maio
15
Postado em 15-05-2012
Arquivado em (Artigos) por vitor em 15-05-2012 17:54


Fuentes:”um mexicano universal”/Foto: AFP

========================================

O escritor Carlos Fuentes morreu esta terça-feira (15) na cidade do México, onde se encontrava internado no hospital de los Ángeles del Pedregal.O Ministério da Cultura mexicano confirmou o óbito noticiado há cerca de uma hora pela CNN. Segundo a AFP, o presidente Felipe Calderón deixou uma mensagem na sua conta no Twitter: “Lamento profundamente o falecimento do nosso querido e admirado Carlos Fuentes, escritor e mexicano universal. Descanse em paz”.

O Prémio Cervantes (1987) e Prémio Príncipe de Astúrias (1994) morreu de problemas cardíacos, aos 83 anos. Tinha começado a escrever aos 29 anos e seu último romance “Adão no Éden” foi publicado recentemente em lingua portuguesa pela Porto Editora, de Portugal.

“’Adão no Éden’ não é uma novela inovadora no tema, recorrente no trabalho de Carlos Fuentes”, escrevia Fernando Sousa no Ípsilon de 11 de Maio de 2012. “É possível encontrar os mesmos cenários e personagens semelhantes em ‘La tierra más transparente’, a sua primeira obra, de 1958, um texto que é uma espécie de inventário da sociedade mexicana; em ‘Artemio Cruz’ (1962), reflexões-à-beira da morte de um antigo revolucionário convertido num político de esquemas, corrupto e corruptor, que à hora de desaparecer conta o passado com a sinceridade própria de quem já não tem nada a perder; e em ‘La silla del Àguila’, nova radiografia do poder onde Fuentes imagina o seu país no ano 2020.”

E acrescentava o crítico: “Mas é na sua inspiração literária uma obra apoteótica no estilo que o autor adoptou para nos mostrar o que o México, o México sinistro, lhe mostrou a ele em mais de oito décadas, uma obra que remete por assim dizer para as inaugurais, as dos primeiros anos de escrita, quando a sua estrutura ainda se desenvolvia. Uma obra-mestra.”

Uma obra de referência

Uma das referências da literatura latino-americana há meio século, autor de “A região mais transparente” (1958), o escritor recebeu diversos prêmios internacionais em suas quatro décadas de atividade literária, o último foi o título de doutor Honoris Causa da Universidade das Ilhas Baleares, Espanha.

Filho de um diplomata mexicano, Fuentes nasceu por acaso no Panamá e passou seus primeiros anos em Quito, Montevidéu e Rio de Janeiro, indo viver mais tarde nos Estados Unidos e passando as férias escolares no México, onde estimulado por seu pai passou a defender suas raízes mexicanas.

Entre suas obras mais famosas estão “A morte de Artemio Cruz” (1962); “Aura” (1962); “Terra Nostra” (1975) e “Gringo Velho” (1985).

Fuentes era casado com a jornalista mexicana Silvia Lemús, com quem se casou pela segunda vez nos anos 1970, união da qual nasceram seus filhos Carlos Rafael, que era hemofílico e morreu em 1999 aos 25 anos, e Natasha, que morreu alguns anos depois aos 32 anos por causas desconhecidas.

“Um abraço a Silvia Lemús, neste momento difícil”, postou em sua conta do Twitter a diretora do Conselho Nacional para a Cultura e as Artes (Conaculta), Consuelo Sáizar.

(Com informações da AFP, CNN e Público (Lisboa).

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos