Demostenes:conversas comprometedoras com bicheiro
================================================

DEU EM O GLOBO

Gravações da Polícia Federal revelam que o senador Demóstenes Torres (GO), líder do DEM no Senado, pediu dinheiro e vazou informações de reuniões oficiais a Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de chefiar a exploração ilegal de jogos em Goiás. Relatório com as gravações e outros graves indícios foi enviado à Procuradoria Geral da República em 2009, mas o chefe da instituição, Roberto Gurgel, não tomou qualquer providência para esclarecer o caso. O documento aponta ainda ligações comprometedoras entre os deputados Carlos Leréia (PSDB-GO) e João Sandes Júnior (PP-GO) com Cachoeira.

O relatório, produzido três anos antes da deflagração da Operação Monte Carlo, escancara os vínculos entre Demóstenes e Cachoeira. Numa das gravações, feitas com autorização judicial, Demóstenes pede para Cachoeira “pagar uma despesa dele com táxi-aéreo no valor de R$ 3 mil”. Em outro trecho do relatório, elaborado com base nas gravações, os investigadores informam que o senador fez “confidências” a Cachoeira sobre reuniões reservadas que teve no Executivo, no Legislativo e no Judiciário. Parlamentar influente, Demóstenes costuma participar de importantes discussões, sobretudo aquelas relacionadas a assuntos de segurança pública.

O relatório revela ainda que desde 2009 Demóstenes usava um rádio Nextel (tipo de telefone) “habilitado nos Estados Unidos” para manter conversas secretas com Cachoeira. Segundo a polícia, os contatos entre os dois eram “frequentes”. A informação reapareceu nas investigações da Monte Carlo. Para autoridades que acompanham o caso de perto, esse é mais um indicativo de que as relações do senador com Cachoeira foram mantidas, mesmo depois da primeira investigação criminal sobre o assunto. O documento expõe também a proximidade entre Cachoeira e os deputados Leréia e Sandes Júnior.

Leréia também usava um Nextel para conversas secretas com Cachoeira. A polícia produziu o relatório com base em inquérito aberto em Anápolis para investigar a exploração de bingos e caça-níqueis na cidade e arredores. Como não pode investigar parlamentares sem autorização prévia do Supremo Tribunal Federal (STF), a PF enviou o material à Procuradoria Geral em 15 de setembro de 2009. O relatório foi recebido pela subprocuradora-geral Cláudia Sampaio Marques. Caberia ao procurador-geral, Roberto Gurgel, decidir se pediria ou não ao STF abertura de inquérito contra os parlamentares. Mas, desde então, nenhuma providência foi tomada.

No segundo semestre de 2010, a PF abriu inquérito para apurar exploração ilegal de jogos em Luziânia e se deparou com as mesmas irregularidades da investigação concluída há três anos. Procurado pelo GLOBO, Gurgel disse, por meio da assessoria de imprensa, que estava aguardando o resultado da Operação Monte Carlo para decidir o que fazer em relação aos parlamentares. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, confirmou o uso do Nextel por Demóstenes.

Segundo ele, o senador usou o telefone, mas não se lembra desde quando. O advogado não fez comentários sobre o suposto pedido de pagamento de despesas e o vazamento de informações oficiais.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com


================================================================
Clipe de fotos do Rio antigo sobre música de Chico Anysio, cantada por Alcione, para encerramento do trabalho de Cultura Contemporânea – Av2 – Novembro/2008

RIO ANTIGO

Letra:Chico Anisio
Canta; Alcione
Quero um bate-papo na esquina
Eu quero o Rio antigo
Com crianças na calçada
Brincando sem perigo
Sem metrô e se frescão
O ontem no amanhã
Eu que pego o bonde 12 de Ipanema
Pra ver o Oscarito e o Grande Otelo no cinema
Domingo no Rian
Me deixa eu querer mais, mais paz

Quero um pregão de garrafeiro
Zizinho no gramado
Eu quero um samba sincopado
Baioba, bagageiro
E o desafinado que o Jobim sacou
Quero o programa de calouros
Com Ary Barroso
O Lamartine me ensinando
Um lá, lá, lá, lá, lá, gostoso
Quero o Café Nice
De onde o samba vem
Quero a Cinelândia estreando “E o Vento Levou”
Um velho samba do Ataulfo
Que ninguém jamais agravou
PRK 30 que valia 100
Como nos velhos tempos

Quero o carnaval com serpentinas
Eu quero a Copa Roca de Brasil e Argentina
Os Anjos do Inferno, 4 Ases e Um Coringa
Eu quero, eu quero porque é bom
É que pego no meu rádio uma novela
Depois eu vou à Lapa, faço um lanche no Capela
Mais tarde eu e ela, nos lados do Hotel Leblon

Quero um som de fossa da Dolores
Uma valsa do Orestes, zum-zum-zum dos Cafajestes
Um bife lá no Lamas
Cidade sem Aterro, como Deus criou
Quero o chá dançante lá no clube
Com Waldir Calmon
Trio de Ouro com a Dalva
Estrela Dalva do Brasil
Quero o Sérgio Porto
E o seu bom humor
Eu quero ver o show do Walter Pinto
Com mulheres mil
O Rio aceso em lampiões
E violões que quem não viu
Não pode entender
O que é paz e amor

===================================================
BRAVISSIMO, CHICO!!!

BOA VIAGEM PARA O MERECIDO PARAISO!

SAUDADE!

(Vitor Hugo Soares)

http://g1.globo.com

=====================================================

Do G1 RJ

Morreu nesta sexta-feira (23), aos 80 anos, o humorista Chico Anysio. Ele estava internado no Hospital Samaritano, na Zona Sul do Rio. Ao longo de seus 65 anos de carreira, Chico Anysio criou mais de 200 personagens e foi um dos maiores humoristas do Brasil com destaque no rádio, na TV, no cinema e no teatro. Ele deixa oito filhos.

Anysio apresentou uma piora nas funções respiratórias e renal na quarta-feira (21) e voltou a respirar com ajuda de aparelhos durante todo o dia. Ele estava no CTI do hospital carioca desde dezembro do ano passado por conta de um sangramento. O comediante chegou a ter o problema controlado, mas apresentou uma infecção pulmonar e retornou à internação. Ele seguia em sessões de fisioterapia respiratória e motora diariamente, somadas a antibióticos.

O ator também já foi submetido a uma laparotomia exploradora, procedimento cirúrgico que serve para revelar um diagnóstico. Essa cirurgia fez com que Chico Anysio tivesse um segmento de seu intestino delgado retirado.

No final de 2010, ele foi levado ao mesmo hospital com falta de ar. Após uma obstrução da artéria coronariana ser encontrada, passou por uma angioplastia, procedimento para desobstrução de artérias. Após 110 dias, teve alta em março do ano passado.

Com fortes dores nas costas, o humorista foi novamente internado em novembro. Ficou no hospital durante cinco dias, para receber medicação intravenosa devido a problema antigo nas vértebras que provocava dor. No fim de novembro, teve febre e os médicos descobriram uma contaminação por fungos, tratada com antibióticos. No começo de dezembro, retornou ao hospital com infecção urinária e ficou internado por 22 dias. Um dia depois, voltou ao Hospital Samaritano.

Nos momentos mais críticos, quando esteve no hospital entre dezembro de 2010 e março de 2011, Chico necessitou da ajuda de aparelhos para respirar e se comunicava com médicos e familiares por meio de mímica. Durante o período pós-operatório, houve o diagnóstico de um tamponamento cardíaco, que acontece quando o sangue se acumula entre as membranas que envolvem o coração (pericárdio).

Durante o período de internação, que alternou momentos no CTI e em unidades intermediárias, Chico Anysio apresentou quadros de pneumonia e passou por sucessivas broncoscopias. As infecções foram tratadas com uso de antibióticos.

Antes, em agosto de 2010, o humorista precisou ser internado para a retirada de parte do intestino grosso após ser constatado um quadro de hemorragia no aparelho digestivo. Em maio de 2009, outra pneumonia o levou ao hospital.
O bordão mais famoso do Professor Raimundo era repetido por Chico Anysio no fim do programa: ‘e o salário, ó’ (Foto: CGCom/TV Globo)O personagem mais famoso de Anysio foi o Professor Raimundo (Foto: CGCom/TV Globo)

Rádio e TV

Foi no Rádio Guanabara, ainda nos anos 50, que os seus tipos cômicos começaram a surgir. Até o “talento para imitar vozes”, como o proprio Chico descreveria em seu site, evoluir para a televisão. A estreia aconteceu em 1957, na extinta TV Rio, no programa “Aí vem dona Isaura”. Foi lá que o Professor Raimundo teve sua primeira aparição no vídeo, como o tio da protagonista que vinha do Nordeste — até então o programa só havia sido veiculado pelo rádio.

“Até tinha uma coisa de sentar para criar, mas uns nasceram pela voz, outros pelo tipo, pela personalidade, pela caracterização. Sempre fiz questão de que eles fossem encontrados sem que eu estivesse presente. Que alguém dissesse: “‘Na minha terra, tem um Pantaleão. No Rio tem muito Azambuja’”, explicou o humorista ao “Estado de S. Paulo”, em 2009.

Num tempo em que ainda não existiam contratos de exclusividade, Chico pôde fazer participações especiais em programas de outras emissoras e em chanchadas da Atlântida.

O “Chico Anysio Show”, seu primeiro programa de humor, foi lançado no início da década de 60. Foi ao ar pela TV Rio, depois pela Excelsior e em 1982 voltou a ser exibido pela Rede Globo — onde o humorista já trabalhava desde 1969.

Mas foi na Globo que teve seus programas humorísticos de maior sucesso e onde desenvolveu a maioria de seus personagens. Entre as atrações, destaque para “Chico city” (1973-1980), “Chico total” (1981 e 1996) e “Chico Anysio show” (1982-1990).

Alguns desses personagens quase que se misturam à história da televisão brasileira, como o ator canastrão Alberto Roberto, o pão-duro Gastão Franco, o coronel Pantaleão, o pai-de-santo Véio Zuza, o velhinho ranzinza Popó, o alcoólatra Tavares e sua mulher Biscoito (Zezé Macedo) e o revoltado Jovem.

Com o passar dos anos, novos tipos eram criados e incorporados ao programa: o funcionário da TV Globo Bozó, que tentava impressionar as mulheres por conta de sua condição; o mulherengo e bonachão Nazareno, sempre de olho nas serviçais; o político corrupto Justo Veríssimo; e o pai de santo baiano e preguiçoso Painho são alguns dos mais populares.


Leia reportagem completa sobre a morte de Chico Anisio no portal G1

http://youtu.be/OLF5J9TxBTs
———————————————————————


TEXTO PUBLICADO ORIGINALMENTE NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE.

———————————————————————————-

Disco de Gal Costa aprofunda ciclo poético de Caetano Veloso

Claudio Leal

“Nascemos escuro.”
(Drummond, “O medo”)

Cantar era um destino quando Maria da Graça implorou ao colunista social Sylvio Lamenha para conhecer João Gilberto, no início da década de 60, em Salvador. “Me leva. É o meu ídolo!”, exigiu Gracinha – ou Gal, apelido de fornada baiana. “Já ouvi falar de você. Tem um violão?”, indagou o cantor, depois da apresentação feita por Lamenha, ave corpulenta e extraordinário imitador dos erres de Dalva de Oliveira. Liberada pela mãe, a menina da Barra Avenida correu para o encontro, instrumento à mão, e gramou a noite a acompanhá-lo. “Gracinha, você é a maior cantora do Brasil!”. O mestre parecia ver no ifá.

Esse destino artístico se cumpriria nas quatro décadas seguintes. Mesmo nos períodos de silêncio. Ou de acomodamentos. Na história da canção brasileira, Gal Costa se afirmou tão reluzente que suas ausências fonográficas instilam um sentimento aflitivo, uma angústia com seus intervalos criativos. O longo recato de seis anos, iniciado após o disco “Hoje” (2005), é agora desfeito com “Recanto” (Universal Music). Reinvenção não apenas dela, mas de Caetano Veloso, que aprofunda um ciclo poético despontado no LP “Domingo” (1967) e construído permanentemente sem definições formais, nem unidade, pois a inquietação já se converteu em um programa estético.

Em 1992, na crônica “O poeta do encontro”, o escritor Otto Lara Resende expôs a impossibilidade de reduzir Caetano ao nicho da música, e conclui por considerá-lo “legítimo poeta do Brasil”: “Indiferente à palha seca da controvérsia, a arte segue o seu caminho. A vertente é uma só e é nela que se dá o encontro das águas. Pouco importam as fontes de onde procedem. Purificadoras e purificadas, seu caráter lustral as universaliza. Caetano Veloso, por exemplo? Quem ousaria classificá-lo?”.

No álbum “Recanto”, a influência da poesia de João Cabral de Melo Neto, reiterada pelo compositor desde a Tropicália, na aspereza e no rijo ofício dos versos (“sem perfumar sua flor,/ sem poetizar seu poema”, como ensinava o pernambucano), conflui para o legado de Carlos Drummond de Andrade. O conjunto de letras consolida as subversões antiestilísticas de Caetano – soturno, impuro, atômico – e se vincula a nossa tradição poética como raras vezes acontece, com essa presteza, na música brasileira. E registre-se: em boa parte das revoluções anteriores, lá estava o mesmo trovador.

“Madre Deus”, composta originalmente para o balé Onqotô, do Grupo Corpo, é de aberta intertextualidade, por dialogar com o poema “Memória”, do Drummond de “Claro enigma”: “E as coisas findas/ Muito mais que lindas/ Essas ficarão/ Dizia/ A poesia/ E agora nada/ Não mais nada, não”. Esse complemento cético à poesia original esbarra na promessa de “uma certa felicidade” sustentada pela música popular, como definiu Drummond numa conversa com o compositor, no final dos anos 70. Ironicamente, a justificativa para a descrença talvez esteja em outro comentário do poeta de Itabira, desta vez sobre a tranquilidade de Caymmi: “E nós, Caetano, que só pensamos em coisas ruins?”.

“Recanto escuro” resulta quase num desespero drummondiano de definir-se enquanto se confronta o mundo. Caetano funde a voz poética aos lampejos biográficos de Gal Costa, num desnudamento que não ignora a força da grana: “O chão da prisão militar/ Meu coração um fogareiro/ Foi só fazer pose e cantar/ Presa ao dinheiro”. Com pulsante programação eletrônica de Kassin, conferindo arranhões e temporalidade à voz de Gal, a canção ilumina os dois artistas interligados na origem; e cúmplices no desvio. O fluxo autoral de Caetano não “carrega” sua maior intérprete. O canto é a síntese: “Espírito é o que enfim resulta/ De corpo, alma, feitos: cantar”.

Em 1964, estavam irmanados nos shows “Nós, por exemplo” e, passados três anos, no LP “Domingo”. Durante o exílio de Gil e Caetano, no pós-AI-5, a baiana segura o projeto tropicalista, radicaliza as experimentações musicais e valoriza compositores da linhagem de Jards Macalé, Waly Salomão e Luiz Melodia. Em 1974, reencontram-se em “Cantar”, essencial para ressaltar a força de Gal em sons mais pacíficos. Distanciam-se na fase “Tropical”, mas permanecem alinhados a um objeto não-identificado, como comprovará “Minha voz, minha vida” (1982) em sua íntima harmonia: “Vida que não é menos minha que da canção”. De novo umbilicais em “Recanto”.

O músico Paquito encontrou o diabo no meio do redemoinho. “Gal e Caetano se reconhecem, transformam-se no que cantam, se amalgamam: cara de um, focinho de outro, máscaras do mundo. Em comparação com a perspectiva mais individual do Cê, o olhar em torno”, decifra. Apesar de ousado, o predomínio dos sons eletrônicos não é novidadeiro para Gal, uma das personalidades instauradoras da diversidade do Tropicalismo. “Recanto” a devolve à grande arte e ao plano merecido de artista fundamental para ler e reler o Brasil. Até os méritos do álbum anterior, “Hoje”, aberto a compositores jovens, não disfarçavam essa necessidade de recriar-se.

O desassossego de “Recanto” provoca estranhamentos, bem verdade. E não saímos deles, a não ser pelas janelas de “Cara do Mundo” e de “Mansidão”, as canções mais solares. “Autotune Autoerótico”, referência ao recurso que corrige deslizes na voz, o qual “não basta para fazer o canto andar”, exerce a crítica dentro da experimentação. Os produtores Caetano e Moreno Veloso adequaram a base eletrônica de Kassin aos graves da cantora de 66 anos. “Neguinho”, com sintetizadores de Zeca Lavigne Veloso, ressoa como a mais provocativa.

O Caetano discursivo, afeito a polêmicas públicas, manifesta-se na representação do consumismo sem lastro moral; sim, rejeita mas se reconhece no Brasil que emerge nos anos dos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. O indefinido “neguinho” somos nós: “Se o nego acha que é difícil, fácil, tocar bem esse país/ Só pensa em se dar bem – neguinho também se acha/ Neguinho compra 3 TVs de plasma, um carro GPS e acha que é feliz/ Neguinho também só quer saber de filme em shopping”. O contraponto aparece na faixa “Sexo e dinheiro”, num arranjo religioso, capaz de preencher catedrais: “Dinheiro é uma abstração/ Sexo é uma concreção: luz”.

Não haverá danos maiores se ajustarmos a busca por instabilidade de “Recanto” ao trecho de uma velha crônica de Caetano, publicada no “Pasquim”, em 1970, a respeito da sede de transição dos músicos inovadores nos anos 60: “ninguém está à vontade no papel de figura definitiva de uma bela história”. Na última década, a obra de Caetano aparenta uma insurgência contra si própria, relutante em assumir o papel confortável que a história já lhe confere. Gal Costa não serve de puro instrumento. Protagoniza. A Caetanave é errância, mas a poesia e o recanto, claridade.

***

Show “Recanto”
Datas: 23, 24, 29, 30 e 31 de março
Horário: 22h
Casa Miranda (http://mirandabrasil.com.br)
Avenida Borges de Medeiros, 1424 – Piso 2 – Lagoa – Rio de Janeiro

mar
23
Posted on 23-03-2012
Filed Under (Charges) by vitor on 23-03-2012


————————————————————-
S. Salvador , no jornal Estado de Minas (MG)


Segurança do Senado usa arma taser em Brasilia
======================================================

Opinião Política

As armas paralisantes

Ivan de Carvalho

A morte do estudante brasileiro Roberto Curti, de 21 anos, por disparos de armas taser, em Sidney, Austrália, reforça os argumentos dos que se opõem ao uso deste tipo de equipamento pelas polícias e, como ensaia se tornar moda no Brasil, também pelas guardas municipais, a exemplo da Guarda Municipal de Salvador, que já deu a uma parte de seus integrantes treinamento para operar essas chamadas armas de choque.

Roberto Curti foi perseguido pela polícia australiana sob uma ainda polêmica acusação de haver furtado um pacote de biscoitos de uma loja de conveniência, durante a madrugada. Um dos funcionários da loja disse a um repórter brasileiro de uma emissora australiana que não reconheceu o brasileiro como sendo o homem que entrou na loja, furtou o pacote de biscoitos e fugiu. As imagens do incidente gravadas pelas câmeras de vigilância estão sob exame policial, mas até ontem não haviam sido disponibilizadas ao exame da imprensa e nem dos representantes da família de Roberto Curti.

Assim, além de se tratar de um crime leve, não está comprovado que o brasileiro haja sido o autor. Mas ele foi perseguido por vários policiais, sofreu um disparo de arma taser, que produz um choque paralisante. Caído, inerme, foi atingido por mais três disparos totalmente desnecessários e injustificáveis. Morreu na hora.

No Senado Federal, em Brasília, a segurança da Casa usa armas taser. O presidente José Sarney mandou abrir uma sindicância para apurar a agressão ao estudante Rafael Rocha, da UNB. O estudante de Geologia foi imobilizado pelo disparo paralisante de uma arma taser e desmaiou, resultado que não é pretendido pelo disparo, cujo objetivo é paralisar a pessoa por 15 segundos, em média. Mas o fato evidente é que cada caso é um caso e o organismo de cada pessoa reage de maneira diversa dos organismos de outras.

Daí que existem muitas críticas e objeções sérias às armas taser. À frente da oposição a essas armas está a organização Anistia Internacional. Um levantamento indicou que pelo menos 350 pessoas já morreram por causa dos disparos de armas taser de 2001 a 2008, somente nos Estados Unidos. Apesar disso, em 2006, a representante dos produtos Taser no Brasil, a Ability BR, garantia que a arma não traz riscos. “Até agora mais de 150 mil pessoas foram atingidas pelos disparos do Taser e isso não matou ninguém. Eu já levei sete tiros de taser”, disse o consultor de segurança da empresa, Paulo Rogério Ribeiro Luz.

O especialista em segurança pública e ex-juiz Walter Maierovich é enfático quanto ao uso desse tipo de arma tida como não letal. “Eu acho que é uma temeridade, um absurdo. Os riscos são terríveis”. Citando a Anistia Internacional, ele diz que os disparos taser são especialmente perigosos para pessoas portadoras de cardiopatias ou que estejam sob o efeito de drogas. Há também indicações de que em mulheres grávidas os riscos são extremamente altos, não só para a gestante como para o embrião ou feto. E nem sempre quem segura a arma pode saber se a mulher está grávida ou não.
Não é só no exterior e no Senado brasileiro que as armas fazem “sucesso”. Já em 2006, essas armas haviam sido compradas (seis exemplares) para a Guarda Municipal da modesta Araçariguama, cidade paulista.

A questão é que, sendo a arma supostamente “não letal”, o policial ou guarda municipal ou segurança de órgão público tem a propensão de apertar o “gatilho” com muito mais frequência e sem real necessidade. Dá uma vontade danada. E vai que um aperta, outro também e mais outro, e outro mais – e então o alvo morre, como ocorreu na Austrália. Ou o alvo tem, por exemplo, arritmia cardíaca e faz o favor de morrer logo no primeiro disparo.

  • Arquivos