abr
23
Postado em 23-04-2012
Arquivado em (Artigos) por vitor em 23-04-2012 12:03

======================================================

=============================================================


Exemplos da história em Portugal

Washington de Souza Filho

Direto de Covilhã , especial para o Bahia em Pauta

O mês de abril, mesmo com o apontado período de seca meteorológica, corresponde em Portugal a um ditado popular, muito usado no Brasil e conhecido por aqui, apesar de parte da Primavera: “Abril, chuvas mil”. A presença da chuva e temperaturas ainda baixas, apesar da primavera, não afasta da memória dois fatos, um deles com relação direta com a história brasileira, que merecem um tratamento dos portugueses, autoridades e cidadãos, que podem servir de exemplo para brasileiros de níveis iguais.

O primeiro fato, mais distante no tempo, está relacionado à data que está registrada como a do descobrimento do Brasil, em 22 de abril. Pedro Álvares Cabral, o navegante português, financiado pelos reis da Espanha, que comandou a esquadra que aportou no Sul da Bahia, na região de Porto Seguro, nasceu em Belmonte, cidade da Beira Interior, a uma distância de não mais de 30 quilômetros de Covilhã. A cidade usa esta referência, a do lugar onde nasceu Pedro Álvares Cabral para, nesta época de crise econômica na Europa, com efeitos graves em Portugal, para explorar a imagem do descobridor e a implantação de uma rede de museus, inclusive um mais específico, para a preservação da história dos judeus.

A região da Beira Interior, Belmonte em especial, foi para onde os judeus acorreram, no período da Inquisição, e estabeleceram um modo de vida, como cristãos-novos, através da qual preservaram as tradições judaicas. Um jeito de viver, em que a adesão ao catolicismo era, apenas, formal.

O Museu Judaico, ao lado do Museu dos Descobrimentos – uma referência à atuação dos portugueses, no período das grandes navegações – é um dos cincos de Belmonte, que ainda tem uma ruína construída pelos romanos, foi um dos caminhos para Santiago de Compostela e usa uma antiga moagem de oliveira para preservar a produção do azeite de oliva. São atividades que geram emprego e renda.

O mês de abril em Portugal é o da comemoração da liberdade, no dia 25. É a data da Revolução dos Cravos, o movimento organizado por integrantes das Forças Armadas, que derrubou o salazarismo, em 1974. Quase 40 anos depois, a sombra de Oliveira Salazar, o personalista ditador português, ainda paira na vida do país.

Em estudos acadêmicos é um assunto que tem sido revisitado, como na pesquisa do português Filipe Ribeiro de Menezes, obra publicada no Brasil, em 2011. No cotidiano, a questão é outra.

A administração de Santa Comba Dão, o lugar onde nasceu Salazar, anunciou o interesse em comprar a produção de vinho da família e usar o nome ditador como marca. Uma proposta que mereceu reações diversas, principalmente de historiadores, de acordo com os jornais que trataram do assunto, a maior parte de desapreço pela proposta – “no mínimo de, é de mau gosto, no máximo um insulto às vítimas do Estado Novo”, disse ao jornal Público, o historiador Filipe de Menezes. O mesmo tom de outro tema, relacionado ao ditador, que foi relembrado: a implantação de um museu, na casa onde ele viveu.

A intenção é a mesma de Belmonte. Aproveitar a importância histórica para melhorar a renda de uma região. Mesmo que no caso de Cabral na cidade onde nasceu esteja, apenas, parte dos seus restos mortais, já que o seu sepultamento foi na região de Santarém, em relação a Salazar o problema é outro. Portugal passou todo este tempo querendo esquecer o passado que une a história do país a do seu ditador

A derrubada dele provocou uma situação comum, em qualquer canto do país. No lugar que tinha uma via com o nome de Oliveira Salazar, a denominação mudou para 25 de Abril. A troca mais conhecida é o nome da Ponte do Tejo, um cartão-postal de Lisboa, identificada com a data que é comemorada em Portugal como o Dia da Liberdade.
A razão pode ser de ordem econômica ou política, mas a história é a realidade de uma nação e do seu povo, que precisa ser enfrentada. Mesmo quando o debate sobre a verdade, passe pela necessidade de enfrentar os seus mitos. São exemplos que servem para o Brasil.

Washington de Souza Filho, jornalista, professor da Universidade Federal da Bahia, vive em Covilhã, onde cursa doutorado em Comunicação na Universidade da Beira Interior.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Abril 2012
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30