mar
20


Rainha:preso “preventivamente” desde julho de 2011

==========================================================

Junto com Claudemir da Silva Novais e Antonio Carlos dos Santos, José Rainha está preso desde junho do ano passado com base numa investigação que apura suspeitas de crimes ambientais, de formação de quadrilha, peculato, apropriação indébita e extorsão.

Relator do pedido de habeas corpus no STF, o ministro Marco Aurélio Mello observou que a prisão preventiva ocorreu em junho e que não existe até agora notícia sobre a fixação de uma data para o julgamento do processo criminal.

Marco Aurélio disse que para ele estava configurado o excesso de prazo da prisão preventiva e, por esse motivo, deveria ser determinada a soltura.

DEU NO JORNAL A TARDE ( reproduzido no site Conteudo Livre)

=========================================================

Só na base da amizade

Antonio Risério

Nunca me esqueço da comparação direta de William Blake, nos “provérbios and Hell: “O pássaro – ninho; a aranha – teia; o homem – amizade”. Amigos homens, amigas mulheres (apesar da filósofa francesa que afirma ser impossível a existência de amizade genuína entre um homem e uma mulher, que ainda em termos blakianos, encontram, no sexo, um espaço de perdão mútuo, de mutual forgiveness, entre eternal enemies, inimigos eternos). Mas, enfim, amizade.

É o que cultivo (já que gosto – e muito – de conversa e de carinho). É uma das fontes mais claras de prazer e alegria que encontrei na vida, desde que me entendo por gente. Daí, talvez, que as minhas amizades mais novas, salvo raríssimas exceções, pareçam tão antigas a olhos desatentos ou distantes de suas verdadeiras notas e nuances, de sua verdadeira e encantadora novidade diária, ou de sua capacidade de renovação permanente. Minhas amizades mais novas, por exemplo, plantam- se, em sua grande maioria, aí na faixa dos 40 anos. Formaram-se entre as décadas de 1960-1970 e se desdobram, enriquecendo-se, até aos dias de hoje. Por exemplo: fiquei amigo do sociólogo Gustavo Falcón em 1967; de João Santana, em 1968; de Caetano Veloso, em 1972; de Augusto de Campos e Roberto Pinho, em 1973. Há algumas amizades – poucas – mais antigas. E outras, também poucas, mais recentes. Posso dizer, assim, que formamos mesmo a nossa tribo.

Além disso, costumo herdar amizades (de pai para filho ou filha desde…), em diversas situações. Da troca de informações ao engajamento comum em empreitadas profissionais, crianças que vão crescendo e ficando próximas, a exemplo dos criativos e “multiuso” Aylê Axé, Marcelo (hoje, um dos mais completos publicitários brasileiros) e Chico Kertész, dos diretores Aza Pinho e Peu Lima (filho do psicanalista Luiz Tenório e da educadora Zélia Cavalcanti, que implantou, com tremendo êxito, a Escola da Vila, em São Paulo), do jovem historiador Amon Pinho, do Artista Omar Salomão (filho de Martha e Wally, que acaba de lançar o livro O Impreciso), etc. E cito esses poucos nomes apenas para que se tenha uma ideia da rede cultural multigeracional que se vai configurando e expandindo.

E é claro que adoro coisas que acontecem mais ou menos de improviso, de modo espontâneo, só na base da amizade .Como dizia um amigo meu: tudo com muita boa vizinhança – e sem nada de política. Papos rolando á vontade, sem rumo definido, seguindo antes ao sabor das brisas e das ondinas. Como o que pintou recentemente lá em casa. Eu e Caetano já tínhamos nos falado sobre a gente se encontrar, matar saudade, botar a conversa em dia. Marcamos, então, para um sábado, no final da tarde (horário civilizado para quem, como nós, acorda post meridiem). Pouco depois, minha amiga Ana (nossa ministra Ana de Holanda) disse que viria à Bahia e queria conversar comigo. Marquei para o mesmo horário, final de tarde, na varanda lá de casa.

Sara Victoria resolveu cozinhar. Moqueca de maturi – e comida árabe, para quem não quisesse dendê. E foi muito, muito bom. Muito gostoso. Só na base da amizade. Caetano, na intimidade, chama a ministra por seu apelido familiar – curiosamente, Baía.
Falou-se de tudo. Da São Paulo da Galeria Metrópole na década de 1960, quando os jovens Caetano (que ainda bebia, e muito, nessa época) e Chico atravessavam a noite, em farras espetaculares; histórias do pai (Sérgio Buarque) e do padrinho (Antonio Cândido) de Ana; de fofocas antigas e recentes (motoristas de táxi, no Recife, juram com maior orgulho que é verdadeira a conversa absurda de que Chico é pai do governador Eduardo Campos, por exemplo); Caetano algo orgulhoso porque eu acabava de ser citado no novo número de “The Economist”; etc. E assim fomos entrando pela noite, que trazia estrelas e brisas. Tudo no melhor tom do sabor. Noite amiga, é claro – para quem não queria mais do que ficar ali, sem contrato ou compromisso.

Apenas charlando. Charlando e sorrindo, como às vezes fazem os amigos

http://youtu.be/b9lUnGItcFg
=============================================

Vai para o jornalista Ricardo Noblat, criador e editor do Blog do Noblat (que hoje comemora 8 anos de existencia ancorado em O Globo, depois de passar pelo IG e Estadão).

Para matar a saudade do Farol da Barra, um dos pontos mais admirados e queridos do pernambucano “do Recife” em suas passagens de vida e trabalho por Salvador.

Com o abraço de parabéns ao criador do site político referencial no jornalismo brasileiro, de um colaborador semanal (honrosamente para mim) do Blog do Noblat desde os seus primeiros dias (no IG) até esta data festiva (no Globo).

Saravá!

(Vitor Hugo Soares)


Ricardo Noblat, Jornalista e blogueiro
=======================================================

DEU NO BLOG DO NOBLAT QUE COMEMORA SEU OITAVO ANIVERSARIO NESTE 20 DE MARÇO DE 2012.

======================================================

Este blog comemora, hoje, seu oitavo aniversário. A propósito, republico o que postei aqui no dia 26 de agosto de 2010. É uma maneira de renovar meu compromisso com o jornalismo tal como o entendo. E com quem me lê. (Ricardo Noblat)

“Este é um dos mitos cultivados há mais de século: jornalista é imparcial. Ou tem obrigação de ser.

Ninguém é imparcial. Porque você é obrigado a fazer escolhas a todo instante. E ao fazer toma partido.

Quando destaco mais uma notícia do que outra faço uma escolha. Tomo partido.

Quando opino a respeito de qualquer coisa tomo partido.

Cobre-se do jornalista honestidade.

Não posso inventar nada. Não posso mentir. Não posso manipular fatos.

Mas posso errar – como qualquer um pode. E quando erro devo admitir o erro e me desculpar por ele.

Cobre-se do jornalista independência.

Não posso omitir informações ou subvertê-las para servir aos meus interesses ou a interesses alheios.

Se me limito a dar uma notícia devo ser objetivo. Cabe aos leitores tirarem suas próprias conclusões.

Se comento uma notícia ou analiso um fato, ofereço minhas próprias conclusões. Cabe aos leitores refletir a respeito, concordar, divergir ou se manter indiferente.

Jornalista é um incômodo. E é assim que deve ser. Se não for não é jornalista.”

mar
20
Posted on 20-03-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 20-03-2012


============================================
Mariano, hoje, no site A Charge Online


==========================================================

Opinião Política

PR busca oposições

Ivan de Carvalho

O comando nacional do PR chamou a Brasília os presidentes regionais do partido para discutir a abertura de conversas em todo o país com legendas que estão fora da aliança liderada pelo PT. Em princípio, esta é uma consequência lógica da decisão tomada na semana passada pelos sete integrantes da bancada do PR no Senado de passar para a oposição, ante a negativa da presidente Dilma Rousseff de devolver o Ministério dos Transportes a este partido.

Vale assinalar que entre os senadores do PR está o ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, que foi exonerado do cargo quando era alvejado por denúncias de irregularidades em sua pasta e que acabaram envolvendo-o também. Acontece que Nascimento é o presidente nacional do PR e foi quem articulou, juntamente com o senador Blairo Maggi, a decisão da bancada no Senado.

Com esta decisão está de acordo o deputado Valdemar da Costa Neto, que detém o controle, de fato, do partido. E Valdemar Costa Neto maneja a bancada do PR na Câmara dos Deputados. Aliás, a bancada na Câmara tem do governo as mesmas queixas que a bancada no Senado expressa, embora não haja se reunido para formalmente declarar-se na oposição.

Como que numa antecipação do resultado da reunião de presidentes estaduais da legenda com o comando nacional para fixar o princípio da busca de alianças eleitorais com partidos que não sejam da base partidária do governo (PSDB, DEM, PPS, PSD, entre outros), as executivas estadual e municipal do PR em São Paulo aprovaram abertura de negociações com dois candidatos a prefeito, o tucano José Serra e o peemedebista Gabriel Chalita.

Serra é de partido oposicionista. Chalita é de um partido que integra a base governista, mas o detalhe é que o PT está apostando alto na disputa eleitoral pela prefeitura paulistana, com a candidatura do ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, que fez na pasta uma gestão polêmica, mas foi abençoado por Lula, que decidiu lançá-lo candidato e tornou-se o principal articulador da candidatura.

O PT busca tomar a prefeitura de São Paulo como degrau para tomar em 2014 o
governo do Estado de São Paulo, que tem sido o principal reduto das oposições no país. Uma eventual conquista de São Paulo pelo PT resultaria (ressalvando-se sempre acontecimentos imprevisíveis) na consolidação da hegemonia petista no país. Daí que a decisão do PR de negociar com um tucano e com um peemedebista aliança para as eleições de prefeito de São Paulo deve estar doendo bastante no PT e, por extensão, no governo Dilma Rousseff.

Enquanto isso ocorre no âmbito das eleições municipais, o momento no Congresso continua desagradável para a presidente Dilma Rousseff e seu governo. Há dificuldades com o Código Florestal e o governo quer adiar a votação na Câmara por conta delas, dando prioridade à Lei Geral da Copa, onde dificuldades existem, mas são menores.

Aproveitando a crise na base governista, que não se limita à questão do PR, envolvendo outros setores, principalmente do PMDB, o senador tucano Álvaro Dias está recolhendo assinaturas para dois requerimentos de criação de uma CPI para a Saúde. Um dos requerimentos pede uma CPI mista de deputados e senadores e a obtenção das assinaturas em número necessário (um terço da Câmara e um terço do Senado) é mais difícil. O outro requerimento pede a criação da CPI da Saúde somente no Senado. Neste caso, a chance de conseguir assinaturas é melhor.

O presidente francês e candidato à reeleição, Nicolas Sarkozy, considerou hoje evidente a motivação antissemita do ataque contra uma escola judaica em Toulouse (sul) e anunciou que elevou para o máximo o alerta antiterrorista na região.

Um homem armado disparou esta manhã indiscriminadamente contra a entrada do colégio judeu Ozar Hatorah, em Toulouse, provocando a morte de um professor e três crianças, além de vários feridos.

No Eliseu, Sarkozy indicou que as informações transmitidas à presidência pelas autoridades policiais permitem afirmar que “uma mesma pessoa e uma mesma arma” mataram os três militares na semana passada e as quatro pessoas no colégio judeu.

O chefe de Estado, que suspendeu a campanha eleitoral “pelo menos até quarta-feira”, o dia do enterro dos três militares assassinados na semana passada, assegurou que “este ato odioso não pode ficar impune” e que foram mobilizados “todos os meios disponíveis” para capturar o responsável.

Sarkozy anunciou que o plano de alertas antiterroristas “vigipirate” foi elevado ao nível máximo, e que 120 investigadores se encontram em Toulouse, numa investigação coordenada pelo ministro do Interior, Claude Guéant.

O candidato conservador à primeira volta das presidenciais em abril indicou que “toda a República está mobilizada” para enfrentar o drama provocado “por uma evidente motivação antissemita”

(Deu no Diario de Noticias, de Lisboa)


============================================

Samambaias na Varanda

Klecius Caldas / Victor Freire

Samambaias na varanda,
muitas flores no jardim,
as crianças em ciranda
no meu bairro era assim.

Vinha a lua de mansinho,
quanta paz nos corações,
e depois vinha o velhinho
que acendia os lampiões.

Este quadro da cidade,
hoje não existe mais.
Só existe é na saudade
dos meus tempos de rapaz.

Minha rua, tão tranquila,
não tem lua nem tem céu.
Onde era a minha vila,
hoje é um arranha-céu.

===================================
Sugestão e garimpo do jornalista Gilson Nogueira, amigo e colaborador da primeira hora do Bahia em Pauta.

BOA NOITE!!!

(VHS)

  • Arquivos