jun
02
Postado em 02-06-2012
Arquivado em (Artigos) por vitor em 02-06-2012 17:15


Jobim sobre Gilmar:”Acabou, não falo mais com esse cara”
===================================
Jorge Moreno Bastos

O Globo

Eu sabia que essa confusão toda sobraria para alguém, Gilmar Mendes e Jobim haviam concebido um interessante projeto de resgate da memória da Constituinte Haveria, na segunda-feira passada, a gravação de um depoimento do próprio Jobim Ele não apareceu Tentei saber E ele, sem se fazer de rogado: – Acabou! Não tem mais sentido esse projeto!

– Por quê? – perguntei desolado. – Não, não, acabou! Não falo mais com esse cara! Depois do que ele fez, não quero mais conversa! – Mas os senhores são tão amigos! – ponderei. – E esse assunto acabou! Não falo mais sobre isso! E eu insistindo: – Dizem que o senhor teria confirmado tudo a amigos – provoquei. – Não quero saber disso! Esquece. Eles que são brancos que se entendam – respondeu-me um já quase estourado Nelson Jobim.

Diante do conselho desse mulatão, resolvi então recolher meus flaps. Fui para o primeiro bar da esquina, discutir futebol com meus irmãos de cor Heraldo Pereira e FH.

O imbróglio Gilmar/Lula/Jobim é o maior “pot-pourri” de equívocos e desencontros da História republicana. Lamentável sob todos os aspectos. Não só pelas sequelas à harmonia dos poderes, mas, principalmente pelo rompimento em dominó da amizade entre seus atores. Antes do desastrado encontro, realmente, emprenhado por áulicos, Lula parecia acreditar mesmo nos boatos de que Gilmar tinha dívidas a acertar com a CPI do Cachoeira.

Depois da reunião no escritório de Jobim, Lula saiu convencido e aliviado: a contundente negativa de Gilmar não permitia dúvidas. Gilmar, é verdade, achou esquisita aquela conversa, mas não deu a ela a importância que daria muito depois.

Então, o que houve de tão grave para Gilmar só reagir dias depois do encontro? A informação atrasada de que Lula suspeitara da sua viagem a Berlim.

Onde Lula errou? Na mania do ser humano de ouvir o galo cantar, sem saber onde. Lula sabia que o galou cantou em Berlim. Mas acreditou no que venderam a ele: viagem secreta para se encontrar com Demóstenes.

Se o ex-presidente tivesse ligado antes para o embaixador Everton Vieira Vargas, saberia que a passagem de Gilmar e Demóstenes por Berlim teve a chancela da própria representação do governo brasileiro na Alemanha.

Os dois estavam na lista de convidados de Vargas para um almoço, às 13 h, do dia 20 de abril de 2011, na embaixada brasileira. Viagem mais secreta que essa seria impossível.

Os maiores perdedores dessa confusão são os próprios réus do mensalão. Conhecido pelos votos eminentemente técnicos, muitos dos quais já favoreceram o PT, Gilmar, agora, necessariamente terá que proferir um voto político. Para não deixar a impressão de que capitulou.

Como as mulheres são diferentes. No dia 26 de abril, enquanto os maridos Gilmar e Lula se estranhavam, Guiomar Mendes e Letícia da Silva trocavam presentes.

Ulysses Guimarães gostava de repetir seu ídolo André Malraux: “Ninguém vai ao Rubicon para pescar”. Vivo, certamente completaria: “Lula não foi ao encontro de Gilmar só para comer goiaba da fruteira de Jobim”.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 2 junho, 2012 at 18:54 #

Tisk Tisk

Coisa de menino que posa com sucuri pensando que é herói


Ivan de Carvalho on 3 junho, 2012 at 1:30 #

Certeira a lembrança de André Malraux. E inigualavelmente conclusiva a imaginária frase de Ulysses Guimarães sobre o encontro de Lula-Jobim-Gilmar Mendes: “Lula não foi ao encontro de Gilmar só para comer goiaba da fruteira de Jobim”.


Marcos on 3 junho, 2012 at 3:54 #

Moreno, depois que você ver as gravações da polícia federal nas quais o Cachoeira conversa com seus capangas que dizem que estão vindo o Demóstenes e o Gilmar da Alemanha e que querem um avião, ai você terá uma opinião muito diferente, você não diria “Lula parecia acreditar mesmo nos boatos de que Gilmar tinha dívidas a acertar com a CPI do Cachoeira”.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos