade sou um obá – em língua iorubá da Bahia obá significa ministro, velho, sábio: sábio da sabedoria do povo.”

Em outro seis de agosto, em 2001, esse guerreiro com seus cabelos já todos brancos, deu seu último suspiro em sua casa no Rio Vermelho, ao lado de sua amada Zélia Gattai, com quem dividiu seus sonhos e toda uma vida. Casa essa, na Rua Alagoinhas 33, que urge que as nossas autoridades federal, estadual e municipal mobilizem-se para preservá-la, transformando-a em um lugar de memória para as futuras gerações sobre esse grande homem a quem a Bahia tanto deve. Nesses cem anos de seu nascimento queremos saudá-lo:

– Salve Jorge, tão amado por todos os baianos!

Lidice da Mata (lidice@lidice.com.br), ex-prefeita de Salvador, é senadora pelo PSB

(Artigo publicado originalmente no Jornal A Tarde, 04/08/2012 )

===============================================
Show do Caetano Veloso, no dia em que morreu Jorge Amado!!! Caetano faz homenagem ao Jorge Amado ao vivo em pleno show de aniversário do artista ( que na terça-feira,7, comemora 70 anos ) cantando Milagres do Povo…

Confira toda a intensidade do momento da notícia recebida por Caetano e a sua interpretação no palco.

Save Jorge!!! Parabéns ao grande artista de Santo Amaro da Purificação

ago
05
Posted on 05-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-08-2012

==================================================

Do total de 140.394.103 eleitores aptos a votar nas eleições municipais de outubro deste ano no Brasil, 51,35% são analfabetos ou não têm o curso fundamental. Outros 27,07% só concluíram o fundamental, 17,58% completaram o ensino médio e, apenas, 4,38% possuem curso superior.
O maior contingente (44.834.433) é o de eleitores que não completou o ensino fundamental, seguido pelo de analfabetos e analfabetos funcionais, ou seja, que só leem e escrevem (26.549.155). Os dados foram divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Analfabetismo e baixa escolaridade entre eleitores brasileiros são fenômenos históricos. Em 1881, durante o Império, o conselheiro Antonio Saraiva foi convocado por D. Pedro II para realizar uma reforma eleitoral. A iniciativa, entre outros objetivos, visava impedir o voto dos analfabetos – maioria do eleitorado.

Os ideólogos liberais e alguns conservadores da época atribuíam o caráter violento e fraudulento das eleições à participação dos iletrados. Estes – alegavam aqueles – sofriam pressões do poder econômico dos proprietários rurais, os quais ofereciam benefícios em troca de voto.

[…] O votante é por via de regra analfabeto […] de político só sabe o seu voto, que ou pertence ao Sr. Fulano de tal por dever de dependência (algumas vezes também por gratidão), ou a quem lho paga por melhor preço, ou lhe dá um cavalo, ou roupa de ir votar à freguesia […]”, descreveu o deputado carioca Francisco Belisário, testemunha da época.
No Brasil Império, mais de 90% da população, quase toda ela analfabeta, vivia na zona rural sob o domínio dos grandes proprietários. Para garantir os votos necessários à escolha dos eleitores de segundo grau -o pleito era realizado em dois turnos- e influir na eleição de deputados e senadores, os senhores mantinham centenas de homens livres e pobres como agregados em suas fazendas.

Em troca de fidelidade eleitoral, ofereciam comida, roupa e proteção. No dia da eleição, confinados em currais e barracões, os votantes eram vigiados por capangas. Alguns proprietários dirigiam-se à igreja matriz, onde se desenrolavam as votações, acompanhados pelos “afilhados”, como descreve o brasilianista Richard Graham, em “Clientelismo e Política no Brasil do Século XIX”. O alto custo dessa empreitada foi um dos motivos para a introdução do voto direto, em 1881.

A reforma, que foi batizada com o nome de Lei Saraiva, após aprovação pela Câmara dos Deputados, além de introduzir o voto direto, tornou obrigatório o título de eleitor e proibiu a participação de analfabetos no pleito. Os mais de um milhão de eleitores registrados, em 1870, foram reduzidos para 150 mil, número que chegou a 100 mil, em 1866, numa população de cerca de 14 milhões de habitantes.

A medida mereceu o protesto de parlamentares como Joaquim Nabuco, mas perdurou até os anos 30 do século XX, durante todo o período da República Velha. Com as alterações introduzidas na legislação eleitoral no Brasil, na década de 30, os analfabetos voltaram a ter direito de voto.

A participação de analfabetos nas eleições brasileiras continua gerando polêmica até hoje. Num quadro onde analfabetismo e pobreza se confundem, alguns acreditam que esse grupo é mais facilmente manipulado por políticos inescrupulosos e mandatários no comando do Estado, através de programas assistenciais, como o Bolsa Família. Este chegou a ser considerado a maior máquina eleitoral de todos os tempos no Brasil pelo cientista político José Murilo de Carvalho.

Rosane Santana é jornalista e professora universitária.

ago
05
Posted on 05-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-08-2012

AGÊNCIA LUSA

O Governo brasileiro aliou a onda de empregos em setores como a construção civil e agronegócios à política para mulheres e decidiu investir dois milhões de reais (800 mil euros) na capacitação feminina para trabalhos normalmente dominados pelos homens.

“A definição das áreas procurou articular os desafios de políticas participativas para as mulheres às procuras de mão-de-obra do setor produtivo local”, explicou à Lusa a secretária responsável pelo projeto, Tatau Godinho.

De acordo com a secretária, o programa foi desenhado em parceria com órgãos locais de desenvolvimento que ajudaram a selecionar as “vocações produtivas” de cada região, identificando também os setores dispostos a oferecer oportunidades para mulheres.

“Essa disposição indica uma abertura cultural importante para o sucesso da iniciativa”, ressaltou a responsável.

Realizado pela Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República, o projeto prevê a capacitação inicial de 400 mulheres para trabalhos em áreas como construção civil, metalurgia e agronegócio.

“São todos setores tradicionalmente ocupados por homens. Não temos estatísticas precisas da participação das mulheres neles, mas é possível constatar, por observação, que esta é ínfima”, observou.

(Deu no Diário de Notícias, de Lisboa)

ago
05
Posted on 05-08-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-08-2012


====================================
Sid, hoje, Metro1

http://youtu.be/V-oDFywsM84
====================================================
” Vivo Sonhando “, de Tom Universal Jobim, com Luiz Henrique, um dos cults da Bossa, a onda que supera modismos e se eleva com o tempo.

BOA NOITE E BOM DOMINGO!!!

(Gilson Nogueira)

  • Arquivos