Demostenes:último desempenho no Senado
Foto: Geraldo Magela/Ag. Senado

========================================

O Senado cassou nesta quarta-feira (11) o mandato de Demóstenes Torres (ex-DEM-GO, atualmente sem partido) por quebra de decoro parlamentar. A cassação veio pouco mais de quatro meses após a prisão do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, em uma operação da Polícia Federal que investigou as relações do bicheiro com vários políticos, policiais e empresários.

Foram 56 votos a favor da cassação, 19 votos contra, 5 abstenções e 1 ausência. Eram necessários 41 votos para que a cassação fosse aprovada.

A sessão do Senado que cassou o mandato de Demóstenes começou às 10h10 e durou pouco mais de três horas.

Com a cassação, o ex-líder do DEM fica inelegível até 2027 (oito anos após o fim da legislatura para o qual foi eleito), quando terá 66 anos. Além disso, ele perde o foro privilegiado e seu processo poderá deixar de ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal para ser julgado apenas pela Justiça Federal de Goiás.
Ver em tamanho maior
Veja frases de Demóstenes Torres, antes e depois da crise

Foto 22 de 23 – 10.jul.2012 – “Agora sobrevivente de uma atrocidade sem precedentes, me sinto mais maduro para legislar”, disse Demóstenes Torres no dia que antecede a votação no plenário do Senado que pode cassar seu mandato Mais 10.jul.2012 – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A trajetória do então senador era marcada por críticas pesadas a políticos desonestos. Demóstenes era um dos primeiros parlamentares a criticar a falta de ética de colegas e de membros do governo.

Sobre Renan Calheiros, por exemplo, o goiano disse: “É intolerável sob qualquer critério que o presidente utilize a estrutura funcional do Congresso para cometer crimes”, criticando o colega acusado de cometer irregularidades em 2007.

Nem seu próprios companheiros de partido eram poupados. “Defendo sempre a expulsão sumária”, disse o então senador Demóstenes Torres sobre o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, envolvido em 2009 no escândalo do mensalão do DEM.
Sessão de cassação

A sessão do Senado que culminou na cassação começou às 10h desta quarta-feira.

O primeiro a discursar na tribuna foi o senador Humberto Costa (PT-PE), que foi relator do caso no Conselho de Ética e encaminhou seu parecer pela cassação de Demóstenes. Depois dele, falou senador Pedro Taques (PDT-MT), que foi relator na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado). Após a fala dos dois, discursaram os demais parlamentares que se inscreverem, começando pelo senador Mário Couto (PSDB-PA).

Em sua defesa, tanto Demóstenes quanto seu advogado criticaram a imprensa.

“Hoje cai o rei de espadas, cai o rei de ouros, cai o rei de paus, não fica nada”, disse Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), lembrando Ivan Lins, ao falar na tribuna do Senado nesta quarta-feira (11). Alvo de processo de cassação no Conselho de Ética da Casa, o parlamentar se comparou a Jesus Cristo, disse que foi perseguido como “um cão sarnento” e afirmou que a Casa praticará política de dois pesos e duas medidas se o cassar, já que sua situação é similar à do relator de seu processo, Humberto Costa (PT-SE).

O senador goiano é alvo de processo de cassação no Conselho de Ética do Senado. Contra ele, pesam suspeitas e matérias na imprensa que o ligam ao bicheiro Carlinhos Cachoeira. Demóstenes disse que o volume de denúncias envolvendo seu nome é infundado e coisa de pessoas que “não tendo mais o que fazer, começaram a dizer isso e aquilo”.
“Como vou me defender disso? É como acusar uma mulher de vagabunda. Tudo que ela disser estará equivocado.”

Em seu discurso, Demóstenes lembrou que o relator de seu caso no Conselho de Ética, Humberto Costa (PT-PE), foi acusado de envolvimento na máfia dos Sanguessugas –esquema de liberação de emendas para a compra superfaturada de ambulâncias– quando era ministro da Saúde.
Baluarte da ética

Procurador de Justiça, professor universitário, jornalista, advogado, presidente do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Justiça, secretário de Segurança Pública e Justiça de Goiás, senador, líder de partido e, finalmente, suspeito de ser membro de um esquema de corrupção ligado ao jogo. A trajetória de Demóstenes Torres foi meteórica. Oposicionistas o consideravam um bom candidato a vice-presidente em 2014. Governistas o respeitavam. Hoje, ele deixa a arena política pelos mesmos vícios que já apontou em colegas que nunca se afastaram do poder.

(Com informações do UOL)

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 11 julho, 2012 at 16:45 #

Resultado esperado

De resto:

Temos a versão genérica de Demóstones, Pedro Taques, nenhuma alusão quanto aos tropeços éticos, apenas veste o mesmo figurino de vestal e o comportamento agressivo de mero promotor público, encantado com a própria voz e o indefectível discurso acusatório, confundindo senado com tribunal do juri

E, não menos notória, a cereja do bolo, traduzida pela expressão fúnebre do relator, Humberto costa, ao ver sua vida pregressa exposta


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos