jul
15
Postado em 15-07-2012
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 15-07-2012 18:08


===============================================

DEU NO ESTADO DE S. PAULO

TIAGO DÉCIMO

ALAGOINHAS / BAHIA

Um dito popular em Alagoinhas, cidade 128 quilômetros ao norte de Salvador, prega que quem prova a água do local não vai mais embora. Demorou, mas empresas produtoras de bebidas começaram a perceber que a apresentação não é apenas uma demonstração do caráter acolhedor dos habitantes do município.

A água da cidade, proveniente do Aquífero de São Sebastião, tem qualidades capazes não só de encantar visitantes, mas também de atrair investimentos e aumentar produção e lucros das indústrias. O próprio nome Alagoinhas, cunhado no século 17, antes da criação da freguesia que deu origem ao município (emancipado em 1853), faz referência à água abundante no então ponto de encontro e descanso de viajantes que seguiam do litoral para o semiárido baiano. Além dos rios e lagos da área, a água brotava em grande quantidade do chão, quando escavado.

Apenas, agora, mais de 150 anos após a criação do município, a maior vocação natural da cidade começa a ser explorada.

“Temos uma das melhores águas do mundo, facilidades logísticas e um mercado nordestino em crescimento e com potencial para crescer mais”, orgulha-se o prefeito de Alagoinhas, Paulo Cézar Simões (PDT). “As empresas de bebidas começaram a perceber as vantagens de investir aqui.”

O pontapé inicial foi dado pela Schincariol, hoje controlada pela japonesa Kirin Holdings, que há 15 anos instalou uma fábrica no município, às margens da BR-101, depois de pesquisas em diversas áreas do País. “O Aquífero de São Sebastião, rico em quantidade e qualidade, foi um dos principais motivos pelos quais a Schincariol foi instalada no local”, diz o especialista em Recursos Hídricos da Schincariol, Hamilton Luiz Guido.

A empresa reinou sozinha na região – o que a ajudou a chegar à liderança do mercado nordestino de cervejas – até agora. No dia 3 de julho, a população da pacata cidade comemorou a notícia de que o Grupo Petrópolis, dono das marcas Itaipava e Crystal e maior rival da Schin na disputa pela vice-liderança do mercado brasileiro de cervejas (dominado pela Ambev), assinou o protocolo de intenções para a instalação de mais uma cervejaria e um centro de distribuição no município. A empresa espera que o investimento de R$ 1,1 bilhão permita iniciar a produção de 600 milhões de litros em maio do ano que vem, absorvendo 3 mil colaboradores. Para os moradores da cidade, a notícia foi motivo de festa.

“Queremos 16% do mercado nordestino em cinco anos”, diz o diretor de Mercado da empresa, Douglas Costa. Hoje, a participação de mercado da Petrópolis na região não passa de 0,5%. A chegada do Grupo Petrópolis a Alagoinhas promete deflagrar uma guerra de cervejarias, mas outras empresas do ramo de bebidas não alcoólicas também querem aproveitar a água de Alagoinhas. O município foi o escolhido pela peruana Industrias San Miguel (ISM), líder na venda de refrigerantes em seu país, para fazer sua estreia no Brasil.

Riqueza

A cidade virou polo regional após dois grandes ciclos de desenvolvimento, ambos relacionados à posição geográfica. O primeiro teve como catalisador a criação, entre o meio e o fim do século 19, de duas linhas ferroviárias ligando Salvador a outras regiões do Nordeste, que confluíam em Alagoinhas. Uma delas é controlada, hoje, pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), da Vale.

O outro teve início em meados do século 20 e foi resultado do cruzamento, no município, de duas importantes rodovias federais, a BR-101 – que atravessa o País no sentido Norte-Sul, pelo litoral – e a BR-110, que liga a região metropolitana de Salvador ao litoral do Rio Grande do Norte, atravessando o interior nordestino. Seguiram-se movimentos menores, como o do petróleo, após a descoberta, na década de 1960, de pequenos poços na região, e o da agricultura de frutas cítricas, que fez a cidade ganhar a alcunha “terra da laranja” na Bahia.

A fábrica da Petrópolis está praticamente pronta, nas proximidades da rival Schincariol, após investimentos iniciais de R$ 50 milhões, e começa a fazer os primeiros testes de produção. A unidade terá capacidade de produção de 4 milhões de litros de refrigerantes, energéticos e água mineral por ano.

Pureza

“A qualidade e o volume da água foram os fatores mais determinantes para a empresa escolher o município”, diz o diretor Comercial da peruana ISM, Francisco Galdos. “A água da região apresenta uma correta proporção de sais e alta pureza, que praticamente eliminam a necessidade de tratamentos adicionais”, conta. “Além disso, a região não tem outras indústrias que possam potencialmente comprometer a qualidade dos poços.”

Segundo estudos feitos pelo grupo ISM, os principais índices de impureza da água medidos no ponto onde a planta está instalada, os de alcalinidade e dureza, foram muito menores em Alagoinhas do que nas outras indústrias da empresa, localizadas no Peru e na República Dominicana. Com menos impurezas, os investimentos necessários para tratar a água são menores. O volume disponível para uso, 1,04 milhão de litros por dia, também é maior que o das outras plantas.

(LEIA REPORTAGEM NA ÍNTEGRA NO eSTADÃO)
http://www.estadao.com.br/noticias

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos