maio
08

==================================================================


OPINIÃO POLÍTICA

Ainda a sucessão em Salvador

Ivan de Carvalho

O processo sucessório municipal em Salvador está avançando, com alguns passos importantes, especialmente nas oposições, onde já está anunciada a coligação DEM-PSDB e falta apenas anunciar o candidato, que será, salvo gravísssimo acidente de percurso, o líder da oposição na Câmara dos Deputados, ACM Neto, candidato que lidera amplamente as pesquisas eleitorais e dispõe de uma estrutura política bem mais expressiva que a do PSDB na capital baiana.

O gravíssimo acidente de percurso seria o deputado tucano Antonio Imbassahy, ex-prefeito de Salvador por dois mandatos depois de ter sido governador da Bahia, usar o controle que tem sobre a seção municipal do PSDB de Salvador para lançar-se candidato a prefeito, contrariando decisão da executiva estadual, que recomendou não haver candidaturas concorrentes a prefeito na capital entre o Democratas e o PSDB.

Esta hipótese só está sendo citada aqui porque foi levantada na mídia, mas é inverossímel. Imbassahy tem um mandato na Câmara dos Deputados em cujo exercício vem apresentando excelente desempenho. É um político conhecido e com prestígio na capital e naturalmente, dentro de uma negociação DEM-PSDB, lhe será dado o melhor tratamento possível. Até porque seu apoio à candidatura de ACM Neto é considerado de grande relevância.

Uma vez já definida a aliança DEM-PSDB, o PMDB tem três alternativas. A primeira e preferida é contar com o radialista e ex-prefeito Mário Kertész para ser seu candidato, mas Kertész se dispôs à candidatura em caso de unidade das oposições e, não tendo esta se realizado, é uma incógnita ainda se ele aceitará disputar ou não.

A segunda alternativa do PMDB é apoiar uma candidatura da base do governo estadual, mas concorrente da candidatura petista de Nelson Pelegrino. No momento, o que está à disposição para isto é a candidata Alice Portugal, do PC do B, que jura (não sobre a Bíblia, mas jura) que sua candidata não desistirá. Mas não se pode descartar a hipótese de apoio à senadora Lídice da Mata, do PSB, se ela resolver tentar voltar à prefeitura. Lídice ainda não é alternativa para o PMDB, pois sua candidatura é só uma hipótese.

A terceira alternativa do PMDB se apresentará se Kertész decidir não concorrer – de vez em quando ele diz que está “muito bem onde estou”, isto é, trabalhando como radialista e no comando do Grupo Metrópole –, Alice Portugal e seu PC do B quebrarem as juras e a senadora Lídice não passar da espreita ao bote. Neste caso, a alternativa para o PMDB é um completo mistério.

Ah, o presidente da seção municipal do PDT, deputado Marcos Medrado, acaba de fazer o que todos esperavam que ele faria, tendo em vista, não apenas as circunstâncias atuais, como principalmente os antecedentes – em toda eleição municipal, ele põe-se candidato a prefeito para desistir mais adiante. Já é uma tradição, mais do que isso, um vício. Desta vez, ele desistiu e apoiou o deputado Pelegrino, do PT. Dois dias antes estava todo enfeitado para apoiar ACM Neto, o que lhe valeu um carão público do presidente estadual do partido, Alexandre Brust. Que queria o PDT com candidato próprio a prefeito, segundo diretriz da direção nacional. Brust está viajando e, quando chegar, pode dar outro carão em Medrado. Ou não. Mas o carão já não mudará nada.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos