http://youtu.be/EfwfrQbXR4M
==========================================================
“Uma joia da recordação”, como anotou um ouvinte do vídeo na área de comentário do You Tube. Confira.

BOA NOITE!!!

(Vitor Hugo Soares)


Andressa:”Deixa só para o Cachoeira”

==========================================================

DEU NA UOL

A mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, afirmou em entrevista ao jornal “O Globo” que foi convidada para posar nua, mas que recusou a proposta.

“Eu fui convidada [para posar nua pela revista “Playboy”]. Mas não vou dar esse gostinho, não! Deixa só para o Cachoeira. Eu contei do convite e ele gostou, morreu de rir. É bem-humorado e espirituoso. Me ligaram convidando para ir conhecer a empresa, ver como é a produção da revista, foram supereducados. Mas eu agradeci e disse que meu papel, nesse momento, não é esse”, disse.

Andressa ganhou destaque na imprensa após a prisão do marido, em fevereiro, depois que operações da Polícia Federal apontaram uma ligação dele com um esquema de jogos ilegais e outros crimes. As denúncias resultaram na abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Congresso.

A dez dias do depoimento de Cachoeira na CPI, sua mulher disse que ele “está em paz, muito bem, muito equilibrado”.

“Ele está muito bem orientado por três advogados: a doutora Dora Cavalcanti, o doutor Márcio Thomaz Bastos e o doutor Augusto Botelho. Eu tenho certeza de que ele não quer prejudicar ninguém. Ele não é uma pessoa fria. Mas também não está nervoso”, afirmou.

Segundo o Blog do Josias, a entrevista de Andressa , espécie de pombo-correio do marido, vai na contramão do que ela disse há uma semana: “Ele pode explodir. Ele é um leão enjaulado. Ele pode explodir porque é uma pessoa que está presa, sentindo-se injustiçada. […]. Ele se sente bode expiatório.”


Sergio Amaral:acidente em Goiás

======================================================

DEU NO UOL

O ex-ministro e diplomata Sérgio Amaral, 67, se envolveu na noite de sexta-feira (4) em um acidente na BR-414, em Goiás. O carro conduzido por Amaral bateu de frente com uma moto. O motociclista morreu na hora. O ex-ministro permanece internado neste sábado e seu estado de saúde é estável.
Eduardo Anizelli – 18.jul.11/Folhapress
Ex-ministro Sérgio Amaral
Ex-ministro Sérgio Amaral

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o Gol conduzido pelo ex-ministro foi encontrado na pista contrária, o que leva a crer que o carro invadiu a faixa por onde trafegava o motociclista.

O condutor da moto foi identificado como Ari Rodrigues da Silva, 43. Ele era agente penitenciário e desde janeiro era diretor da unidade prisional de Formosa (na divisa com o Distrito Federal), segundo a Agência Goiana do Sistema de Execução Penal.

Ainda segundo a PRF, o trecho onde ocorreu a colisão, na altura do km 379, em Cocalzinho de Goiás (130 km de Goiânia) é bem conservado, mas tem tráfego intenso. No momento do acidente –por volta das 21h–, o tempo estava bom, sem registro de chuva ou neblina.

A PRF afirma que o ex-ministro não aparentava estar alcoolizado, mas os agentes no posto do órgão em Anápolis, que atendeu a ocorrência, não souberam informar se o teste do bafômetro foi realizado.

Amaral foi levado com ferimentos leves para o Hospital de Urgências Dr. Henrique Santillo, em Anápolis. Na manhã deste sábado (5), o hospital informou que o paciente continuava internado na enfermaria.

De acordo com a PRF, será feita uma perícia no local para determinar as causas do acidente.

Amaral foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio no governo Fernando Henrique Cardoso de agosto de 2001 a dezembro de 2002. No mesmo governo, foi ministro-chefe da Secretaria de Comunicação e porta-voz da Presidência da República entre 1995 e 1999.

=============================================

BOM CONSELHO

Composição: Chico Buarque

Ouça um bom conselho
Que eu lhe dou de graça
Inútil dormir que a dor não passa
Espere sentado
Ou você se cansa
Está provado, quem espera nunca alcança

Venha, meu amigo
Deixe esse regaço
Brinque com meu fogo
Venha se queimar
Faça como eu digo
Faça como eu faço
Aja duas vezes antes de pensar

Corro atrás do tempo
Vim de não sei onde
Devagar é que não se vai longe
Eu semeio o vento
Na minha cidade
Vou pra rua e bebo a tempestade

BOM SÁBADO PARA TODOS!!!

(Vitor Hugo Soares)

==============================================================

OPINIÃO POLÍTICA

PT quer silenciar igrejas

Ivan de Carvalho

De acordo com a Agência Estado, líderes petistas – preocupados com o desempenho da candidatura do ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, a prefeito de São Paulo – disseram ontem que a “agenda religiosa” deve ser evitada para o “bem” da democracia.

No dia 10 de fevereiro de 1980, reuniram-se no palácio onde funcionava e ainda funciona o Colégio Sion, no bairro de Higienópolis, em São Paulo, muitas pessoas – líderes políticos e sindicais, alguns intelectuais e outras personalidades. Esta reunião representou a fundação formal do PT, com ata lavrada e assinada.

Ah, sim, o mais importante. O Colégio Sion pertence à Congregação Nossa Senhora de Sion, fundada em 1842 pelo padre Theodoro Ratisbonne, judeu que se convertera ao cristianismo juntamente com seu irmão, o padre Afonso Ratisbonne. Não há dúvidas sobre o que é dito neste parágrafo e no anterior, as informações podem ser conferidas fácil e copiosamente com a ajuda do Google.

Quanto ao primeiro parágrafo, ante os outros dois pode parecer surpreendente. Ainda mais que nos seus primórdios e por muitos anos, quando ainda era um partido perdedor e em construção, o PT vivia pendurado nas batinas, não só em São Paulo – onde recebeu um apoio decisivo de parte importante do clero católico, sob as bênçãos estimulantes do cardeal arcebispo dom Paulo Evaristo Arns – como em todo o Brasil.

Quem, de mente sã, não se lembra da dependência do PT – nas periferias das grandes cidades e no interior brabo – em relação às Comunidades Eclesiais de Base e algumas das chamadas “pastorais”? Quem, para citar um entre vários exemplos baianos, não se lembra da força que sempre deu ao PT o bispo dom José Rodrigues, da diocese de Juazeiro, até “emprestando” camisa a Lula? E quem ignora o apego que teve o PT durante anos à “agenda religiosa” da Teologia da Libertação, que lhe deu doce aconchego?

Não sei se o caso é de ingratidão, se é de amnésia, se é de desconversão ou se é de alergia criada pelo excesso de “agenda religiosa” no período de construção do PT. Mas o fato é que o PT agora não quer saber de “agenda religiosa” na campanha eleitoral e adverte que a infiltração dessa “agenda religiosa” na campanha seria nociva à democracia.

A declaração de repulsa do PT à “agenda religiosa” foi uma réplica à defesa que o candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, fez da atuação das igrejas na campanha eleitoral. “A religião não pode ir para o embate político, isso é muito ruim, muito perigoso. Não devemos instigar a disputa religiosa em processo eleitoral”, reagiu o presidente estadual do PT, deputado Edinho Silva. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse que a repetição do debate religioso “preocupa” porque o país avança na educação e “na politização da sociedade”.

Serra dissera, numa entrevista a um programa de televisão, que é legítimo uma pessoa religiosa discutir seus princípios na campanha. E, presume-se, orientar seu voto e sua opinião por esses princípios. Edinho Silva protesta: “Religião é de foro íntimo e pessoal. Trazer uma questão tão pessoal, tão subjetiva, eu penso que é um retrocesso democrático”.

Querer evitar ou tentar impedir que se discutam numa campanha eleitoral questões “tão pessoais, tão subjetivas”, a exemplo do crudelíssimo homicídio chamado aborto, é, isto sim, um retrocesso.

O PT agora quer escolher os assuntos que a sociedade deve discutir nas campanhas eleitorais. Deve ser algum novo “marco regulatório”.


Carla Bruni:longe do glamour de outros tempos
Foto:Reuters

=========================================================

DEU NO IG/GENTE

Mãe de um bebê de seis meses, Giulia, e lidando com os constantes ataques a sua família e ao estresse da campanha de reeleição do marido, o presidente francês Nicolas Sarkozy, Carla Bruni tem mostrado sinais de cansaço. Fotografada nesta quinta-feira (03) ao acompanhar o marido em uma coletiva, a ex-supermodelo estava longe do glamour e classe pelo qual ficou conhecida.

Vestida com uma blusa de malha que deixava à mostra sua barriga, sem maquiagem e com os cabelos desgrenhados, Carla sorria para os fotógrafos. De acordo com a revista francesa “Closer”, Carla tem sofrido um verdadeiro “choque psicológico” por conta dos brutais ataques verbais dirigidos a seu marido.

Ela estaria chorando com muita frequencia e brigando até com os amigos. “Hoje em dia até seu sono está descontrolado, o que está forçando-a a se cuidar mais. Ela até parou de amamentar Giulia, o que queria fazer até os oito meses da criança”, diz a publicação. Ainda de acordo com a “Closer”, estes são os “piores momentos dela como primeira dama”.

maio
05
Posted on 05-05-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-05-2012


============================================================
Lute, hoje no Hoje Em Dia (MG)


O livro-bomba lançado esta semana…
———————————————————-

…e Duda Collier:preso, morto (e incinerado?)

———————————————————————–

ARTIGO DA SEMANA

Duda Collier e a Guerra Suja

Vitor Hugo Soares

“Ouça um bom conselho/ Que eu lhe dou de graça/ Inútil dormir que a dor não passa”

Os versos da canção “Bom Conselho” bem poderiam ilustrar o momento de insônia, desespero, agressividade e confusão a granel, detectados em diferentes áreas e segmentos do País – políticos, governantes, jornalistas e empresários, principalmente – nas preliminares e início dos trabalhos da CPMI do Cachoeira e seus insondáveis desdobramentos. Pelo visto, tudo pode acontecer, inclusive nada.

Nas linhas seguintes deste artigo, no entanto, os versos de Chico Buarque de Holanda auxiliam a disfarçar, com poesia, o assombro e a indignação do jornalista diante das confissões do ex-delegado do DOPS (polícia política da ditadura nos anos loucos no Brasil), Cláudio Guerra, no livro “Memórias de uma Guerra Suja”, de autoria dos jornalistas Marcelo Netto e Rogério Medeiros, lançado esta semana em São Paulo.

No livro (que ainda não lí e até onde sei ainda não chegou nas livrarias de Salvador), o ex-delegado capixaba, aos 71 anos, confessa ter participado da morte de, ao menos, 12 guerrilheiros e incinerado os corpos de outros 10 desaparecidos políticos na ditadura militar.

Isso li em reportagens publicadas no jornal Folha de S. Paulo, que tem mostrado interesse jornalístico e aberto ao assunto o espaço que ele merece. Os demais veículos, incluindo os blogs e portais eletrônicos, somente aos poucos e com algum atraso vão despertando para a gravidade e o interesse do tema.

No seu relato, o ex-agente, que promete depor, também, na Comissão da Verdade, afirma que os 10 corpos foram queimados no forno de uma usina de açúcar de propriedade de um ex-governador do Rio de Janeiro. “Fui responsável por levar dez corpos de presos políticos para lá, todos mortos pela tortura”. Guerra enumera entre essas vítimas David Capistrano, João Batista Rita, Joaquim Pires Cerveira, João Massena Mello, José Roman e Luiz Ignácio Maranhão Filho, do PCB (Partido Comunista Brasileiro).

A lista macabra do ex-agente do DOPS, convertido a um culto evangélico (este seria o motivo alegado para o arrependimento e a confissão) tem outros nomes: Ana Rosa Kucinski e Wilson Silva, da ALN (Ação Libertadora Nacional); Joaquim Pires Cerveira, da FLN (Frente de Libertação Nacional); Eduardo Collier Filho e Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira, da APML (Ação Popular Marxista-Leninista). O paradeiro desses desaparecidos políticos nunca foi informado às famílias, diz a Folha na primeira reportagem sobre o livro.

Tem mais em outras reportagens e muito mais ainda no próprio livro, a deduzir pelas polêmicas que começam a pipocar de São Paulo ao Espírito Santo, do Rio de Janeiro à Bahia, de Pernambuco à Minas Gerais, acompanhadas de desmentidos de alguns acusados que andam por aí.

Agora, um registro de indignação e o testemunho pessoal e profissional sobre um dos nomes da lista de “presos políticos incinerados”: Eduardo Collier Filho, o querido colega pernambucano, na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia, que ambos freqüentávamos nos resistentes e tumultuados anos 60.

Duda Collier, como era chamado pela maioria dos colegas, “o cara” de quase dois metros de altura, pinta perfeita de ator de filme político europeu. “Um pão de Recife que desceu em Salvador”, como sintetizavam, entre olhares e suspiros, muitas estudantes na Faculdade, no Restaurante Universitário da UFBA, no corredor da Vitória, nas assembléias da Reitoria e nas passeatas do centro da capital baiana.

Nas reuniões de militantes, Duda era conhecido como “O Cristão”, devido a sua filiação à Ação Popular (AP), organização de esquerda de origem católica. Ficamos amigos logo que ele desembarcou na Bahia. Nascido no seio de uma das mais ricas e tradicionais famílias pernambucanas, vestido em folgadas calças e camisões de linho puro, Duda (o moço grandalhão de fina estampa) era para mim uma simpática contradição ambulante.

Buscava uma vaga para morar na RU-2 (Residência Universitária), colada à Igreja da Vitória (onde ele podia freqüentar suas missas dominicais). Considerado “um burguês” por alguns universitários, negava-se uma vaga para ele. Foi preciso abrir uma peleja interna para conseguir um lugar no sótão da RU-2, onde Duda Collier se abrigaria. Graças, principalmente, a entrada na briga do grande amigo comum (depois meu saudoso compadre) Pedro Milton de Brito, um dos alunos mais brilhantes e respeitados da Faculdade de Direito e da UBFA (ex-presidente da OAB-BA, conselheiro federal da Ordem e referência baiana nas lutas de defesa dos direito humanos), que também simpatizara, de cara, com aquele inquieto jovem e desengonçado pernambucano.

Um dia, em 1968, depois do AI-5, Duda Collier sumiu de repente, antes da Polícia Federal invadir a Faculdade de Direito, prender e algemar vários estudantes, levados depois para o Quartel do 19º BC. Entre eles, o autor destas linhas. Ao sair, nunca mais encontrei Duda Collier pessoalmente. Sobre ele (e outros amigos desaparecidos na mesma época) tenho lido e sabido apenas de relatos chocantes e dolorosos, como os do ex-policial do DOPS no livro lançado na capital paulista.

Sigo, como tantos no País, aguardando a verdade .

Vitor Hugo Soares, jornalista. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

maio
05
Posted on 05-05-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-05-2012


=======================================================
“Me diz …como pode acontecer,um simples canalha mata um rei, em menos de um segundo?” (Beto Guedes, na “Canção do Novo Mundo”)

Respoda quem souber!

BOA NOITE!!!

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos