DEU NO CORREIO DA BAHIA

Da Redação

Após vistoria no prédio da Assembleia Legislativa da Bahia na tarde desta quinta-feira (19), o juiz Ruy Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), decidiu que os professores grevistas da rede estadual de ensino devem deixar o saguão que estão ocupando até às 14h desta sexta-feira (20).

A vistoria no prédio, ocupado pelos professores há cerca de 3 meses, foi feita após pedido de reintegração de posse feito pelo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Marcelo Nilo, que acompanhou a inspeção no local acompanhado do professor Rui Oliveira, presidente do sindicato dos professores (APLB).

Após a inspeção, o juiz constatou que não havia nenhum dano ao patrimônio, mas considerou a ocupação ilegal e entrou em acordo com as partes para a desocupação no dia seguinte. Os professores devem sair levando todos os seus pertences “de maneira pacífica e ordeira, como traduz a conduta dos dignos professores da Bahia”.

Caso haja resistência dos professores, poderá ser utilizada a força policial para que os grevistas desocupem a área, o que deve acontecer pacificamente, segundo o professor Rui Oliveira. Em entrevista após a decisão, o sindicalista disse que “a categoria vai avaliar decisão tomada pelo juiz”.

Os ocupantes estavam sem ar-condicionado e sem acesso aos banheiros nos períodos fora do expediente da assembleia desde a última segunda-feira (16). O prédio também teve o fornecimento de energia e água cortado para pressionar os professores a deixar o prédio. Dormindo em barracas de camping, os professores se negam a sair.

Mais uma tentativa
Em uma assembleia realizada na manhã desta quarta-feira (18), os professores da rede estadual de ensino aprovaram uma contraproposta elaborada pelos grevistas. O documento já foi entregue ao Ministério Público ainda na manhã de ontem, segundo informações de do coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Bahia (APLB), Rui Oliveira. O MP, no entanto, anunciou que não vai mais intermediar as negociações em parceria com o Tribunal de Justiça da Bahia, como estava acontecendo desde a semana passada.

Uma nova assembleia para discutir os rumos do movimento está marcada para a próxima sexta-feira (20). O impasse nas negociações entre o governo do Estado e a categoria continua, e a greve dos professores entra no seu 99º dia.

DEU NO PORTAL R7

Um escrivão da Polícia Federal, Fernando Scuri Lima, foi encontrado morto, em sua própria casa, no Jardim Botânico, região administrativa do DF, na tarde desta quinta-feira (19). Ao lado do corpo, havia uma poça de sangue. Segundo laudo preliminar da Polícia Civil, ele se matou. A arma do policial foi encontrada ao lado do corpo. A mulher do agente, Soraia Pereira Pessoa, foi quem encontrou o marido morto e entrou em contato com o Corpo de Bombeiros.

Lima tinha 35 anos e, segundo a Polícia Federal, era um escrivão móvel (que atuava em vários casos). Por isso, provavelmente teria atuado nas investigações da Operação Monte Carlo, em que o bicheiro Carlinho Cachoeira foi preso.

Segundo o delegado Érito Cunha, Soraia contou que o marido estava depressivo e estava tomando remédios controlados. Mais cedo, ele teria ido ao enterro do colega da PF Wilton Tapajós.

O caso acontece dois dias depois do assassinato do policial federal Wilton Tatajós, de 53 anos, que foi baleado enquanto visitava um túmulo no cemitério Campo da Saudade, na Asa sul, em Brasília.

Tapajós atuou nas investigações de casos de pedofilia, no combate ao tráfico de drogas e nas escutas telefônicas da Operação Monte Carlo, que resultou na prisão e na criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do contraventor Carlinhos Cachoeira. Por esta razão a principal linha de investigação da polícia no momento é execução e queima de arquivo.

DEU NA COLUNA RADAR ON-LINE, DA REVISTA VEJA, ASSINADA PELO JORNALISTA LAURO JARDIM

=================================


================================

Abalada com a repercussão do vazamento de um vídeo em que aparece em cenas de sexo, Denise Rocha decidiu processar o parceiro pela divulgação da gravação.

Com a ajuda de amigos, ela vem monitorando os conteúdos publicados na internet para identificar usuários que estejam disseminando o vídeo íntimo na rede.

Aos mais próximos, Denise disse que “sua intimidade foi invadida”, que as pessoas “estão tentando pegá-la para Cristo” e que, apesar de tentarem transformá-la em “garota de programa do Congresso”, ela é uma mulher séria.

Denise decidiu não dar novas entrevistas sobre o caso. Desde que o vídeo vazou na internet, ela tem recebido a solidariedade dos colegas de Congresso.

Por Lauro Jardim

Um jornalista do jornal britânico The Sun foi detido esta quinta-feira(19) em Londres pela Scotland Yard no âmbito da “Operação Tuleta”, que investiga atos de hacking informático no caso do escândalo de escutas ilegais no império News International, detentor do The Sun e do “News of the World”, que fechou na sequência da polémica.

O jornalista detido foi identificado como sendo Rhodri Phillips, revela o The Guardian. Phillips cobriu até o momento da prisão uma série de temas para o The Sun, incluindo reportagens sobre a família real britânica.

A “Operação Tuleta” investiga o uso de troianos – um tipo de vírus informáticos – que permitem a um hacker entrar no computador de outro utilizador e ter acesso a informações pessoais e a dados sensíveis.

O império News International está envolto num enorme escândalo no Reino Unido desde o ano passado depois de se ter descoberto que os tablóides do grupo terão espiado diversas personalidades britânicas com o intuito de obterem furos jornalísticos.

A polícia metropolitana de Londres indicou que o homem detido esta quinta-feira foi capturado na própria casa, às 06h30, não adiantando mais pormenores acerca das alegadas ofensas que pesam sob o repórter.

O diretor executivo da News International, Tom Mockridge, confirmou por e-mail ao The Guardian que “mais um” dos seus jornalistas “foi detido esta manhã”, acrescentando que a organização dará ao repórter toda a ajuda necessária.

A Scotland Yard deverá fornecer mais pormenores acerca desta detenção durante esta tarde.

Rhodri Phillips é a sétima pessoa a ser detida no âmbito da “Operação Tuleta”, lançada em Julho do ano passado, enquanto processo paralelo às investigações acerca das escutas levadas a cabo no seio do grupo News International.

A detenção de Rhodri Phillips é no entanto a primeira no “The Sun” no âmbito do mesmo caso, apesar de a polícia já ter detido outros jornalistas do mesmo jornal em investigações separadas relacionadas com alegados subornos a agentes estatais. Até ao momento ninguém foi oficialmente acusado.


Assad:ferido ou preparando vingança?/DN

================================
DEU NO DIÁRIO DE NOTÍCIAS (PORTUGAL):

Os membros da oposição síria e diplomatas ocidentais acreditam que Bashar al-Assad deixou Damasco e está na sua residência, em Latakia, uma zona alauita. O objetivo da mudança seria recuperar forças.

“Um membro do nosso grupo é alauita e tem bons contactos no regime, que garantem que Assad foi ferido no ataque de ontem e levado para Latakia”, declarou Jacob Yusuf, porta voz da Comissão de Coordenação Local do bairro de Tadamon, em Damasco, ao jornal espanhol ABC.

Até agora a informação é apenas uma especulação e o mesmo porta voz afirmou que a esposa de Assad está em Moscovo. Ontem vários adversários, como Ammar Qurabi da Organização Nacional para os Direitos Humanos na Síria afirmaram ter visto o avião do Presidente levantar voo do aeródromo militar de Mezzeh.

A Reuters citou um diplomata ocidental que diz que, de acordo com a informação disponível, Assad poderia ficar no seu Palácio em Latakia por vários dias para preparar as retaliações.

Durante os ataques de ontem, muitos moradores de Damasco e vários jornalistas ocidentais foram levados para o edifício de segurança do Governo. A televisão estatal síria confirmou que além dos três mortos na explosão (o Ministro da Defesa Daud Rayilha, o seu antecessor, o General Hassan Tutkmani, e o vice presidente e cunhado de Bashar al-Assad, Assef Shawkat), ficaram gravemente feridos o ministro do Interior Mohammad Shaar e o chefe dos serviços secretos, Hisham Bakhtiar.

Louaty Al Mokdad, que se apresenta como ‘coordenador logístico’ do Exército Sírio Livre, afirmou, ao ABC, que a operação foi levada a cabo por um grupo de membros do exército em coordenação com motoristas e guarda costas de Assad. O regime prometeu vingança. O novo Ministro da Defesa, Fahd Al Freij, prometeu “punir os responsáveis e cortar as mãos daqueles que ameaçam a segurança nacional”.

http://youtu.be/LOKAi-axyiU

===============================

DEU NO YOU TUBE

ENCICLOPÉDIA MUSICAL BRASILEIRA – JACKSON DO PANDEIRO E GORDURINHA
Jackson do Pandeiro / Gordurinha (2000)

A enxurrada de coletâneas e coleções com que as gravadoras estão inundando o mercado fonográfico brasileiro provoca reações diversas. Se por um lado há reclamações e questionamentos (por que não relançam os discos originais?), por outro há o inegável mérito de disponibilizar em CD gravações de épocas ainda mais remotas que os LPs, como os discos de 78 rotações. Neste volume, que reúne o paraibano Jackson do Pandeiro e o baiano Gordurinha, nove das quatorze faixas são datadas entre 1953 e 1960 (as outras cinco são de 1974 a 1978). Portanto é uma excelente oportunidade de ouvir a sonoridade típica dos conjuntos regionais dos anos 50 acompanhando dois “monstros sagrados” que são Jackson e Gordurinha.

O primeiro, muito já se falou de suas incríveis divisões rítmicas sincopadas, de seu suíngue único, de seus cocos empenados e demasiado arretados aos ouvidos “do sul”, acostumados à placidez dos sambas-canções. As sete músicas do disco são ótimos exemplos de tudo isso. Se não chegam a ser raridades (Vou de Tutano, Coração Bateu, Forró em Limoeiro, Sebastiana, O Rei Pelé, Tambor de Crioula e Água com Leite), funcionam como uma espécie de resumo da carreira de Jackson. O clássico Sebastiana, em gravação de 1954, é um coco no estilo que alçou Jackson ao estrelato em todo o país. Nitidamente é possível ouvir o pandeiro sincopado, quebrando o ritmo ao acentuar os tempos fracos, ao lado da sanfona, do violão, triângulo, zabumba e o inevitável corinho (que grita “A-E-I-O-U-Ypsilone”). Quatro faixas depois, Tambor de Crioula, em gravação de 1974, traz, além do regional, alguns efeitos de guitarra elétrica no mínimo curiosos — que fazem pensar em intervenções tropicalistas — e “viradas” de bateria no acompanhamento da voz de Jackson, que conserva o mesmo vigor de 20 anos antes.

Já Gordurinha pode vir a ser uma descoberta para muita gente. A começar pela faixa que abre o disco, Chiclete com Banana, parceria com — não por acaso — Almira Castilho, esposa e companheira de palco de Jackson. A versão de Gilberto Gil (do disco Expresso 2222, de 1972) celebrizou de tal forma a mistura de Miami com Copacabana que ouvir a ótima interpretação — de certa forma profética — do próprio compositor (de 1959) ganha um significado especial, em boa parte devido ao competentíssimo e suingado acompanhamento instrumental. Gordurinha teve seus maiores sucessos regravados por outros artistas nas décadas de 60 e 70. Além de Chiclete, o hilariante Mambo da Cantareira teve uma versão de Jards Macalé e a Súplica Cearense foi gravada por Luiz Gonzaga e até pela cantora Vanusa. A faceta humorista de Gordurinha (exerceu essa profissão no rádio na Bahia, em Recife e na Rádio Nacional, no Rio) aparece ainda em Baiano Burro Nasce Morto, que tem um trecho falado, com direito a risos da platéia. Uma boa combinação de talentos.

(Nana Vaz de Castro)

jul
19


Câmara de Santo Amaro da Purificação
===================================

ARTIGO/CORRUPÇÃO

Globalização, câmaras e corrupção

Rosane Santana

Em fevereiro de 2011, a Câmara Municipal da localidade de Estreito, pequeno município a 750 Km de São Luis, capital do Maranhão, na região Nordeste do Brasil, teve todos os nove vereadores afastados por 180 dias, após denúncia do Ministério Público de desvio de recursos municipais no valor de R$ 198 mil, rateado igualmente entre eles.

Casos como esse se multiplicaram, nos últimos anos, recolocando essas instituições no centro do debate sobre corrupção, especialmente neste momento em que o país se prepara para eleger 5.070 vereadores a mais do que nas eleições municipais de 2008, segundo dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) recém-divulgados.

Ao referir-se à atuação das Câmaras Municipais, em artigo publicado recentemente na Folha de São Paulo (edição de 08/07/2012), o articulista Jânio de Freitas foi enfático: …”as Câmaras Municipais são a fonte da desgraceira política que vai galgando, a partir dali, como trepadeira venenosa, as alturas legislativas -Assembleias Estaduais, Câmara dos Deputados, Senado da República. E destes também para os ramos de governo.”

O britânico Anthony Giddens, um dos mais eminentes sociólogos da atualidade, explica que a globalização, acelerada pela revolução tecnológica a partir dos anos 60 do século XX, ao promover a expansão da democracia em tempo real, põe em xeque as estruturas tradicionais de poder, entre as quais as Casas Legislativas, acima citadas, levando-as a perder influência. Nesse vácuo ocasionado pela perda de autoridade, surgem as denúncias de corrupção.

“Não é por acaso que houve tantos escândalos de corrupção na política pelo mundo afora nos últimos anos. Do Japão à Alemanha, França e EUA ao Reino Unido, casos de corrupção foram notícia”, observa Giddens (Mundo em descontrole pp 77-91).

De fato. No caso brasileiro, uma retrospectiva baseada em farta documentação mostra que a corrupção é fenômeno histórico, somente agora revelado com muita intensidade. Vejamos alguns exemplos, nas Câmaras Municipais, a partir dos primeiros anos da construção do Estado nacional, nos oitocentos, quando essas instituições foram submetidas a um maior controle pelo poder central.

Entre 1833-1834, no século XIX, o presidente da província da Bahia, Francisco de Souza Martins, mandou suspender todos os vereadores da Câmara Municipal de Salvador, por conta de um desfalque nas contas da instituição, “[…] considerando que a tolerância de tantos abusos, se tornará demasiado danosa a subordinação das autoridades subalternas e das outras Câmaras da Província, que com tal exemplo se julgarão também irresponsáveis […]”(RUY, Affonso. História Política e Administrativa da Cidade do Salvador. pp 514-15).

A Câmara Municipal de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo baiano, no mesmo período, foi instada a prestar contas de recursos recebidos dos cofres provinciais para a construção de cadeias: “[…]resta apenas que a Câmara satisfaça a outra exigência da demonstração positiva da aplicação que tivera a quantidade de 1.200 réis recebidos da Tesouraria para a construção de cadeias, que diz a Câmara ter entregue a Máximo Pereira Pita arrematante da obra a qual ainda se acha por concluir-se […]”(Ata da sessão de 24/03/1835.Livros 205-206.Seção Legislativa.APEBA).

Para muitos estudiosos da evolução política do Brasil, os desvios do poder público nascem com o mandonismo local dos proprietários de terra, no primeiro século e meio da colonização, quando se misturam negócios particulares e privados no governo das Câmaras Municipais – unidade administrativa mais importante da colônia. A socióloga Maria Isaura Pereira de Queiroz documenta fartamente o fenômeno no clássico “O Mandonismo Local na Vida Política Brasileira”.

A prática continua, depois da Independência, já no século XIX, época em que os proprietários rurais ocupam outras instituições de representação política e órgãos públicos nas esferas provincial e central do Estado nascente. Muitos dos traços econômicos e políticos daquele período permanecem até os dias de hoje.

No Brasil, além da globalização apontada por Giddens como fator determinante para o aumento das denúncias de corrupção, é preciso considerar a atuação do Ministério Público – que teve suas atribuições ampliadas pela Constituição de 1988 – na fiscalização da aplicação dos dinheiros públicos, bem como o desempenho dos próprios órgãos de controle interno do Estado, que foram aprimorados.

Ressalte-se ainda “o papel da imprensa moderna e a expressão da opinião pública por ação (ou inação) direta, dois elementos do processo real da política democrática que se vêm tornando cada vez mais cruciais” (Hobsbawm, Eric. Globalização, democracia e terrorismo p.107) e, por isso mesmo, alvo da fúria de muitos políticos e suas teorias conspiratórias, as quais o historiador atribui “à vulgaridade intelectual da retórica pública” dos mesmos.

Rosane Santana, jornalista, mestre em História pela UFBA, professora universitária no sul da Bahia

jul
19
Posted on 19-07-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 19-07-2012


==================================
Dálcio, hoje,no Diário do Povo (Campinas-SP)


Nilo poupa Wgner em jogo de risco com professores
=================================

OPINIÃO POLÍTICA

Desocupação da Assembléia

Ivan de Carvalho

Há uma forte expectativa e indisfarçável tensão política enquanto se aguarda uma decisão na ação de reintegração de posse ajuizada pela Procuradoria Jurídica da Assembléia Legislativa, cujo chefe, procurador Graciliano Bonfim, recebeu para isto recomendação do presidente da Casa, Marcelo Nilo. A ação, com pedido de medida liminar, tem como alvo os professores estaduais que, sob o comando da APLB-Sindicato, ocupam uma área do principal prédio do complexo de edifícios do Poder Legislativo.

Já abordei o assunto aqui, mas cabem novas observações. O juiz da Fazenda Pública estadual responsável pelo processo parece bem consciente não só dos aspectos jurídicos, mas também da densidade política do caso, bem como da possibilidade de consequências políticas e até materiais de sua decisão. Assim, parece agir com redobrada cautela, o que explica o fato de ainda não haver concedido nem negado a liminar e de haver, até surpreendendo as partes, determinado uma inspeção no local, a ser realizada hoje.

O juiz estuda o terreno. O grau de radicalização a que chegou o movimento conduzido pela APLB cria a hipótese de trabalho de ocorrência, no momento da retirada forçada sob força policial (quando lhes foi dado pela Assembléia, prazo de 15 horas, já vencido, os grevistas avisaram que não vão sair) de incidentes e cenas que podem fazer a delícia de fotógrafos e cinegrafistas.

Marcelo Nilo pode dizer à exaustão que é o dono solitário da iniciativa de forçar a retirada mediante ordem judicial – mas ninguém acredita. Seria colocar um problema alheio no próprio colo. A convicção generalizada é de que toda a ação atende a um pedido do Executivo, que seria irrecusável, tendo em vista a sintonia fina que o presidente da Assembléia faz questão de ter com o governador.

A análise política geral que se faz é de que a greve do magistério estadual está causando um enorme estrago para o conceito do governo junto à opinião pública, no interior e na capital. A greve da Polícia Militar e a insuficiência de estrutura para enfrentar a seca foram também causas específicas de tal desgaste, junto com as dificuldades orçamentárias que o Estado da Bahia atravessa. Mas em Salvador o desgaste é sabidamente mais difícil de reverter e, segundo divulgou ontem o Blog do Noblat, a “desaprovação” do governo estadual em Salvador é de 58 por cento, segundo pesquisa encomendada pelo prefeito João Henrique, do PP.

Há um outro problema nessa história. Ao decidir agir para eliminar o foco grevista representado pela “ocupação da Assembléia”, o presidente Marcelo Nilo está tentando, com grande desgaste para si mesmo, resolver um problema para Executivo. Isto só faz aumentar seu crédito junto ao governo, que já era grande por causa de fatos anteriores.

Além disso, segundo tem declarado, Marcelo Nilo é candidato a governador “se tiver o apoio do governador Jaques Wagner” e há uma chance real de que participe, em alguma posição, da chapa majoritária (governador, vice e um senador) situacionista em 2014. Mas isto depende de obter seu quarto mandato consecutivo de presidente. E um de seus trunfos para isso é o apoio da oposição, que se arrisca agora até a perder, visto que a oposicão têm apoiado os professores em greve e se manifestou rigidamente contrária à desocupação forçada da Assembléia.

Enquanto isso, os deputados governistas evaporaram. Os únicos apoios recebidos vieram em e-mail do deputado estadual Mário Negromonte Jr. e em telefonema do deputado federal Lúcio Vieira Lima, que não é governista.

jul
19
Posted on 19-07-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 19-07-2012


===============================
Sabe de Mim

Composição: Sueli Costa

Nana Caymmi

sabe de mim
mais que eu possa me reconhecer
na vitrine, no espelho
nos olhos da gente
que um dia talvez me identifiquei
sabe de mim
o avesso e o verso encoberto
essa dor que não tem jeito
bobagem a gente tentar mais um copo
ela não vai passar
sabe que eu fui sincera
e fui mais aquela inútil e inocente
sabe de mim
mas parece que bebe

=====================
BOA NOITE!!!

(VHS)

  • Arquivos