maio
30
Postado em 30-05-2012
Arquivado em (Artigos) por vitor em 30-05-2012 00:29

====================================


OPINIÃO POLÍTICA

Mensalão, herança maldita

Ivan de Carvalho

Pouco está faltando para o Brasil político mergulhar em um ensaio geral do Apocalypse.

Não bastava a perspectiva, que vai ganhando características de certeza, de que o julgamento do Mensalão, com seus atuais 36 réus, se verifique ainda neste ano de eleições, ao contrário do que desesperadamente desejam os réus e seus padrinhos políticos. O fato de ser este um ano de eleições não era o elemento principal da torcida e do ingente esforço que vem sendo feito para empurrar o julgamento para o ano que vem.

Afinal, 2013 é bem mais perto de 2014 e as eleições de 2014, para deputados estaduais e federais, um terço do Senado Federal, governadores e presidente da República, com seus respectivos vices, são incomparavelmente mais importantes. Assim, eleitoralmente, o julgamento do Mensalão este ano talvez seja muito menos inconveniente para o entorno político dos mensaleiros do que em 2013. Pois que se somente no ano que vem se realizar, a lembrança do caso estará bem mais viva quando acontecerem as eleições de 2014.

Importante a nação entender que a grande vantagem de empurrar o julgamento para 2013 é jurídica. Os crimes de penas menos pesadas prescreverão e os acusados por eles – nos casos em que não tiverem de responder também a crimes com penas de prisão mais longas – nem serão julgados. As acusações contra eles cairão na preliminar da prescrição. O que mais se busca, portanto, com o retardamento do julgamento é a impunidade. Que poderia ser talvez melhor servida com a aposentadoria compulsória de dois ministros e sua substituição por dois novos.

Ora, para desviar o foco do julgamento do Mensalão, o governismo decidiu criar a CPMI do Cachoeira, para investigar um tema que a Polícia Federal investigara exaustiva, mas não completamente. Claro que a oposição apoiou a CPI. Mas o governo cuidou de manter absoluto controle da comissão parlamentar mista de inquérito, no comando e na composição.

Apesar disso, e ainda de resistir à convocação de três governadores apontados como envolvidos com o personagem principal, Carlinhos Cachoeira, a CPMI foi obrigada pelos fatos a tomar o freio nos dentes e quebrar o sigilo da Delta Construções em âmbito nacional. A Delta é a empresa líder das obras do PAC, programa lançado no segundo mandato de Lula e que continua no atual governo. É a primeira complicação importante para o governismo na CPI.

Bem, como parte do ensaio geral a que me referi nas primeiras linhas, houve o estonteante e estupefaciente encontro de Lula, Nelson Jobim e do ministro Gilmar Mendes, do STF, seguido das denúncias gravíssimas feitas por Mendes, entre outros, ao presidente do STF, ao procurador geral da República e à revista Veja. Evidentemente contestadas. O leitor quer mais arranca-rabo no ensaio geral? Pois tem. Segundo Gilmar, Lula estava espalhando boatos sobre uma viagem sua à Alemanha. Ontem ele exibiu documentos aos jornalistas e deu explicações detalhadas, sugerindo ainda que os jornalistas buscassem outras no STF.
Ah, no Rio Grande do Sul um procurador da República, Manuel Pestana, por iniciativa própria, encaminhou representação à Procuradoria Geral da República, pretendendo que Lula seja responsabilizado criminalmente pelo Mensalão. Ontem já começava na rede petista na internet uma guerra contra o procurador Pestana.

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 30 Maio, 2012 at 9:46 #

Caro Ivan, o pior do Brasil é que tudo fica no ensaio e a peça nunca vai a cartaz. Eu preferiria mil vezez o apocalipse e um novo recomeço. Quem sabe, assim, pudéssemos chegar a algum lugar. Mais uma semana, tudo estará esquecido. Verá!


Ivan de Carvalho on 30 Maio, 2012 at 19:59 #

Tem razão, Rosane.
Mas não desespere. Se você quer mesmo mudança total, vamos ter, o Apocalypse de verdade parece estar bem próximo. Que vai acontecer, não duvide.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos