Senador Demostenes e Cachoeira:estranhas relações

=================================================

DEU NA FOLHA.COM

SIMONE IGLESIAS
DE BRASÍLIA

O deputado Protógenes Queiroz (PC do B-SP) entregou ontem (20) ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), requerimento para instalação de uma CPI para investigar suposta relação de parlamentares com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Pelo menos 208 dos 513 deputados assinaram a proposta de CPI. Segundo Protógenes, o objeto da comissão de inquérito será investigar se existe “relação patrimonial, promíscua ou de financiamento de campanha de parlamentares” pelo empresário.

Procuradoria denuncia Carlinhos Cachoeira e mais 80 pessoas
TRF adia julgamento sobre liberdade de Carlinhos Cachoeira
Grupo de Cachoeira usou telefones antigrampo, diz Procuradoria
Polícia Federal indicia Carlinhos Cachoeira e mais 81 por crimes

“Há duas situações distintas: relação de amizade, que não é crime, pois ninguém pode ser acusado de ser amigo de bandido; e se há ilícitos”, disse o deputado.

Protógenes disse que conseguiu assinaturas da maioria das bancadas na Câmara, citando DEM, PSDB, PSC e PT. Ele afirmou ter tentado assinaturas de senadores para pedir a instalação de uma CPI mista, mas não conseguiu. São necessárias 171 assinaturas para instalar uma CPI na Câmara. Não há data para ser instalada.

O Ministério Público Federal em Goiás ofereceu denúncia à Justiça Federal contra Cachoeira e mais 80 pessoas, por envolvimento em uma suposta quadrilha desarticulada pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal.

Segundo a Procuradoria, o grupo era encabeçado por Carlinhos Cachoeira e explorava direitos dos pontos de jogos caça-níquel em Goiânia e no entorno de Brasília, onde as máquinas estavam clandestinamente instaladas. O negócio se mantinha com apoio de policiais militares, civis e federais.

Relatório do Ministério Público Federal aponta que o grupo comandado por Cachoeira, entregou telefones antigrampos para políticos.

Entre eles, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que admitiu à Folha ter recebido o aparelho, e Cláudio Monteiro, chefe de gabinete do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que nega.

O objetivo, diz o Ministério Público, seria dificultar eventuais investigações.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos